segunda-feira, 30 de abril de 2012

Prévia da CPMI Veja-Cachoeira

GilsonSampaio

O vídeo acima pode ser a prévia da CPMI Veja-Cachoeira sem participação popular nas ruas. Só com ativismo internético as águas da cachoeira talham e viram um angu de caroço.

30 de abril de 1975: o dia em que o império terrorista fugiu com o rabo entre as pernas

 

Saigón 75: Un símbolo en la memoria universal

 

Hay fechas que marcan hitos históricos y perduran para siempre en la memoria universal. Así ocurre con el 30 de abril de 1975, simbolizado en un tanque que derribaba las puertas del palacio gubernamental del antiguo Saigón, en el sur de Vietnam.

Era un mediodía cuando las aguerridas Fuerzas de Liberación del heroico pueblo vietnamita irrumpían en la guarida de un régimen em estampida, solo sostenido por el poderío militar de una potencia como Estados Unidos.

Y más que ponerle término a la ignominia de la subordinación que allí se cobijaba, aquel memorable episodio fue contundente escena final de una anunciada derrota política y militar infligida al prepotente imperio injerencista y agresor.

Nunca le fue tan humillante, precedida en las vísperas por las elocuentes imágenes de fugas precipitadas y desesperadas, de rebatiñas por treparse en helicópteros y huir a como diera lugar de la avalancha liberadora y revolucionaria en marcha.

Desde que en 1964 Estados Unidos sacó intencionado partido del llamado incidente del Golfo de Tonkin, una fraudulenta auto agresión para desatar la guerra en Vietnam, habían transcurrido algo más de dos décadas de muy alto costo humano y material.

Como pocas veces se tenga noticias pueblo alguno sufriría tanto castigo en vidas y recursos naturales, por el solo hecho de defender su derecho a la soberanía nacional, la independencia y la unidad e integridad territorial.

Todavía hoy, en un Vietnam más fuerte, como nunca se cansó de avizorar el gran Ho Chi Minh, aún bajo los bombas cayendo sobre Hanoi, se sigue reclamando por las víctimas, generación tras otra, del infernal “agente naranja”, diseminado por la aviación estadounidense en poblaciones civiles, sembradíos y bosques.

Pero también esa ejemplar y pertinaz resistencia protagonizada por los vietnamitas suscitó admiración y solidaridad mundiales y contribuyó a despertar conciencias en los propios Estados Unidos, donde comenzó a romperse el mito de la invencibilidad de sus marines y tropas equipadas con lo último en tecnología bélica.

Ello constituyó una formidable lección, la de que “si, se puede”, al igual que antes en la batalla cubana de Girón, en 1961 frente a mercenarios sostenidos por Washington. O en otro contexto, el abril de 2002 en Caracas, Venezuela, en el fondo, de la misma hechura.

La relampagueante entrada de las Fuerzas Armadas Populares de Liberación de Vietnam a Saigón, resultó el colofón de una acertada estrategia, que atravesó por sucesivas etapas cruciales, desde que el 1971, los estadounidenes no pudieron controlar las fronteras entre Vietnam, Laos y Cambodia por la carretera 9.

En ese momento, con las zonas liberadas abarcando más del 50 por ciento de los escenarios de la guerra, la derrota ya se vislumbraba, y dos años después, en 1973 los patriotas obligaban a los agresores a sentarse en la mesa de negociaciones en Paris y suscribir un acuerdo de paz.

A partir de entonces, en medio de continuadas violaciones estadounidenses a lo pactado, otras batallas decisivas contra los baluartes militares de Phoc Long, Buon Me Thuot, Pleikú, Che Reo, Da Nang, Hha Trang Luang y otros fueron cimentando el camino al asalto culminante.

El Comité Central del entonces llamado Partido de los Trabajadores de Vietnam, decidió desatar el 10 de marzo de 1975 la gran ofensiva final y la operación Ho Chi Minh.

Durante los días 26, 27 y 28 de abril se había generalizado por toda la franja costera y en diversos puntos se desarrollaban combates encarnizados, cuerpo a cuerpo, casa por casa para romper el presuntuoso “cordón sanitario” alrededor de la capital del sur.

Por esos días, Le Van Phuong, un joven tanquista, ya veterano de las batallas de la carretera 9 y Da Nang, recibió la orden de marchar hacia Saigón y fue a quien le tocó derribar las puertas del palacio que albergó a todos los gobiernos que siguieron a pie juntillas las órdenes del mando estadounidense de ocupación.

Entrevistado por la radioemisora Voz de Vietnam, con motivo de este aniversario del acontecimiento, aún le emociona evocarlo, y al recordar también a su jefe de compañía, Bui Quang Than, izando en lo más alto de aquel recinto la bandera de la liberación.

La foto en la que aparece el tanquista, y que ha devenido símbolo mundial, fue tomada por Francoise Demulder, fallecida en 2009, una reportera francesa, a quien según sus propias palabras, la guerra en Vietnam le cambió el sentido de su oficio y de su vida.

Luego cubrió la guerra en el Líbano y la resistencia de los palestinos, entre otros conflictos que calificó de injustos.

Antes de morir regresó a Hanoi, en búsqueda de Phuong, a quien encontró en una humilde vivienda de una callejuela de Son Tay, modesto en su hazaña, y entregado como uno más a las tareas de la vida civil de un país reconstruido y en crecimiento.

Ambos se abrazaron y lloraron, porque también la liberación de la hoy Ciudad Ho Chi Minh, que terminó reunificando a Vietnam, hermana más allá de fronteras.

Saigón 75 representa por siempre un símbolo de resistencia y victoria de una causa justa en la memoria universal.

(Tomado de Prensa Latina)

Por que a senhora dança?

Sanguessugado do Bourdoukan

A imagem de Hillary Clinton dançando chá-chá-chá vem da Colômbia.

Seus assessores dizem que ela estava feliz e comemorando.

Não explicaram o que ela comemorava.

E muito menos tanta felicidade.

Em se tratando da Colômbia, pode-se conjecturar duas coisas.

A ocupação militar do país e

O país ter-se tornado o maior produtor de cocaína.

E, por que não?

O câncer do presidente venezuelano Hugo Chávez.

Mas ela pode estar comemorando também o cerco que os mercenários fazem a Damasco;

A destruição e o roubo de 53 mil sítios históricos do Iraque.

Alem do assassinato de mais de um milhão de pessoas da antiga Suméria, Mesopotâmia e Babilônia.

Pode estar também comemorando o esquartejamento da Líbia, a histórica Cartago.

Pode estar comemorando o genocídio no Afeganistão.

A ocupação da Palestina.

Enfim, ela tem muito o que comemorar.

Veja a foto abaixo, representativa da democracia estadunidense.

Pai e filho num dos campos de concentração no Iraque.

Não é para se comemorar?

Atentem para o sorriso da senhora Clinton.

Ela não parece estar “viajando”?

E onde está se dando essa comemoração?

Ninguém informa.

Mas pelo retrospecto dos guarda-costas do presidente obama e de seus “seguranças”, com certeza não é em nenhum  clube familiar.

Alguém se arriscaria onde foi?

Fidel Castro: Lo que Obama conoce

Via CubaDebate

La sublevación en la ONU (Primera parte)

El artículo más demoledor que he visto en este momento sobre América Latina, fue escrito por Renán Vega Cantor, profesor titular de la Universidad Pedagógica Nacional de Bogotá y publicado hace 3 días en el sitio web Rebelión, bajo el título “Ecos de la Cumbre de las Américas”.

Es breve y no debo hacer versiones, los estudiosos del tema pueden buscarlo en el sitio indicado.

En más de una ocasión he mencionado el infame acuerdo que EEUU impuso a los países de América Latina y el Caribe al crear la OEA, en aquella reunión de cancilleres, que tuvo lugar en la ciudad de Bogotá, en el mes de Abril de 1948; en esa fecha, por puro azar, me encontraba allí promoviendo un congreso latinoamericano de estudiantes, cuyos objetivos fundamentales eran la lucha contra las colonias europeas y las sangrientas tiranías impuestas por Estados Unidos en este hemisferio.

Uno de los más brillantes líderes políticos de Colombia, Jorge Eliécer Gaitán, que con creciente fuerza había unido los sectores más progresistas de Colombia que se oponían al engendro yanki y cuya próxima victoria electoral nadie dudaba, ofreció su apoyo al congreso estudiantil. Fue asesinado alevosamente. Su muerte provocó la rebelión que ha proseguido a lo largo de más de medio siglo.

Las luchas sociales se han prolongado a lo largo de milenios, cuando los seres humanos, mediante la guerra dispusieron de un excedente de producción para satisfacer las necesidades esenciales de la vida.

Como se conoce los años de esclavitud física, la forma más brutal de explotación, se extendieron en algunos países hasta hace algo más de un siglo, como ocurrió en nuestra propia Patria en la etapa final del poder colonial español.

En los propios Estados Unidos la esclavitud de los descendientes de africanos se prolongó hasta la presidencia de Abraham Lincoln. La abolición de esa forma brutal de explotación se produjo apenas 30 años antes que en Cuba.

Martin Luther King soñaba con la igualdad de los negros en Estados Unidos hasta hace apenas 44 años, cuando fue vilmente asesinado, en abril de 1968.

Nuestra época se caracteriza por el avance acelerado de la ciencia y la tecnología. Estemos o no conscientes de ello, es lo que determina el futuro de la humanidad, se trata de una etapa enteramente nueva. La lucha real de nuestra especie por su propia supervivencia es lo que prevalece  en todos los rincones del mundo globalizado.

En lo inmediato, todos los latinoamericanos y de modo especial nuestro país, serán afectados por el proceso que tiene lugar en Venezuela, cuna del Libertador de América.

Apenas necesito repetir lo que ustedes conocen: los vínculos estrechos de nuestro pueblo con el pueblo venezolano, con Hugo Chávez, promotor de la Revolución Bolivariana, y con el Partido Socialista Unido creado por él.

Una de las primeras actividades promovidas por la Revolución Bolivariana fue la Cooperación Médica de Cuba, un campo en el que nuestro país alcanzó especial prestigio, reconocido hoy por la opinión pública internacional. Miles de centros dotados con equipos de alta tecnología que suministra la industria mundial especializada, fueron creados por el Gobierno bolivariano para atender a su pueblo. Chávez por su parte no seleccionó costosas clínicas privadas para atender su propia salud; puso esta en manos de los servicios médicos que ofrecía a su pueblo.

Nuestros médicos además consagraron  una parte de su tiempo a la formación de médicos venezolanos en aulas debidamente equipadas por el gobierno para esa tarea. El pueblo venezolano, con independencia de sus ingresos personales, comenzó a recibir los servicios especializados de nuestros médicos, ubicándolo entre los mejor atendidos del mundo y sus índices de salud comenzaron a mejorar visiblemente.

El Presidente Obama conoce esto perfectamente bien y lo ha comentado con alguno de sus visitantes. A uno de ellos le expresó con franqueza:  ”el problema es que Estados Unidos envía soldados y Cuba, en cambio, envía médicos”.

