terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

"Não invadam o Iran"

Sanguessugado do Bourdoukan

Soldados dos Estados Unidos posam ao lado de uma bandeira nazista no Afeganistão.O governo dos EUA diz que foi "uma inocente brincadeira"...

A mídia repercute que a campanha de Obama arrecadou 29 milhões de dólares.

Bobagem.

Só dos Emirados e Arábia Saudita já foram canalizados mais de 300 milhões de dólares para a campanha do invasor da Líbia e Premio Nobel da Paz.

E se a campanha de Hussein deslanchar, não haverá espaço no cofre para as novas contribuições.

Isso a mídia ignora, assim como também ignora que toda cidade líbia, depois da “libertação”, passou a ter uma masmorra com as últimas tecnologias em torturas.

É o preço que os Estados Unidos e seus mini-poodles cobram para levar a "democracia" para o país de Aníbal.

Outra informação que a mídia não cansa de repercutir ( ao que tudo indica, hoje o setor que mais trabalha na mídia é o de marqueting) é o “conselho” dos Estados Unidos e vassalos a Israel.

Não invadam o Iran, agora não é o momento.

Ha dois significados nessa solicitação, que também a mídia não consegue analisar.

A primeira é que, se Israel invadir o Iran e não tiver o apoio dos Estados Unidos e OTAN corre o risco de ser varrido do mapa.

A segunda significa que EUA e OTAN não estão em condições de enfrentar a China no momento. Primeiro eles precisam invadir e ocupar a Síria. E mais tarde o Iran para deixar o caminho livre.

Resta saber se os malucos que governam Israel vão obedecer ou não.

O tempo dirá.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários são como afagos no ego de qualquer blogueiro e funcionam como incentivo e, às vezes, como reconhecimento. São, portanto muito bem vindos, desde que resvestidos de civilidade e desnudos de ofensas pessoais.
As críticas, mais do que os afagos, são benvindas.