sexta-feira, 23 de março de 2012

Abaixo a Carta aos Brasileiros, a governabilidade …

Sebastião,

Lembra-se daquela conversa que tivemos a respeito de um artigo do Kotscho (é assim que escreve?) onde comentei com você que, se REALMENTE a Dilma vai dar um pau no PMDB e quetais, estava na hora de toda a população sair em seu apoio? Eu, que odeio o PT, o PSDB, o PMDB, etc, etc, embora cético com esta coisa toda, abro mão do meu oposicionismo total e vou para a rua apoiar a Dilma. Ressalte-se, a Dilma, e não o PT. Pode ser personalista, pouco republicano, desprestígio aos partidos e poderes, mas é isso...

A respeito, gostei muito das ponderações do Nassif,  artigo abaixo. Se quiser aproveitar...

Por último, abaixo a Carta aos Brasileiros, a governabilidade conveniente, o Sarney, Renan, etc. Vamos todos para a rua como nos "VELHOS" tempos do PT. Parece que agora é a hora...Pelo menos não custa tentar...

Grande abraço,

Lorênzio

Nassif

Riscos e oportunidades no estilo rompedor de Dilma

Coluna Econômica - 23/03/2012

Ontem o PIB nacional reuniu-se com a presidente Dilma Roussef. O encontro faz parte do conjunto de iniciativas da presidência, visando estimular investimentos do setor privado e reerguer a indústria de transformação nacional.

É desafio para gente grande. Primeiro, desmontar a armadilha do câmbio e juros. Depois, melhorar o ambiente econômico. Simultaneamente, montar sistemas de defesa comercial e amparar setores mais vulneráveis à concorrência externa. Tudo isso em meio a uma guerra cambial e comercial que tenderá a se acirrar.

***

Amparada em índices recordes de aprovação, Dilma ambiciona mais: não apenas mudar o ambiente econômico como também o político nacional.

Mudou as lideranças governistas no Congresso e passou a estimular dissidências nos partidos que compõem a base aliada. Sua intenção é instituir relacionamento republicano entre partidos, acabando com as barganhas e a apropriação da máquina pública pelos interesses partidários.

Trata-se de um velho sonho da opinião pública. A questão que se coloca é se a estratégia de abrir várias frentes de conflito é a mais adequada.

***

Ao assumir a presidência da República, o ex-presidente Fernando Collor chegou com a gana de quem tem a bala única para utilizar, seja contra a hiperinflação herdada de Mailson da Nóbrega, seja em relação à economia fechada legada pelo regime militar.

Foi impichado, muito mais pelo não atendimento das demadas do que por seus erros pessoais.

Nenhum escapou desse jogo, nem Fernando Henrique Cardoso, nem Lula. Resistiram porque souberam agir com pragmatismo na frente política.

***

Dilma está vivendo seu melhor momento. No decorrer do ano, o desemprego deve aumentar e a economia deve sofrer os abalos da crise internacional e da própria crise da indústria de transformação. Por enquanto, há índices recordes de geração de emprego, índices recordes de popularidade da presidente.

E no futuro? Quem conversa com Dilma sai com uma sensação e dois sentimentos diferentes. A sensação é a segurança que ela passa, a determinação, a vontade de mudar o país.

Os sentimentos, dúbios, vão entre a esperança de que ela caminha com segurança, mesmo no campo político; e o receio de que esteja abusando da auto-confiança.

Ela foi a campo, enfrentou velhos coronéis políticos encastelados nos partidos da base, sem ao menos ter a retaguarda de uma reforma política que reduzisse sua influência no jogo.

No Palácio, não há algodão entre cristais: é choque direto. Com exceção do vice-presidente Michel Temer - do PMDB - não parece haver o articulador capaz de apagar incêndios e promover mudanças menos radicais.

***

Nas próximas semanas, Dilma deverá romper com o isolamento e conceder uma série de entrevistas a diversos veículos, o que ajudará a fortalecer seu discurso e sua estratégia.

Esse voluntarismo encanta, mas preocupa. O jogo político é insidioso e criativo para colocar presidentes em sinuca. E há um sentimento ainda não superado de revanche por parte da velha grande mídia.

***

Um pouco de cautela e caldo de galinha não faria mal, neste momento.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários são como afagos no ego de qualquer blogueiro e funcionam como incentivo e, às vezes, como reconhecimento. São, portanto muito bem vindos, desde que resvestidos de civilidade e desnudos de ofensas pessoais.
As críticas, mais do que os afagos, são benvindas.