Chávez, un líder, que en doce años no conoció un minuto de descanso y con una salud de hierro se vió, sin embargo, afectado por una inesperada enfermedad, descubierta y tratada por el propio personal especializado que lo atendía, no fue fácil persuadirlo de la necesidad de prestar atención máxima a su propia salud. Desde entonces, con ejemplar conducta, ha cumplido estrictamente con las medidas pertinentes sin dejar de atender sus deberes como Jefe de Estado y líder del país.

Me atrevo a calificar su actitud como heroica y disciplinada. De su mente no se apartan,  ni un solo minuto, sus obligaciones, en ocasiones hasta el agotamiento. Puedo dar fe de ello porque no he dejado de tener contacto e intercambiar con él. Su fecunda inteligencia no ha cesado de consagrarse al estudio y análisis de los problemas del país. Le divierten la bajeza y las calumnias de los voceros de la oligarquía y el imperio. Jamás le escuché insultos ni bajezas al hablar de sus enemigos. No es su lenguaje.

El enemigo conoce aristas de su carácter y multiplica sus esfuerzos destinados a calumniar y golpear al Presidente Chávez. Por mi parte no vacilo en afirmar mi modesta opinión ─emanada de más de medio siglo de lucha─ de que la oligarquía jamás podría gobernar de nuevo ese país. Es por ello preocupante que el Gobierno de Estados Unidos haya decidido en tales circunstancias promover el derrocamiento del Gobierno bolivariano.

Por otro lado, insistir en la calumniosa campaña de que en la alta dirección del Gobierno bolivariano existe una desesperada lucha por la toma del mando del gobierno revolucionario si el Presidente no logra superar su enfermedad, es una grosera mentira.

Por el contrario, he podido observar la más estrecha unidad de la dirección de la Revolución Bolivariana.

Un error de Obama, en tales circunstancias, puede ocasionar un río de sangre en Venezuela. La sangre venezolana, es sangre ecuatoriana, brasileña, argentina, boliviana, chilena, uruguaya, centroamericana, dominicana y cubana.

Hay que partir de esta realidad, al analizar la situación  política de Venezuela.

¿Se comprende por qué el himno de los trabajadores exhorta a cambiar el mundo hundiendo el imperio burgués?

Fidel Castro Ruz

Oposição apresenta enxurrada de requerimentos na comissão para diluir o foco das investigações

Via Hora do Povo

O PSDB e o DEM apresentaram, na quarta-feira (25), mais de 70 requerimentos à CPI do Cachoeira – muitos deles repetidos, pedindo que sejam ouvidas 16 pessoas.

Entre tantos os requerimentos apresentados para as oitivas, a oposição deixou de fora, por exemplo, o senador Demóstenes Torres (sem partido/GO) e os parlamentares que estariam envolvidos com Cachoeira. A revista ‘Veja’ também não foi incluída. Além do compartilhamento dos inquéritos, os oposicionistas pediram para que o dono da construtora Delta, Fernando Cavendish, seja ouvido. Apesar de pedirem para que Marconi Perillo (PSDB) seja ouvido, trata-se de manobra da oposição para diluir o foco das investigações. Perillo está tão visado que se não o convocassem iria dar na vista.

O deputado Carlos Sampaio (PSDB/SP), que coordena os deputados do partido que fazem parte da CPI, conta ter chegado às 8h50 para apresentar os 43 requerimentos do partido – e encontrou um assessor do DEM, que já estava lá desde 6h30. A manobra da oposição para desviar o foco das investigações incluiu ainda a tentativa de criação de sub-relatorias, buscando enfraquecer o trabalho do relator Odair Cunha.

Cimeira da Nato? Melhor evacuar...

Sanguessugado do Informação Incorrecta

Uma curiosa notícia da CBS via Prison Planet: o governo federal dos Estados Unidos preparou planos para evacuar a cidade de Chicago durante a próxima cimeira da Nato.

E não, não é uma invenção de Alex Jones: é uma directiva real, recebida pela Cruz Vermelha da área de Milwakee. Segundo o correio electrónico enviado aos voluntários da Cruz Vermelha, em Maio poderia haver "distúrbios ou outros acidentes de segurança nacional".

E lá vão eles com a "segurança nacional", mais uma vez...

A reportagem da CBS revela que foi pedido para que a Cruz Vermelha americana disponibilize um número não precisado de abrigos em caso de evacuação de Chicago. Um porta-voz da mesma organização afirmou que a directiva chegou dos Serviços Secretos.

Os serviços secretos não comentam a notícia, enquanto os funcionários do Office of Emergency Management and Communication of Chicago (OMEC) afirmam não ter nada a ver com o assunto.

Há duas semanas os moradores de Chicago tinham sido surpreendidos pelos exercícios de guerrilha urbana no centro da cidade, autorizados pelo OMEC: os helicópteros Black Hawk voaram ao longo de algumas horas entre os edifícios e agora parece possível ligar estes exercícios aos preparativos para a evacuação.

Desde o começo da passada semana, alguns residentes sempre da área de Chicago foram convidados a abandonar temporariamente as casas deles e preparar-se em vista de maiores distúrbios. Os residentes receberam esta carta dos administradores da cidade:

Recomendamos fortemente que todos os moradores encontrem lugares onde ficar durante a conferência a ser realizada nos dias 18-21 de Maio.

No caso de um motim ou de possibilidade de motim perto dum prédio próximo, todas as portas de acesso serão trancadas, incluindo a porta da garagem. [...] Para a segurança de todos, estamos a alertar todos no prédio para permanecer nas unidades deles.

Sem dúvida a Administração sabe como fazer as coisas sem espalhar o pânico...

O facto da Cruz Vermelha ter de disponibilizar abrigos coincide com a iniciativa da Federal Emergency Management Agency (FEMA) que no princípio do ano pediu a construção de campos de abrigo temporário no interior dos Estados Unidos, capazes de acolher evacuados no prazo máximo de 72 horas.

Os campos são projectados principalmente para acolher os serviços de emergência, mas podem também servir de abrigo para cidadãos evacuados aos quais serão oferecidos "as primeiras possibilidades de colocação no interior do campo".

Nesta página de Prison Planet podem ser encontrados vários vídeo dos helicópteros em voo durante os exercícios, incluída uma reportagem da Fox News.

No seguinte vídeo, em língua original, a reportagem da CBS:

 

Os cidadãos parecem um pouco preocupados, mas nada de grave. Bem mais preocupada é a Administração. E quando um governo tem medo dos próprios cidadãos, algo não bate bem...

Ipse dixit.

Fonte: CBS (via Prison Planet)

‘Planeta Mantega entra no jogo do petróleo, do lado dos lobistas’

Via Correio da Cidadania

Valéria Nader, da Redação; colaborou Gabriel Brito.

O que será que anda acontecendo com o nosso petróleo e com a condução do setor em nosso país? Muitos de nós, antenados com as grandes obras que vêm tomando conta da agenda pública, a exemplo das inúmeras obras do PAC, de Belo Monte, da Transposição do São Francisco, e que estão diuturnamente iluminadas pelos veículos de comunicação, podemos estar nos fazendo esta pergunta nestes últimos meses. Afinal, vieram a nova legislação para o pré-sal, o barulho em torno dos royalties, os vazamentos de óleo no mar, mas, agora, o setor do petróleo anda bem sumido da mídia.No entanto, o barulho em torno do setor, assim como as articulações dos grandes e poderosos lobistas pra fazerem valer seus propósitos para este cobiçadíssimo ‘ouro do futuro’, estão animadíssimos. É o que se pode inferir a partir das colocações veementes do engenheiro Fernando Siqueira, o ex-presidente da AEPET (a Associação de Engenheiros da Petrobrás).Além da enorme pressão de lobistas para a retomada dos leilões, inclusive na área do pré-sal, o cartel internacional até hoje não se conformou com o fim da Lei (9478/97), do governo FHC, que introduziu o sistema de partilha no lugar do sistema de concessão na área petrolífera. Não tendo, portanto, conseguido impedir a retomada da propriedade da União sobre o petróleo, está brigando para que não seja votado o PL 2565/2011, que está na Câmara, e que contém emenda que impede a devolução em petróleo dos royalties pagos pelas empresas exploradoras. Quanto à postura do governo face ao tema, Siqueira a toma como preocupante. Segundo declara, “o ministro Mantega, também conselheiro da Petrobrás, disse recentemente que o governo quer que a votação do petróleo se dê depois das eleições municipais ‘para não contaminar o processo’. Tudo o que o cartel internacional deseja. Se a votação for agora, haverá mais uma forte razão para a aprovação do PL 2565, que impede a devolução dos royalties, além de distribuí-los de uma forma mais equânime: os deputados candidatos não votariam contra os interesses de seus eleitores”.Se não está otimista no que tange às condutas públicas atuais no setor petrolífero, o engenheiro tem esperanças de que a Petrobrás retome o monopólio do petróleo em meio a uma tendência mundial de controle estatal no setor. Único modo de, segundo Siqueira, o pré-sal contemplar o seu verdadeiro dono, o povo brasileiro, e de o país se beneficiar de seu petróleo.Confira a seguir a entrevista completa.

Correio da Cidadania: Vieram a nova legislação para o pré-sal, o barulho em torno dos royalties, os vazamentos de óleo no mar, mas, agora, o setor do petróleo anda sumido da mídia. Por que o sumiço, as questões importantes foram ou têm sido bem equacionadas?

Fernando Siqueira: Este sumiço é deveras preocupante, pois a tática do lobby internacional é postergar a votação do Projeto de Lei do Senado (PLS 448), que foi aprovado naquela casa por ampla maioria, e que se encontra hoje na Câmara com o nome de PL 2565/2011. O objetivo deles é “convencer” os deputados a não derrubar a devolução dos Royalties. Este PL reedita a emenda Pedro Simon, de uma forma otimizada, ou seja, impede a devolução (ressarcimento), em petróleo, dos royalties pagos e faz uma distribuição mais bem elaborada para todos os estados. Com uma emenda do deputado Marcelo Castro, mantém os ganhos dos estados produtores nos níveis de 2011, e vai aumentado os ganhos dos não produtores gradativamente.

Há, portanto, um consenso nesta nova redação. Mas o lobby internacional não está satisfeito, visto que o contrato de partilha de produção restaura a propriedade da União sobre o petróleo produzido. A lei anterior, de FHC, dava 100% da propriedade do petróleo a quem produzisse e uma obrigação de pagar somente 10% de royalties e mais cerca de 11% de Participação Especial, num total de 21%, tudo em dinheiro. No mundo, os países exportadores ficam com cerca de 80% da produção, em petróleo. Essa era a Lei (9478/97) que o cartel queria manter no pré-sal. Não conseguindo, introduziram a emenda que devolve, em petróleo, os royalties pagos.

Correio da Cidadania: Pensando um pouco nos Royalties, em nossa última entrevista, você já destacara que a briga entre Sergio Cabral e Paulo Hartung, governadores do Rio de Janeiro e Espírito Santo, em torno da distribuição dos Royalties, era biombo para encobrir mal maior - o ressarcimento em óleo do valor pago em royalties pelas empresas exploradoras do petróleo. Este debate, pelo visto, acirrou-se, não?

