segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Minas Gerais tucana: escola é despejada

O Vale do Jequitinhonha é a região mais pobre do estado.

Via Radioagência NP

Em Minas Gerais, Escola Bontempo recebe ordem de despejo

260212_bontempo

Jorge Américo

A Escola Família Agrícola Bontempo, localizada no município de Itaobim (MG) está prestes a perder sua sede. Na última quinta-feira (23), oficiais de Justiça apresentaram um mandado de despejo que pede a reintegração de posse à antiga proprietária, dirigida pelo padre Felici Bontempi.  A sede foi construída há 11 anos em um terreno doado pela Fundação Brasileira de Desenvolvimento.

Os seis prédios da escola foram construídos com trabalho voluntário e estão instalados em uma área de 27 hectares. O professor Ronald Henrique Loyola lembra que a comunidade recebeu autorização para utilizar a propriedade por tempo indeterminado.

“O padre doou o terreno para a escola e, depois de três anos, ele entrou com um processo judicial. Em 2007, recebemos a ordem de despejo. Nós vínhamos recorrendo até agora, mas ontem (23) eles chegaram com um mandado de despejo. Vieram três oficiais de Justiça policiais e advogados.”

Atualmente, 205 jovens estão matriculados no Ensino Médio, e recebem formação profissional como Técnico em Agropecuária. A escola tem autorização do Ministério da Educação (MEC) para funcionar e conta com 13 professores. Segundo Loyola, a instituição não possui recursos para continuar as atividades em outro local.

“Entramos em acordo com eles porque não tinha como a gente sair no momento, com a quantidade de alunos que temos na escola. Eles ficaram de retornar para o juiz, mas de imediato a ordem era para sair ontem mesmo.”

Os estudantes atendidos pela Escola Família Agrícola pertencem a 23 municípios da região do Vale do Jequitinhonha. No local também funciona o projeto ATER, que promove atividades de formação para 160 mulheres.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários são como afagos no ego de qualquer blogueiro e funcionam como incentivo e, às vezes, como reconhecimento. São, portanto muito bem vindos, desde que resvestidos de civilidade e desnudos de ofensas pessoais.
As críticas, mais do que os afagos, são benvindas.