Fernando Siqueira: O cartel internacional, não conseguindo impedir a retomada da propriedade da União sobre o petróleo, introduziu a emenda que eleva os royalties pagos para 15% e os devolve ao produtor, em petróleo. Assim, a participação da União cairia de cerca de 50% para apenas 35% do petróleo produzido, ficando o consórcio produtor com 65% do petróleo. Mesmo o produtor pagando o custo de produção em dólar, o que importa é o petróleo, pelo seu alto poderio estratégico. Portanto, o Brasil perderia um baita poder de barganha. Já estamos atingindo o pico de produção mundial, segundo especialistas internacionais, e a tendência é: quem tiver petróleo vai ter um poder geopolítico imenso. O cartel quer esse poder para si. Esse debate está agora na Câmara e a pressão é para não votar já, pois os parlamentares tendem, hoje, a aprovar o PL 2565/2011.

Correio da Cidadania: E os leilões, bastante desaparecidos dos noticiários, como têm caminhado as negociações e rodadas de entrega do petróleo? A ANP – Agência Nacional de Petróleo - continua promovendo tais rodadas?

Fernando Siqueira: Os leilões estão suspensos em face da pendência da votação do PL 2565. Mas, infelizmente, a pressão para a sua retomada é enorme. Tanto o ministro Lobão como a Agência Nacional do Petróleo vêm se posicionando a favor dos leilões. E querem incluir áreas do pré-sal, o que, a nosso ver, não tem sentido. O pré-sal já está descoberto, tem risco baixíssimo e a Petrobrás tem todas as condições técnicas e financeiras para produzi-lo. Os acidentes da BP no Golfo do México e o da Chevron em Frade afirmam bem nossa posição: em ambos os casos a empresa de perfuração era a Transocean, que presta esse serviço às produtoras. Ocorre que quem comanda o projeto de perfuração é a petroleira e não a prestadora do serviço. Nos dois casos, as petroleiras, por economia, levaram a Transocean a contrariar regras de segurança, causando os acidentes. A Transocean trabalha para a Petrobrás e já perfurou vários poços do pré-sal, não causando qualquer acidente. A Petrobrás, sendo uma empresa controlada pelo governo (portanto, pela sociedade), não comete esse tipo de agressão à segurança.

Correio da Cidadania: Diante dessa pressão pela retomada dos leilões, inclusive do pré-sal, avançamos minimamente no sentido de impedir que caiam sorrateiramente nas mãos de empresas estrangeiras, ou que os lucros beneficiem as multinacionais dos EUA, Europa e Ásia?

Fernando Siqueira: Conforme dito, há uma queda de braço no Congresso: de um lado, o cartel internacional comandado pelo IBP (Instituto Brasileiro de Petróleo), que quer piorar a nova lei fazendo retornar o ressarcimento dos royalties; e do outro, os parlamentares nacionalistas que não querem deixar que esta situação vingue. Se for votado agora, o PL 2565 tem grande chance de ser aprovado, como o foi no Senado. E ele representa um avanço importante a favor do Brasil. Daí o trabalho do lobby em prorrogar a votação para depois das eleições municipais. Com isto ganham tempo para “convencer” os parlamentares a retomar o ressarcimento.

Correio da Cidadania: Como anda a condução política do setor petrolífero - desestabilizador da economia mundial em determinados momentos - pelo governo atual da presidente Dilma?

Fernando Siqueira: Também um pouco preocupante. O ministro Mantega, também conselheiro da Petrobrás, disse recentemente que o governo quer que a votação do petróleo se dê depois das eleições municipais “para não contaminar o processo”. Tudo o que o cartel internacional deseja. Se a votação for agora, haverá mais uma forte razão para a aprovação do PL 2565, que impede a devolução dos royalties, além de distribuí-los de uma forma mais equânime: os deputados candidatos não votariam contra os interesses de seus eleitores. Se for depois das eleições, a chance do cartel internacional aumenta, inclusive com a oportunidade de um maior “convencimento” dos parlamentares.

A Revista Época de 16/01 fez uma matéria de 11 páginas com altos elogios ao ministro Mantega. Agora ficou claro. É esta uma nova forma de cooptação. A Câmara de Comércio Brasil/Inglaterra deu o título de homem do ano ao ministro Lobão. Ele voltou de lá defendendo efusivamente os leilões; Gabrielli também ganhou esse título da Câmara de Comércio Brasil/EUA. Agora o “planeta Mantega”, título da matéria, entra no jogo, do lado dos lobistas.

Correio da Cidadania: A propósito, em entrevista do ano passado, o economista e estudioso do petróleo Wladmir Coelho declarou que “o governo abriu mão do controle da política econômica do petróleo”. Concorda com essa tese?

Fernando Siqueira: Em parte, sim. Com a popularidade que a presidente Dilma vem conseguindo, ela poderia seguir o exemplo da Cristina Kirchner na Argentina e acabar de vez com os leilões do petróleo, que não beneficiam em nada o nosso país. Pelo contrário, entregam um bem altamente estratégico, fundamental para o nosso desenvolvimento, a quem não fez qualquer esforço ou correu risco para descobrir, mesmo tendo essas áreas sob controle nos 13 anos de contratos de risco. Leilão implica em desnacionalizar o nosso petróleo, pois os consórcios internacionais irão exportar todo ele, bruto, sem agregar valor, tendo ganhos enormes em detrimento do povo brasileiro. Só de impostos, o país perde mais de 30%, pois o petróleo exportado não paga PIS/COFINS, ICMS nem CIDE. Além disto, ele não gera emprego nem novas tecnologias ao país. A Agência Nacional de Petróleo, desde que foi criada, defende os interesses externos em detrimento do país.

Por exemplo: um dos quatro projetos apresentados pelo governo Lula para melhorar a legislação do petróleo foi o da Cessão Onerosa para a capitalização da Petrobrás. Consistia em o governo ceder áreas para a Petrobrás explorar com uma perspectiva de conseguir 5 bilhões de barris. A Petrobrás compraria do governo essa área com títulos do próprio governo e este, com os títulos, compraria ações da Petrobras. Assim foi feito e a Petrobrás iniciou a perfuração dos quatro blocos cedidos. O bloco de Franco revelou uma reserva da ordem de 6 bilhões de barris; o segundo, o bloco de Libra, revelou uma reserva da ordem de 15 bilhões de barris. O que fez a ANP? Ao invés de manter o Libra com a Petrobrás, conforme autoriza a nova lei, retirou-o da Cessão Onerosa e pretendia licitá-lo. “Mas a senhora vai licitar petróleo descoberto? Libra é uma área estratégica e pela nova lei pode ser mantida com a Petrobrás”, questionamos num encontro no Clube de Engenharia. “Vamos estudar”, respondeu a diretora Magda Chambriard. Se a ANP, órgão do governo, agisse corretamente, não teria dúvidas em manter Libra com a Petrobrás, através de um contrato de partilha.

Correio da Cidadania: No que se refere ainda à conduta de nosso governo na área do petróleo, como avalia a sua reação frente ao vazamento provocado pela multinacional anglo-americana Chevron? Existem outros problemas ambientais ocorrendo na exploração petrolífera em terras e águas do Brasil?

Fernando Siqueira: O caso Chevron explicita bem o domínio que estas empresas exercem no mundo todo. Decorridos mais de seis meses do acidente, até hoje, os órgãos governamentais não sabem o que realmente aconteceu. A Chevron ocultou a verdade, deu versões falsas e até tentou colocar a culpa na Petrobrás. Na verdade ela obrigou a Transocean a desrespeitar as normas de segurança ao perfurar dois reservatórios em níveis diferentes sem isolar o primeiro deles, revestindo o poço no intervalo que o abrangia. Essa trapalhada resultou no dano ao invólucro do reservatório superior com derrames sucessivos de óleo.

A Chevron deveria ser obrigada a reparar o dano, mas ganha tempo para que essas transgressões sejam esquecidas. A conduta dos órgãos fiscalizadores nacionais deixou muito a desejar. Foi uma reação pífia. A produção do petróleo é uma atividade que envolve risco. Em águas profundas mais ainda. Portanto, é preciso que a produção seja exercida por uma empresa que obedeça às leis do país e às normas de segurança. Esta é mais uma razão para que a produção seja feita pela Petrobrás, que, além de maior competência, é controlada pela sociedade.

Correio da Cidadania: Neste sentido, que papel tem sido reservado à Petrobras no atual jogo político-econômico do petróleo? Você concorda, por exemplo, com investimentos que vêm sendo feitos pela estatal em associação com grupos econômicos nacionais, muitos dos quais não gozam de retrospecto satisfatório no que se refere à responsabilidade social?

Fernando Siqueira: O projeto do governo Lula trouxe avanços, como a Petrobrás ser a operadora de todo o pré-sal e o contrato de partilha que resgata a propriedade do petróleo para a União. Mas pecou em não acabar com os leilões. O fato de a Petrobrás ser operadora de todos os campos do pré-sal dá uma certa tranqüilidade porque ela é uma empresa controlada pela sociedade. A medição do petróleo produzido e a avaliação dos custos de produção (que são ressarcidos em petróleo) são a maior fonte de corrupção na produção mundial de petróleo. Sendo a Petrobrás a operadora única, temos um pouco mais de tranquilidade. Ela terá um papel fundamental na lisura do processo produtivo. Além disso, fica mais fácil controlar o ritmo da produção.

Mas havendo um sócio estrangeiro, com este detendo 70% do projeto de produção, vai pressionar para produzir o máximo possível. Se o pré-sal for produzido sem controle, ele pode acabar em 13 anos. Se for produzido atendendo ao interesse do país, pode durar mais de 40 anos. Daí defendermos a entrega total à Petrobrás, sem leilões e sem sócios privados. Além do mais, ela compra no mercado nacional, gera emprego e tecnologia e respeita o meio ambiente. É um papel estratégico e social que ela tem exercido com competência. Portanto, sou favorável a que ela trabalhe dentro das premissas da Lei 2004/53: sozinha.

Correio da Cidadania: Em um momento em que a vizinha argentina, como você citou de passagem, acaba de retomar maior controle da petrolífera YPF, não podemos deixar de lhe perguntar: ainda acredita na retomada do monopólio do petróleo pela Petrobrás?

Fernando Siqueira: Certamente. Essa é a tendência mundial. Hoje, cerca de 90% das reservas estão em mãos de empresas estatais, pois os países se conscientizaram de que o petróleo é o produto de maior conteúdo estratégico, entre todos. Os países desenvolvidos dependem totalmente dele, e não têm reservas, estando numa brutal insegurança energética. A sua substituição total exigirá mais de 25 anos e muitos investimentos.

A volta do Monopólio Estatal fará com que o pré-sal contemple o seu verdadeiro dono, o povo brasileiro. Só assim o país se beneficia do petróleo, fazendo negociações vantajosas. Essa é a nossa luta principal. Defendemos a volta da Lei 2004/53, fruto do maior movimento cívico da nossa história e que, durante a sua vigência, permitiu a descoberta de mais de 90% das reservas atuais, incluído o pré-sal, que há mais de 30 anos vinha sendo mapeado pelos técnicos da Petrobras. Só foi perfurado, com sucesso, quando a tecnologia permitiu. Mas foi efeito da Lei 2004, promulgada em 1953.

Correio da Cidadania: Finalmente, a pergunta que nunca cala: imagina, assim, que possa haver uma nova reversão da Lei do Petróleo, de modo a estender os contratos de partilha para além das áreas do Pré-Sal?

Fernando Siqueira: Sim. Na medida em que o povo brasileiro se conscientizar de que esta é a maior chance que o Brasil já teve de deixar de ser o eterno país do futuro para ser o país do agora, acredito que um novo movimento nacional irá em busca dessa reversão. Inclusive das áreas do pré-sal já licitadas. Há condições legais para isto: 1) a Constituição diz que o direito coletivo deve prevalecer sobre o individual. E o petróleo é da União, portanto, dos brasileiros; 2) uma mudança de contrato pode ser efetivada quando mudam as condições contratuais. Quando as áreas do pré-sal foram licitadas, elas não contemplavam o pré-sal, porque ele não havia sido perfurado, portanto, não era comprovado. Contemplavam apenas o pós-sal. Como o pré-sal só foi descoberto e comprovado depois, ele não integrou as condições contratuais. E só foi descoberto porque os técnicos da Petrobrás acreditaram, mas nem os estrangeiros nem a ANP contaram com o pré-sal no processo de licitação.

Valéria Nader, economista e jornalista, é editora do Correio da Cidadania. Gabriel Brito é jornalista.

113 hombres armados sirios entregan sus armas

Via HispanTV

Continúa el proceso de rendición en Siria; unos 109 hombres armados se han entregado hoy domingo a las fuerzas de seguridad sirias en la provincia de Idlib, y otros 4 en la provincia suroccidental de Damasco Rural.

El presidente sirio, Bashar al-Asad, ha propuesto un plan de amnistía para los hombres armados a través de cual gozarán de libertad inmediata, en el caso de que no hubieran participado en atentados sangrientos.

De este modo, esas personas obtendrán libertad tras cumplir con los procedimientos legales, entre ellos comprometerse a no llevar armas y no participar en actos de violencia.

La semana pasada, centenares hombres armados, en distintas provincias de Siria, depusieron sus armas y se entregaron a las fuerzas de seguridad.

Ha aumentado, considerablemente, el número de personas que apuestan por ese proceso desde el pasado 12 de abril, debido a la tregua establecida en todo el país árabe, conforme al plan de paz del enviado especial de la Organización de las Naciones Unidas (ONU) y de la Liga Árabe para Siria, Kofi Annan.

domingo, 29 de abril de 2012

A casa caiu e só Reinaldo Azevedo não viu!

 

Sanguessugado do Terra Brasilis

O abestalhado Reinaldo Azevedo saiu em defesa  da Veja e seus jornalistas amestrados. Não poderia ser diferente, afinal, o dele também está na reta. Não precisa desenhar, eu entendo. Mas para defender a Veja e seus jornalistas amestrados, ele ataca o ex-ministro Dirceu. Acusa-o de fazer um governo paralelo, porque mantém encontros com políticos do PT. Ora, José Dirceu nunca deixou a política e não esconde esse fato de ninguém. Todo mundo sabe que é um nome importante e respeitado no PT. Quem fez um governo paralelo, bem escondido, safado e corrupto, visando a seus interesses pessoais e os de seus aliados – Cachoeira, Delta e sabe-se lá mais quem –, foi o ex-DEM Demóstenes Torres.

Vejamos: O contraventor Cachoeira dava as ordens, as coordenadas, fazia as exigências, e Demóstenes as executava; Demóstenes Torres ganhou um dos 15 telefones Nextel supostamente à prova de grampos, habilitado nos EUA, para tratar das negociatas com Cachoeira; Demóstenes Torres recebeu do Cachoeira, segundo a PGR, mais de R$ 3 milhões; Demóstenes Torres e Cachoeira abasteciam a Veja com ilações, suposições, que viravam verdades absolutas, para derrubar políticos que não lhes agradavam; segundo a FSP, Demóstenes ganhou do Cachoeira cinco garrafas de vinho Cheval Blanc, safra 1947, no valor de US$ 2.950 a garrafa –" Numa ligação a Gleyb, Demóstenes autoriza ligar para Las Vegas (EUA) para encomendar cinco garrafas: "Mete o pau aí. Para muitos é o melhor vinho do mundo, de todos os tempos". E completa: "Passa o cartão do nosso amigo aí, depois a gente vê". Gleyb então informa a Geovani Pereira da Silva, contador do grupo de Cachoeira, que comprou cinco garrafas para o "professor" – que a PF diz ser Demóstenes"; Demóstenes também ganhou fogão e geladeira importados do contraventor Cachoeira; Demóstenes Torres interferia nos três poderes a favor do contraventor Carlinhos Cachoeira, da Delta, conforme lhe era ordenado; existem mais de 300 horas de gravações da PF das conversas de Cachoeira com Demóstenes.

Com tudo isso e muito mais envolvendo o jornalista da Veja Policarpo Jr, o abestalhado do Reinaldo Azevedo resolve atacar o ex-ministro Dirceu. Reinaldo Azevedo, cadê as gravações que comprometem José Dirceu com a corrupção, com o ilícito? Cadê as provas, documentos, cheques, depósitos, telefonemas, vídeos, envolvendo o ex-ministro Dirceu?  Só o que você tem contra  Dirceu é o encontro dele com políticos  no hotel que estava hospedado? Havia nesse vídeo do encontro  algum contraventor, algum bandido? Se manca, Reinaldo Azevedo, sua causa - atacar José Dirceu e defender a Veja - está perdida. A casa caiu também sobre a sua cabeça!

Jussara Seixas [Editora do Terra Brasilis]

Qual pílula você vai escolher?

GilsonSampaio

Vamos cair na real: A revista Veja conspirou contra o governo, tentou derrubá-lo, tentou criar condições para um golpe tal qual na Venezuela.

Qual pílula você vai escolher?

matrix


O sionismo ensombra o Mundo

Sanguessugado do Guerra Silenciosa

Eça de Queiroz comenta a acção dos judeus na Alemanha 

[......] Mas o pior ainda, na Alemanha, é o hábil plano com que fortificam a sua prosperidade e garantem a sua influência – plano tão hábil que tem o sabor de uma conspiração: (*) na Alemanha, o judeu, lentamente, surdamente, tem se apoderado das duas grandes forças sociais – a Bolsa e a Imprensa. Quase todas as casas bancárias, quase todos os grandes jornais estão na posse do semita. Assim, torna-se inatacável. De modo que não só expulsa o alemão das profissões liberais, o humilha com a sua opulência rutilante, e o traz dependente do capital; mas, injúria suprema, pela voz de seus jornais, ordena-lhe o que há de fazer e com quem há de se bater! Tudo isso seria suportável se o judeu se fundisse com a raça indígena. Mas não. O mundo judeu conserva-se isolado, compacto, inacessível e impenetrável. As muralhas formidáveis do templo de Salomão, que foram arrasadas, continuam a pôr em torno dele um obstáculo de cidadelas. Dentro de Berlim há uma verdadeira Jerusalém, inexpugnável: aí se refugiam com o seu Deus, os seus costumes, o seu Sabbath, a sua língua, o seu orgulho, a sua secura, gozando o ouro e desprezando o cristão. Invadem a sociedade alemã, querem lá brilhar e dominar, mas não permitem que o alemão meta sequer o bico do sapato dentro da sociedade judaica. Só casam entre si; entre si ajudamente, regiamente, dando-se uns aos outros milhões, mas não favoreceriam com um troco um alemão esfomeado; e põe orgulho, um coquetismo insolente em se diferenciar do resto da nação em tudo, desde a maneira de pensar até a maneira de vestir.  [......]

Eça de Queiróz

In Cartas de Inglaterra, Israelismo.

Livraria Chardron, Lelo & Irmão, Porto, 1907.

NOTA:

(*)   Se a desconfiança e a hostilidade contra os judeus tivesse surgido somente num único país e só numa determinada época, seria fácil identificar as razões dessa aversão. Mas, ao contrário, essa raça é, desde há muito tempo, antipatizada pelos habitantes de todas as terras e nações no seio das quais se estabeleceu. Como os inimigos dos judeus existiram entre os mais diversos povos, os quais habitavam regiões distantes entre si e eram regidos até por leis determinadas por princípios opostos e se não tinham os mesmos costumes, e eram distintos no espírito de suas culturas, então as causas do anti-semitismo devem ser procuradas entre os próprios judeus, e não entre os seus antagonistas.

Bernard Lazare anarquista judeu

Antisémitisme, son histoire et ses causes, Paris 1934, Tomo I, pág.32

'Personal araponga' de Gilmar Mendes apareceu há um ano

Via Amigos do Presidente Lula

Quem noticiou a assessoria de Jairo Martins como "personal araponga" do ministro Gilmar Mendes (STF), foi o sisudo jornal "Estadão", há um ano atrás.

http://www.estadao.com.br/noticias/nacional,medo-de-espionagem-leva-ate-stf-a-pagar-agentes,713136,0.htm

Este fato foi mencionado no inquérito nº 3430, aberto contra Demóstenes Torres, no STF, quando a Polícia Federal investigou as ações de Jairo Martins a serviço do bicheiro Carlinhos Cachoeira. Eis a menção:

Segundo o "Estadão", a assessoria de Jairo Martins para Gilmar Mendes, seria "informal", ou seja, por fara dos serviços oficiais contratadas pelo Supremo Tribunal Federal.
Note-se que neste período da notícia (abril de 2011), Jairo Martins já obedecia a cadeia de comando de Carlinhos Cachoeira, segundo a Polícia Federal.
Cachoeira usava seus arapongas também para obter informações sobre investigações sigilosas dentro das Polícias Federal e estaduais, além dos Ministérios Públicos. Assim sabia com antecedência sobre investigações e operações policias que pudessem atingir suas atividades e de seus contatos políticos, empresariais e jurídicos.

Policial criminoso

Via Jornal do Brasil

Dalmo de Abreu Dallari

O policial que comete crime, agindo individualmente ou ligado a um bando criminoso, já não age como policial, mas como simples criminoso. Além de praticar uma grave falta funcional, ele compromete seriamente a autoridade das instituições policiais e pratica uma traição aos seus colegas que atuam nessa área, contribuindo para que se crie deles uma imagem negativa, que poderá ser extremamente prejudicial para eles próprios e também para seus familiares, em todas as relações sociais. O policial está entre aqueles servidores públicos dos quais mais se espera um comportamento exemplar, pelos poderes que lhe são conferidos assim como pelas graves conseqüências de seus desvios de conduta. E por isso os seus desvios deverão ser julgados e condenados com o maior rigor.

Essas observações são necessárias e oportunas em face de gravíssimas e preocupantes informações divulgadas recentemente pela imprensa, mas também pelo registro de uma atitude positiva do novo Comandante-Geral da Polícia Militar do Estado de São Paulo, que deve ser tomada como exemplo por todos os dirigentes das organizações policiais, sejam elas militares ou civis. Com efeito, além de outras notícias informando sobre o envolvimento de policiais em práticas criminosas, na edição do dia 22 deste mês o jornal “O Estado de São Paulo” dedica uma página inteira ao tema (pág. C1), sendo a matéria encimada pelo título “Policiais corruptos viram “consultores de risco” do crime organizado em São Paulo”. Associados a bandos de criminosos, esses policiais utilizam os recursos técnicos da Polícia para dar informações e instruções aos seus companheiros de ações criminosas, valendo-se de recursos e informações que lhe são proporcionados por sua condição de policiais, mas deixando de agir como policiais e passando a ser simplesmente criminosos. Esses policiais, que são, antes de tudo, criminosos, devem ser punidos com o maior rigor, pois aos efeitos maléficos que decorrem da prática de um crime acrescenta-se, nesse caso, a degradação da instituição policial, com a inevitável decorrência de um sentimento de desconfiança e de uma imagem negativa de toda a Polícia perante a população.

Atento a esses aspectos negativos e dispondo-se a enfrentá-los com firmeza, corrigindo práticas tradicionais que favorecem os policiais criminosos, o novo Comandante-Geral da Polícia Militar do Estado de São Paulo, Coronel Roberval Ferreira França, fez críticas abertas e explícitas a alguns privilégios concedidos a policiais criminosos. Assim, entre outros privilégios absurdos, é tradicional que os membros da Polícia Militar paulista que praticaram crimes e já foram judicialmente condenados cumpram a pena num presídio militar e não numa prisão comum. Há muitos anos, em conversa confidencial, ouvi de um Coronel da Polícia Militar que o Presídio Militar da Polícia paulista era chamado na intimidade, com ironia, de “colônia de férias”. Falando agora à imprensa o novo Comandante-Geral informou que pretende mandar para presídios comuns, em até 30 dias, 28% dos policiais presos atualmente no Presídio Militar Romão Gomes. E acrescentou que divulgando essa informação sua intenção era mandar um recado à tropa de que “a associação de policiais com o crime organizado não será tolerada” (jornal “O Estado de São Paulo”, 26 de Abril de 2012, pág. C4). Essas palavras deixam evidente o reconhecimento de que até aqui tem havido tolerância com os policiais criminosos.

Assim, pois, com todo o respeito devido aos agentes policiais de qualquer área e seja qual for seu nível hierárquico, é preciso ter em conta os riscos e as tentações ligados às peculiaridades das funções policiais, somados aos que decorrem da condição humana de seus ocupantes, tudo isso tornando necessário um efetivo controle das ações e o firme propósito de punir os que cometerem desvios, traindo seus compromissos éticos, jurídicos e sociais. É necessário um controle efetivo, com o firme propósito de punir os que praticarem ilegalidades, tanto no âmbito policial quanto em qualquer outra área das atividades públicas. Nenhum agente público, seja ele o Presidente da República ou o mais modesto dos serventes, deve ficar imune à promoção de sua responsabilidade pelos meios legais previamente estabelecidos, com pleno respeito às regras jurídicas e à dignidade humana de cada servidor. Quanto às instituições policiais, a experiência mostra que, ou pelo temor de criar uma imagem negativa da instituição, ou ainda pela posição hierárquica dos servidores envolvidos, como também por um sentimento de coleguismo, tem havido omissão ou excesso de tolerância na punição dos criminosos.

Em conclusão, é necessário e urgente que haja o maior rigor no controle da legalidade e dos aspectos éticos e sociais das ações dos agentes policiais. É absolutamente inaceitável, por ser ilegal, injusta e socialmente desastrosa, a invocação de pretextos para a impunidade ou a punição tão branda que se converte em estímulo para a reincidência no crime. Há um interesse social relevante na efetiva e eficaz punição dos policiais criminosos, além da exigência legal que nenhum Comando ou chefia pode ignorar ou fraudar.

''O jornalismo pode ser transformador, pode embalar a utopia''

Via Brasil de Fato

"Levar o leitor espectador a pensar. Isso é praticamente uma revolução”, assegura a jornalista Elaine Tavares

 

IHU Online

“Temos um mundo a construir”. Portanto, “ousem ouvir as vozes hereges, ousem criar grupos de estudo, ousem navegar nos livros velhos escondidos nas prateleiras”. É com esse conselho, que a jornalista Elaine Tavares incentiva os estudantes de Comunicação e colegas de profissão a compreenderem “que há mais coisas no jornalismo do que aquilo que é repetido nas salas de aula”.

Com uma longa experiência em diversos veículos de comunicação, Elaine enfatiza que os jornalistas devem caminhar em busca da boa utopia e isso significa ultrapassar as barreiras de manipulação à direita e à esquerda, e praticar jornalismo “como uma forma de conhecimento”. Autora do livro recém lançado, Em busca da Utopia – os caminhos da reportagem no Brasil, dos anos 50 aos anos 90 (Florianópolis: Ed. Instituto de Estudos Latinoamericano-Americanos, 2012), ela ressalta que a prática jornalística pode levar o “leitor/espectador a pensar, a se desalojar do mundo tal qual ele é – injusto, opressor, excludente”. Nesse sentido, assegura: “O jornalismo pode ser transformador, pode embalar a utopia”.

Para que os jornalistas não deixem morrer as suas utopias e as levem adiante na prática do dia a dia, os cursos de jornalismo “precisam ensinar a pensar”, pois o “o jornalista que pensa tem mais chance de caminhar na direção da utopia”, assinala à IHU On-Line. Na entrevista a seguir, concedida por e-mail, Elaine reflete sobre a prática jornalística e o desafio das universidades de formarem profissionais críticos. “Um aluno do jornalismo deveria ter uma sólida formação humanística, política e econômica, deveria entender os grandes problemas estruturais de seu país e de seu continente”, diz. Para isso, assegura, “primeiro há que mudar a universidade, subverter esse ensino que domestica. Há que se produzir um pensamento autóctone sobre o jornalismo, conhecer nossos pensadores do passado, avançar com eles, superá-los. Há que conhecer a história do nosso povo, há que estudar filosofia, reaprender a pensar. Depois disso, há que voltar a narrar a vida com um texto que descreve, que narra, que contextualiza”.

Elaine Tavares é jornalista do Instituto de Estudos Latino-Americanos – IELA, da Universidade Federal de Santa Catarina e escreve no blog Palavras Insurgentes, no endereço eletrônico http://eteia.blogspot.com.br/.

Confira a entrevista.

IHU On-Line – O que caracteriza o jornalismo utópico?

Elaine Tavares – Na verdade, não há um jornalismo utópico. O que busquei foi ver se, como e onde aparecia a utopia no jornalismo (que era e é o meu fazer cotidiano) já que esse desejo de um lá-na-frente melhor parece ser algo que faz parte da consciência humana. E por que eu decidi fazer essa busca? Porque naqueles dias do final dos anos 1990 havia uma espécie de histeria na mídia e nas esferas intelectuais sobre o fim de todas as utopias. Falava-se do fim da história, fim do socialismo, fim das grandes narrativas. Eu não acreditava nisso, porque via a utopia aparecer explícita no Equador, onde os indígenas ocupavam as igrejas e exigiam seus direitos, e principalmente no México, onde os novos zapatistas faziam um enfrentamento armado ao Estado, usando a internet como um elemento de potencialização dessa resistência. Então, se a realidade me dizia que a utopia vivia, não dava para crer no que apregoavam alguns filósofos, notadamente europeus. Então fui buscar na narrativa jornalística, o sinal dessa utopia. E encontrei. A vida real, quando narrada, escancara a utopia humana. E também percebi que as utopias podiam estar claudicando lá na Europa, mas não aqui na América Latina. Ao contrário, aqui vivíamos um alvorecer de novas e belas utopias.

Como a utopia aparece nas reportagens brasileiras produzidas entre os anos de 1950 e 1990, nas revistas O Cruzeiro, Realidade, Veja e Época?

Há um teórico brasileiro chamado Teixeira Coelho que fez um trabalho muito interessante sobre a utopia. E ele vai além da ideia de que a utopia é só um lá-na-frente esperado. Ele divide a utopia em duas vias: a eutopia, que seria a construção de um lá-na-frente bom, e a distopia, que seria um lá-na-frente ruim (ele coloca nesse patamar o nazismo, por exemplo, que era o sonho de um homem, e acabou sendo o de parte de uma nação). Então, com base na ideia de Ernest Bloch – que fala da utopia como a negação de um real que não é bom e a busca de um lá-na-frente possível – junto da proposta de Teixeira Coelho, fui analisar as revistas. O que descobri foi que a utopia aparece em todas essas revistas, mesmo na Veja e na Época – que fazem um péssimo jornalismo. E como? Na Cruzeiro, a utopia assoma na forma de narrar. É quando a reportagem começa a se constituir como texto descritivo, interpretativo, para além da opinião. Esse tipo de narrativa consegue também trazer para o texto a utopia da época, anos 1960, tempos de grandes mudanças culturais e políticas, nova temperatura no mundo. Na revista Realidade a utopia se mostra plena, com a reportagem – texto e foto – sendo capaz de expressar o espírito da época, que era de revoluções. Mesmo sendo feita dentro de um regime militar, como o vivido no Brasil, a Realidade trazia temas instigantes e reportagens descritivas que pareciam roteiros cinematográficos, tamanha a sua capacidade de transportar o leitor para dentro da história. Ali, a forma de narrar impressionista chegava ao seu auge. Expunha as chagas abertas da vida brasileira em histórias reais e o jornalismo adquiria o sentido da arte. A revista Veja atravessa os anos 1980 e 1990 como um fenômeno editorial e, por incrível que pareça, também apresenta a marca da utopia, nesse caso como distopia (lugar ruim). Busca, na nova narrativa hegemonizada e impessoal, sem marca de autor, consolidar uma sociedade submetida à indústria cultural. E aí, o jornalismo deixa de ser uma narrativa impressionista, descritiva e interpretativa e passa a ser uma espécie de “gosma“, sem forma e sem sabor. Ainda assim, mesmo nela, de vez em quando aparece um texto de autor, no qual o jornalista ousa narrar a vida mesma, e aí aparece de novo a utopia como eutopia. É muito bonito de ver. Por fim, a Época, que aparece para “arrebentar“ nos anos 1990, com seus drops informativos e infográficos, chega ao ápice da distopia, com o jornalismo perdendo todas as suas características como narrativa da vida. Os textos são horríveis, retalhos de vários olhos, sem identidade. A maioria das reportagens são autopropaganda da Globo, ou seja, a revista servindo como espaço para vender ainda mais a programação da TV. E ali, no auge da gosma, um ou outro jornalista-autor também aparece e faz aparecer a utopia como um raio de luz.

Sob quais influências se construiu o pensamento teórico acerca do jornalismo e da reportagem no Brasil?

Essa foi outra curiosidade minha. Durante meu tempo na faculdade era comum a gente estudar autores estrangeiros, falar do jornalismo que se fazia nos Estados Unidos e muito pouco se falava dos autores brasileiros. Então fui procurar quem tinha sido o “guru“ de cada época. Foi um trabalho muito legal porque acabei encontrando autores incríveis, com pensamentos muito originais sobre o jornalismo, como, por exemplo, Celso Kelly, que chegou a escrever uma teoria estética para o jornalismo, e Antônio Olinto, que é uma preciosidade. Ele diz: o jornalista tem que ser como o artista, que mantem intacta em si a capacidade de sentir e transmitir sentimentos estranhamente verdadeiros. Não é bárbaro? Agora, é claro, o jornalismo brasileiro pós-1950 se constituiu hegemonicamente como cópia do jornalismo estadunidense. Os autores mais originais ficaram à margem e não é sem razão que são praticamente desconhecidos nos cursos de jornalismo hoje. Por exemplo, o chamado “novo jornalismo“, incensado como um jeito de narrar nascido nos EUA, já era uma prática aqui no Brasil bem antes de surgir por lá. Pode-se ver esses textos intimistas e impressionistas na revista O Cruzeiro. São as coisas do nosso colonialismo mental. Infelizmente o jornalismo que se pratica no Brasil – na maioria dos veículos – segue sendo uma cópia mal aparada do jornalismo estadunidense. Uma pena. Temos uma linda história e bons teóricos, como é o caso do Adelmo Genro, que, a meu ver, é o que há de mais original na discussão do fazer jornalístico. Um autor para ser estudado à exaustão.

No caso específico da revista Veja, que mudanças editoriais e utópicas percebe ao longo do tempo?

A Veja é um caso de autofagia (de uma empresa) em nome de um modelo de mundo. Explico. Ela nasce nos anos 1970 dentro da mesma editora que fazia a Realidade, que era uma beleza de revista, com reportagens incríveis. E ela vem para implantar no Brasil um estilo de jornalismo que assomava nos Estados Unidos. Essa coisa insossa de informação sem contexto, e que não é uma ação sem sentido. Ela é parte de um modo de ser e estar no mundo. Escrever como se estivesse informando, mas sem na verdade informar. A Veja entrou no mercado e matou a Realidade, que era o jornalismo de profundidade, que levava ao pensamento, ao questionamento. A mesma empresa mata uma revista boa para que a revista ruim pudesse começar a atuar como a usina ideológica de um modelo que se queria para o Brasil. Foi um projeto utópico (distópico) da classe dominante. Trazer a “modernidade“ e emburrecer as pessoas. Encurtam os textos, tiram o contexto, passam a doutrinar. Já não era mais jornalismo. Basta ver o que é a Veja hoje: uma máquina de propaganda da distopia da direita brasileira. Jornalismo ali é coisa rara. Quando aparece é obra solitária de algum jornalista.

Partindo do pressuposto de que a utopia é parte da consciência do ser humano, como o jornalista lida com sua utopia pessoal em veículos que têm visões de mundo divergentes, especialmente no caso dos oligopólios que dominam a informação?

Penso que o jornalista tem algumas opções na vida. Uma delas é a de ser fiel às suas utopias, aos seus sonhos, e aí, se ele está trabalhando numa empresa grande, que não tem compromisso nenhum com o jornalismo ou com a mudança do mundo, o seu compromisso é abrir brechas na parede. Muitas vezes os jornalistas são obrigados, por força da necessidade, de estar nesses lugares. Mas isso não significa que ele tenha de abortar suas utopias, sua vontade de narrar o mundo. Ele ou ela vai ter de pelear, lutar pelas suas matérias. Eu creio firmemente que um texto bom, bem elaborado, tem lugar mesmo nas “gosmas“. Pude comprovar isso na pesquisa. Belos textos aparecem na Veja e na Época. Porque certamente ali estavam jornalistas que transcenderam à mediocridade, à autocensura, e produziram belezas. E assim é no cotidiano dos grandes jornais ou revistas. Faz-se muita porcaria, mas vez ou outra a gente pode subverter, “oferecer a mais fina iguaria“, como dizia o Marcos Faerman. Tem uma professora da FURB, Universidade de Blumenau, Rosiméri Laurindo, que escreveu um livro muito interessante (com base em Adelmo Genro), no qual ela mostra bem como um jornalista pode virar um jornalista-marca, sem identidade, cativo dos desejos patronais, e como pode ser um jornalista-autor, capaz de voos solos, de textos eternos e de expressar a utopia da raça.

Agora, é claro que também existem aqueles jornalistas que têm como utopia a construção do seu próprio mundo e aí viram serviçais do sistema, dos patrões, de um modo de vida que exclui a maioria. Com esses há pouco a fazer; temos de combater. Mas a maioria sonha com um mundo melhor e pode usar esse desejo para narrar a vida em movimento, narrar descrevendo, que é a melhor forma de transformar o mundo. Como dizia Bloch, é na visão do que não pode ser verdade que a gente caminha para o lá-na-frente onde todos possam bem-viver. Ou, nas palavras do Antônio Olinto: é na descrição que o jornalista formula a mais poderosa das opiniões.

O jornalismo tem de ser utópico? Qual a importância da utopia para o jornalismo?

Quem tem de ser utópico é o jornalista. Por exemplo, não dá para ver o despejo das famílias de Pinheirinho e não pensar que algo está muito errado. Na narrativa dessa violência deixar aberto para o leitor ou espectador a possibilidade de ele dizer: “isso não pode ser“. Essa é a utopia da qual o jornalismo é capaz. Levar o leitor espectador a pensar. Isso é praticamente uma revolução.

Historicamente, o jornalista foi abandonando a sua utopia por conta da empregabilidade, ou a utopia ainda faz parte da prática jornalística?

Faz, eu trabalho dioturnamente com jornalistas que utopicamente narram a vida. Estão aí nos sindicatos, nos movimentos sociais e até nas grandes empresas, nas pequenas cidades, na internet. São aqueles dos quais falei acima. Não se rendem, não se autocensuram, fazem as matérias, narram a vida em movimento. Se alguém os censura, o ônus não é deles. Eles fazem o que tem de fazer, descrevem a realidade, cumprem a sua utopia. A empregabilidade não pode servir de escudo para a gente se anular. Eu sempre dou meu próprio exemplo. Trabalhei em todas as áreas do jornalismo, TV, rádio, jornal, grandes empresas, sindicatos, instituições públicas e nunca deixei de ser quem sou ou de escrever, desvelando o que fica encoberto. Nem por isso morri de fome. A gente é demitido, passa aperto, mas a gente segue em frente. Temos outro projeto de vida.

Que utopias caracterizam as reportagens e, especificamente, o jornalismo do século XXI praticado no Brasil?

O jornalismo praticado hoje é muito ruim, se é que ainda é jornalismo. Chomsky diz que é mera propaganda. E isso vai da domesticação que uma boa parte dos cursos de jornalismo ajuda a fazer. Para se ter uma ideia, aqui em Santa Catarina o curso de Jornalismo tem uma “Cátedra RBS“, acredita? Ou seja, em vez de termos uma Cátedra América Latina, ou Cátedra Marcos Faerman, enfim, fatos e pessoas que acrescentam na formação do jornalista, o que existe é uma formação direcionada para o mercado que mais explora, que mais desinforma. Uma tristeza.

De qualquer sorte, temos um mundo a construir. A utopia do socialismo – por mais que digam que se acabou – segue viva, tremendamente viva. Na América Latina assoma hoje a luta dos povos originários por um modelo diferente de desenvolvimento, que eles chamam de bem-viver (sumac kausay). É uma inversão total da lógica, a negação do modelo capitalista que tanta miséria, dor e opressão traz ao mundo. Essa é uma boa utopia na direção da qual muitos de nós caminhamos. Socialismo, sumac kausay, terra sem males são eutopias (utopia que leva a um lugar bom) que merecem ser consideradas e conhecidas. Com isso em mente, podemos praticar o jornalismo como uma forma de conhecimento – tal qual ensinou Adelmo Genro. Não como manipulação à direita ou à esquerda, mas como uma singularidade que caminha para o universal, que leva o leitor/espectador a pensar, a se desalojar do mundo tal qual ele é – injusto, opressor, excludente. O jornalismo pode ser transformador, pode embalar a utopia. Mas, para isso, nos cursos de jornalismo, precisamos ensinar a pensar. O jornalista que pensa tem mais chance de caminhar na direção da utopia.

O que dificulta hoje a produção de um jornalismo crítico?

Justamente a má formação. Hoje aposta-se muito mais na técnica. Prefere-se usar um curso de jornalismo para ensinar a gurizada a fazer web páginas, a usar o Premiere, o Ilustrator e tantos outros programas. Isso é muito bom, mas se não houver a prática do pensamento crítico, não vai servir de nada. Que adianta saber fazer uma página e não saber o quê escrever nela? O Marcos Faerman, que foi um grande repórter, dizia que esse papo de fazer texto curto é bobagem. Leitor só não lê texto ruim. Se for bom, se tiver contexto, impressão, descrição, se contar uma história, o texto carrega o leitor por páginas e páginas. Essa coisa de dizer que as pessoas não têm tempo para ler é mantra de quem ou não tem capacidade de escrever textos belos, ou está mancomunado com o sistema que quer fazer do público uma massa informe.

Eu ando por aí falando com os estudantes de jornalismo e vejo os olhinhos deles brilhando quando a gente fala em textos descritivos, impressionistas, cheios de histórias. É o que eles querem fazer. Para isso é preciso antes aprender a pensar, a perguntar, a investigar. É para tal finalidade que deveria servir a universidade. Para apresentar aos alunos os pensadores da nossa terra, os pensadores latino-americanos, tanta gente fantástica que produziu e produz um pensamento original, alavancado na experiência histórica e geográfica. E é uma gente desconhecida.

No livro você resgata teóricos como Danton Jobim, Alceu Amoroso Lima, Antônio Olinto e Celso Kelly, que não são muito utilizados nas universidades. Qual a contribuição deles para refletirmos sobre a prática jornalística?

Fundamental. Navegar pelas páginas desses autores nos ajuda a entender a história de uma época, nos leva a perceber os interesses envolvidos, os sonhos, as utopias de cada um e do tempo que eles representam. Jobim, por exemplo, é um dos primeiros a pensar uma filosofia do jornalismo. Ele é um liberal, apaixonado pelo modo de fazer jornalismo dos estadunidenses, mas se lido no contexto histórico, adquire uma beleza incrível. É fabulosa a defesa que ele faz da informação, contra o jornalismo opinativo que existia nos anos 1950. Claro que ele defende o modo capitalista de produção, a informação como produto, mas ele pensa um momento de mudança de temperatura do mundo. Nós precisamos conhecer isso, ver como o pensamento vai se formando e hegemonizando todo um fazer. Celso Kelly também tem suas complicações políticas, mas a teoria estética do jornalismo é uma beleza. A gente lê e a cabeça fica cheia de ideias, de pensamentos pulando, querendo sair. É instingante e perturbador. Alceu Amoroso Lima discute o uso das técnicas literárias no jornalismo, o que o “novo jornalismo“ vai fazer nos anos 1960 e 1970, e Antônio Olinto liga o jornalismo com a arte e tem um pensamento tão fecundo e inspirador que nos põe em ebulição. E não são apenas esses. Há outros, como Adelmo Genro Filho, que apresenta uma teoria do jornalismo, olha só. Isso é fabuloso. É um pensamento tão rico que chega a doer. Essa gente não é estudada. 

Atualmente, os cursos de jornalismo das universidades brasileiras têm um foco amplo na produção prática. A falta de um debate teórico acerca da conjuntura política, econômica, ambiental e de uma reflexão atenta da história do nosso país dificultam, de certa maneira, a proliferação do jornalismo utópico? Nesse sentido, que avaliação faz da formação jornalística propiciada pelas universidades?

Sim, dificultam a formação de alunos críticos, impedem que seus horizontem se abram, que conheçam em profundidade o seu espaço geográfico. Porque é diferente ser jornalista no Brasil, na América Latina. Há outros problemas, outras questões a serem pensadas, outros temas a serem abordados. As escolas seguem prisioneiras dos teóricos europeus ou estadunidenses. Gente boa, é certo, mas preocupada com outras coisas.

Penso que um aluno do jornalismo deveria ter uma sólida formação humanística, política e econômica; deveria entender os grandes problemas estruturais de seu país e de seu continente. Olha, eu tive a sorte de ter um professor – chamado Sérgio Weigert – que nos dava aula de problemas brasileiros. Ele nos colocava tontos com tanta informação acerca do nosso país. E tanto que o nosso trabalho final foi construir um projeto anti-hegemônico para o Brasil. Olha isso! Esse cara é um marco na minha vida porque ele nos ensinou que sem um mergulho profundo na filosofia, no pensamento germinal dos teóricos clássicos, a gente não vai a lugar nenhum. Com ele eu desembestei para o campo da filosofia e isso deixou o meu texto muito mais forte e muito mais denso.

A universidade é um lugar mágico. E os alunos podem escolher. Mesmo que os cursos sejam ruins, que os professores sejam medíocres, que direcionem suas mentes para a técnica ou para domesticação. Os alunos podem escolher não aceitar. Podem formar grupos de estudos, morar dentro da biblioteca, fomentar debates. A universidade dá muita liberdade. O que ocorre é que as gentes estão tão acostumadas ao cabresto que esquecem que podem mudar as coisas. Eu conclamo os alunos à rebelião. Eles podem.

Quais os principais desafios do jornalismo brasileiro hoje?

Primeiramente, há que mudar a universidade, subverter esse ensino que domestica. Há que se produzir um pensamento autóctone sobre o jornalismo, conhecer nossos pensadores do passado, avançar com eles, superá-los. Há que conhecer a história do nosso povo, há que estudar filosofia, reaprender a pensar. Depois disso, há que voltar a narrar a vida com um texto que descreve, que narra, que contextualiza.

Não há desculpas para mau jornalismo. Nem o tempo, nem as cinco pautas por dia, tampouco a multifunção. O bom jornalista encontra sua forma de burlar tudo isso. Seu compromisso deve ser com a informação que forma, não apenas o ritual informativo que informa sem estabelecer nexos. O jornalista é um feiticeiro que junta as letrinhas no caldeirão do texto. Dele tem de sair uma mensagem que incomode, que desaloje, que perturbe, que encha o leitor de aflição, que o mova para frente, que o faça pensar.

Há quem diga que o jornalismo morreu e que só exista propaganda. Eu não me curvo a essa assertiva, embora ela pareça arrasadora. O jornalismo resiste. Tem uma revista que se chama Retratos do Brasil, que faz bom jornalismo. Tem a publicação aqui de Santa Catarina, a Pobres e Nojentas, que faz bom jornalismo, têm uma infinidade de experiências por essa América Latina inteira. Os jornalistas estão aí, rompendo as barreiras, quebrando as regras do jornalismo domesticado. Basta que a gente tenha a delicadeza de saber ver. E utopicamente eu afirmo: isso haverá de ser maioria. Quando, não sei... mas, virá...

Deseja acrescentar algo?

Rebelião, rebelião, rebelião... Que os estudantes de todos os cursos de jornalismo do Brasil possam compreender que há mais coisas no jornalismo do que aquilo que é repetido em salas de aula. Ousem ouvir as vozes hereges, ousem criar grupos de estudo, ousem navegar nos livros velhos escondidos nas prateleiras. Esses não estão na internet, porque são perigosos demais.

     

Share on facebookShare on orkutShare on twitterShare on printShare on pdfonlineShare on email

Conselho de sexologista: NAMORE UM BARRIGUDINHO!

Sanguessugado do Janela do Abelha

NAMORE UM BARRIGUDINHO!

(CARLA MOURA PSICÓLOGA, ESPECIALISTA EM SEXOLOGIA)

Tenho um conselho valioso para dar aqui: se você acabou de conhecer um rapaz, ficou com ele algumas vezes e já está começando a imaginar o dia do seu casamento e o nome dos seus filhos, pare agora e me escute! Na próxima vez que encontrá-lo, tente disfarçadamente descobrir como é sua barriga. Se for musculosa, torneada, estilo `tanquinho´, fuja! ... Comece a correr agora e só pare quando estiver a uma distância segura. É fria, vai por mim. Homem bom de verdade precisa, obrigatoriamente, ostentar uma barriguinha de chopp. Se não, não presta.

Estou me referindo àqueles que, por não colocarem a beleza física acima de tudo (como fazem os malditos metrossexuais) , acabaram cultivando uma pancinha adorável. Esses, sim, são pra manter por perto. E eu digo por quê. Você nunca verá um homem barrigudinho tirando a camisa dentro de uma boate e dançando como um idiota, em cima do balcão. Se fizer isso, é pra fazer graça pra turma e provavelmente será engraçado, mesmo. Já os `tanquinhos´ farão isso esperando que todas as mulheres do recinto caiam de amores - e eu tenho dó das que caem. Quando sentam em um boteco, numa tarde de calor, adivinha o que os pançudos pedem pra beber? Cerveja! Ou coca-cola, tudo bem também. Mas você nunca os verá pedindo suco. Ou, pior ainda, um copo com gelo, pra beber a mistura patética de vodka com `clight´ que trouxe de casa. E você não será informada sobre quantas calorias tem no seu copo de cerveja, porque eles não sabem e nem se importam com essa informação.

E no quesito comida, os homens com barriguinha também não deixam a desejar. Você nunca irá ouvir um ah, amor, `Quarteirão´ é gostoso, mas você podia provar uma `McSalad´ com água de coco. Nunca! Esses homens entendem que, se eles não estão em forma perfeita o tempo todo, você também não precisa estar.

Mais uma vez, repito: não é pra chegar ao exagero total e mamar leite condensado na lata todo dia! Mas uma gordurinha aqui e ali não matará um relacionamento.

Se ele souber cozinhar, então, bingo! Encontrou a sorte grande, amiga. Ele vai fazer pra você todas as delícias que sabe, e nunca torcerá o nariz quando você repetir o prato. Pelo contrário, ficará feliz.

Outra coisa fundamental: Homens barrigudinhos são confortáveis! Experimente pegar a tábua de passar roupas e deitar em cima dela. Pois essa é a sensação de se deitar no peito de um musculoso besta. Terrível! Gostoso mesmo é se encaixar no ombro de um fofinho, isso que é conforto. E na hora de dormir de conchinha, então? Parece que a barriga se encaixa perfeitamente na nossa lombar, e fica sensacional.

Homens com barriga não são metidos, nem prepotentes, nem donos do mundo. Eles sabem conquistar as mulheres por maneiras que excedem a barreira do físico. E eles aprenderam a conversar,a ser bem humorados, a usar o olhar e o sorriso pra conquistar.

É por isso que eu digo que homens com barriguinha sabem fazer uma mulher feliz.

CHEGA DE VIADAGEM!

O mundo inteiro sabe que quem gosta de homem bonito são os viados. Mulher quer homem inteligente, carinhoso e boa praça. Chega de ter a consciência pesada após beber aquela cervejinha, ou aquele vinho, e comer aqueles petiscos.

Chegou a sua vez!! Salada, é o caralho!!

Passe a diante para todos os barrigudos e simpatizantes! !

P.S.: E mandamos um recado para você "sarado gostosão": Enquanto você malha, sua namorada está tomando cerveja num motel, com um barrigudinho

Choque de realidade: Estado máximo, só para os bancos

Via Resistir.info

A gestão do capitalismo no governo da srª Dilma

Estado máximo, só para os bancos

Maria Lucia Fattorelli [*]

Em meio a insistentes ataques da grande mídia à "corrupção" de autoridades dos três poderes institucionais, uma verdadeira corrupção institucional está ocorrendo no campo financeiro e patrimonial do país, destacando-se: privatização da previdência dos servidores públicos, privatização de jazidas de petróleo — inclusive do pré-sal –, privatização dos aeroportos mais movimentados do país, privatização de rodovias, privatização de hospitais universitários, privatização de florestas, privatização da saúde, educação, segurança…

E muitos outros serviços essenciais, que recebem cada vez menor quantidade de recursos haja vista a luta de 20 anos pela implantação do piso salarial dos trabalhadores da Educação, a recente greve dos policiais na Bahia, ausência de reajuste salarial para os servidores em geral, entre vários outras necessidades não atendidas, evidenciada recentemente na tragédia dos moradores do Pinheirinho em São Paulo, enquanto o volume destinado ao pagamento de Juros e Amortizações da Dívida Pública continua crescendo cada vez mais.

Qual a justificativa para a entrega de áreas estratégicas ao setor privado? Por que criar um mega fundo de pensão para os servidores públicos do país quando os fundos de pensão estão quebrando no mundo todo, levando milhões de pessoas ao desespero? Por que leiloar jazidas de petróleo se a Petrobrás possui tecnologia de ponta? Por que abrir mão da segurança nacional ao entregar os aeroportos mais movimentados para empresas privadas e até estrangeiras? Por que privatizar os hospitais universitários se esses são a garantia de formação acadêmica de qualidade? Por que privatizar florestas em um mundo que clama por respeito ambiental? Por que deixar que serviços básicos, sejam automaticamente privatizados, a partir do momento em que se corta recursos destas áreas? O que há de comum em todas essas privatizações e em todas essas questões?

O ponto central está no fato de que o beneficiário de todas essas medidas é um ente estranho aos interesses do povo brasileiro e da Nação. Os únicos beneficiários têm sido o setor financeiro privado e as grandes transnacionais.

Então, por que o governo tem se empenhado tanto em aprovar todas essas medidas contrárias aos interesses nacionais? E o que diz a grande mídia a respeito dessas medidas indesejáveis? Não divulga a posição dos afetados e prejudicados por todas essas medidas, mas promove uma completa "desinformação" ao apresentar argumentos falaciosos e convincentes propagandas de que o Brasil vai muito bem e que a economia está sob controle.

Ora, se estamos tão bem assim, qual a razão para rifar o patrimônio público? Por que esse violento round de privatizações partindo justamente de quem venceu as eleições acusando a privataria? Na realidade, o país está sucateado. Vejam as estradas rodoviárias assassinas e a ausência de ferrovias; a desindustrialização; o esgotamento de nossas riquezas; as pessoas sem atendimento hospitalar, com cirurgias adiadas até a morte; os profissionais de ensino desrespeitados e obrigados a assumir vários postos de trabalho para sustentar suas famílias; o crescimento da violência e do uso de drogas.

É inegável o fato de que o PIB brasileiro cresceu e já somos a 6ª potencia mundial, mas o último relatório da ONU mostra que ocupamos a vergonhosa 84ª posição em relação ao atendimento aos direitos humanos, de acordo com o IDH [1] , o que é inadmissível considerando as nossas imensas riquezas.

Algo está muito errado. Não há congruência entre nossas riquezas e nossa realidade social. Não há coerência entre o discurso ostentoso e a liquidação do patrimônio nacional. Dizem que temos reservas internacionais bilionárias, mas não divulgam o custo dessas reservas para o país, o dano às contas públicas e ao crescimento acelerado da dívida pública brasileira que paga os juros mais elevados do mundo.

Dizem que temos batido recordes com exportações, mas não divulgam que lá de fora, valorizam os preços das chamadas "commodities" e o que fazemos: aceleramos a exploração dos nossos recursos naturais e os exportamos às toneladas. Mas quem ganha já não é o país, pois as minas, as siderúrgicas e o agrobusiness já foram privatizados há muito tempo.

Outra grande falácia é de que o Brasil está tão bem que a crise financeira que abalou as economias dos países mais ricos do Norte – Estados Unidos e Europa – pouco afetou o país. A grande mídia não divulga, mas a raiz da atual crise "da Dívida" que abala as economias do Norte está na crise do setor financeiro.

A crise estourou em 2008 quando as principais instituições financeiras do planeta entraram em risco de quebra. Tal crise dos bancos decorreu do excesso de emissão de diversos produtos financeiros sem lastro – principalmente os derivativos – possibilitada pela desregulamentação e autonomia do setor financeiro bancário. Embora tivessem agido com tremenda irresponsabilidade na emissão e especulação de incalculáveis volumes de papéis sem lastro, tais bancos foram "salvos" pelos países do Norte à custa do aumento da dívida pública, que agora está sendo paga por severos planos de ajuste fiscal contra os trabalhadores e crescente sacrifício de direitos sociais.

Apesar da monumental ajuda das Nações aos bancos, o sistema financeiro internacional ainda se encontra abarrotado de derivativos e outros papéis sem lastro – tratados pela grande mídia como "ativos tóxicos". Grande parte desses papéis foi transferida para "Bad Banks" [2] em várias partes do mundo, à espera de serem trocados por "ativos reais", principalmente em processos de privatizações.

Assim funcionam as privatizações: são uma forma de reciclar o acúmulo de papéis e transferir as riquezas públicas para o setor financeiro privado. Relativamente à privatização da Previdência dos Servidores Públicos, o Projeto de Lei PL-1992 cria o FUNPRESP que, se aprovado, deverá ser um dos maiores fundos de pensão do mundo.

Na prática, esse projeto se insere em tendência mundial ditada pelo Banco Mundial, de reduzir a participação estatal a um benefício mínimo, como alerta Osvaldo Coggiola, em seu artigo "A Falência Mundial dos Fundos de Pensão": "Com este esquema, o que se quer é reduzir a aposentadoria estatal de modo a diminuir o gasto em aposentadorias e aumentar os pagamentos da dívida do Estado."

A dívida brasileira já supera os R$ 3 milhões de milhões. A grande mídia não divulga esse número, mas o mesmo está respaldado em dados oficiais [3] . Os fundos de pensão absorvem grandes quantidades de papéis, pois funcionam trocando o dinheiro dos trabalhadores por papéis que circulam no mercado financeiro. Os tais "ativos tóxicos" estão provocando sérios danos aos fundos de pensão, como adverte Osvaldo Coggiola: "… duas Argentinas e meia faliram nos Estados Unidos como produto da crise do capital, levando consigo os fundos de pensões lastreados em suas ações. Na Europa, a situação não é melhor. A OCDE advertiu sobre o grave risco da queda nas Bolsas sobre os fundos privados de pensão, cuja viabilidade está ligada à evolução dos mercados de renda variável: "Existe o risco de que as pessoas que investiram nesses fundos recebam pouco ou nada depois de se aposentar".

O art. 11 do PL-1992 não permite ilusões quanto ao risco para os servidores federais brasileiros, pois assinala que a responsabilidade do Estado será restrita ao pagamento e à transferência de contribuições ao FUNPRESP. Em outras palavras, se algo funcionar errado com o FUNPRESP; se este adquirir papéis podres ou enfrentar qualquer revés, não haverá responsabilidade para a União, suas autarquias ou fundações. Previdência é sinônimo de segurança. Como colocar a previdência em aplicações de risco? Qual o sentido dessa medida anti-social?

O gráfico ao lado revela porque a Previdência Social tem sido alvo de ferrenhos ataques por parte do setor financeiro nacional e internacional: o objetivo evidente, como também alertou Osvaldo Coggiola, é apropriar-se dos recursos que ainda são destinados à Seguridade Social para destiná-los aos encargos da dívida pública.

Repartição das despesas no orçamento do governo federal brasileiro.

As diversas auditorias cidadãs em andamento no Brasil e no exterior, bem como a auditoria oficial equatoriana (2007/2008) e a CPI da Dívida no Brasil (2009-2010) têm demonstrado que o único beneficiário do processo de endividamento público tem sido o setor financeiro.

No Brasil, o gráfico a seguir denuncia o privilégio da dívida, pois a dívida absorve quase a metade dos recursos do orçamento federal, o que explica o fabuloso lucro auferido pelos bancos aqui instalados, enquanto faltam recursos para as necessidades sociais básicas, tornando nosso país um dos mais injustos do mundo.

É urgente unir as lutas contra a privatização do que ainda resta de patrimônio público no Brasil, pois é para pagar a dívida pública e preservar este modelo de "Estado Mínimo" para o Social – e "Estado Máximo" para o Capital – que as riquezas nacionais continuam sendo privatizadas.

[1] IDH = Indice de Desenvolvimento Humano

[2] Bad banks = instituições paralelas, criadas para absorver grandes quantidades de "ativos tóxicos" que alcançaram volumes tão elevados que passaram a comprometer o funcionamento do sistema financeiro mundial. Até mesmo o G-20 (grupo dos 20 países mais ricos do mundo) chegou a pautar, na última reunião ocorrida em Cannes, a preocupante questão do Sistema Bancário Paralelo.

[3] Elaboração: Auditoria Cidadã da Dívida.

[*] Coordenadora da Auditoria Cidadã da Dívida

O original encontra-se em adrianonascimento.webnode.com.br/...

O povo americano luta por sua democracia.

Sanguessugado do Olhar o Mundo

Em tempos de George W.Bush, o então senador Barack Obama combateu as prisões sem processo em Guantanamo afirmando:“Um indivíduo perfeitamente inocente poderia ser preso e, não podendo defender-se das acusações do Governo, não teria como provar sua inocência”.

Ele contestou a posição da direita que considerava o “inquérito judicial como um luxo antiquado, trivial e dispensável”. Para Obama, o Governo algumas vezes inevitavelmente cometeria erros, acusando pessoas inocentes de serem terroristas. E concluiu: “O que é evitável é recusar que o nosso sistema judicial corrija esses erros”.

Esse foi o Obama antigo, o Obama do lançamento na campanha de 2009.

O novo Obama, o Obama “brand new”, em 31 de dezembro, de 2011, deu um presente de Ano Novo ao povo americano, assinando a promulgação da NDAA (National Defense Authorization Act) que nas seções 1021 e 1022 permitem que o presidente da república use força militar para deter indefinidamente e sem julgamento cidadãos que sejam meramente suspeitos de envolvimento com organizações terroristas.

Para o juiz Andrew Napolitano: “Essencialmente, essa legislação permea ao presidente desvincular-se

do sistema de justiça criminal e portanto suprimir a proteção da Constituição à qual toda pessoa tem

direito.” (“Can Congress Steal Your Constitutional Freedoms?”, Dec. 1, 2011).

Certamente o novo modelo Obama pouco tem a ver com aquele antigo Obama, dos anos de oposição a Bush que, referindo-se às prisões arbitrárias das “renditions” da CIA, comentou: “…o horror que eu sentiria se alguém da minha família fosse preso no meio da noite e levado a Guantanamo sem sequer ter chance de perguntar porque estava sendo preso e de provar sua inocência.”

Pois bem, o novo Obama não teve escrúpulos em assinar um documento que tornava lei para os americanos aquilo que a CIA  fazia ilegalmente no exterior. E que ele havia combatido com tanto empenho quando ainda tinha coragem de defender seus ideais.

A coragem que faltou a Obama de vetar aqueles artigos da NDAA, dignos de Hitler ou de Stalin, o povo americano está tendo.

Por pressão de movimentos de defesa das liberdades civis, das quais os EUA foram campeões no passado, o Senado e a Câmara dos Representantes do Estado de Virginia aprovaram uma lei  que proíbe todos os departamentos responsáveis pela aplicação das leis a colaborarem com a prisão indefinida de americanos.

Um dia depois do povo de Virginia ter nulificado os artigos 1021 e 1022 da NDDA, o povo do Arizona está conseguindo o mesmo.

Pressionado por um movimento que envolveu grande número de pessoas, a Câmara dos Representantes aprovou o Ato de Preservação da Liberdade que vai mais além da lei da Virginia: considera como crime passível de prisão alguma autoridade ou agente do governo estadual colaborar com a  lei das prisões arbitrárias.

O Ato vai agora ao Senado e depois ao Governador do Estado para aprovação, que se considera certa.

Mas a revolta do povo americano contra a lei que quer lhes tirar o direito a um julgamento nos termos da Constituição, se espalha pelo país

No estado de Missouri, o republicano Brian Nieves apresentou um projeto ao Senado que estabelece o Ato de Proteção à Liberdade no Missouri.

O seu teor é o seguinte: “o Estado do Missouri será proibido de participar ou proporcionar apoio material à implementação das seções 1021 e 1022 do Ato de Autorização da Defesa Nacional (NDAA)”.

Assim, uma lei nitidamente fascista, que dá ao governo e às forças militares poder absoluto sobre os cidadãos, negando-lhes qualquer possibilidade de defesa, aprovada pelo Congresso hoje radicalmente direitista, está sendo enfrentada pelos cidadãos americanos.

O Presidente Obama, em quem eles confiavam, podia ter vetado os artigos despóticos da NDDA.

Não o fez. Faltou ao seu dever de proteger os direitos dos americanos. Preferiu somar-se a um Congresso cuja aceitação popular pode ser medida pela última pesquisa que lhe deu 81% de rejeição.

Felizmente, o povo dos Estados Unidos saiu da sua passividade para defender a democracia.

Ou, em outras palavras, defender a si mesmo.