terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Esquema de Serra derruba presidente da Casa da Moeda e a fôia ditabranda fez até infográfico

GilsonSampaio

Pouco ou nada de relevante foi dito na fôia ditabranda sobre o livro Privataria Tucana, de Amaury Ribeiro Jr. Compreensível, afinal, o jornal fez campanha declarada para Serra, se diz única oposição ao governo e ainda recebeu muita grana em assinaturas.

A fôia ditabranda não paratica jornalismo, faz terrorismo midiático com foco na derrubada do governo ou, no mínimo, no seu engessamento.

Pois bem. O presidente da Casa da Moeda supostamente usou o mesmo esquema da família de Serra e o jornal caprichou na denúncia, fez até infográfico.

Qualquer semelhança com o papel da mídia venezuelana no golpe contra Hugo Chavez, não é mera coincidência.

Na Fôia ditabranda

Suspeita de propina derruba presidente da Casa da Moeda

O presidente da Casa da Moeda, Luiz Felipe Denucci, foi demitido no sábado por suspeita de receber propina de fornecedores do órgão via duas empresas no exterior em nome dele e da filha, informa reportagem de José Ernesto Credendio, Andreza Matais e Natuza Nery, publicada na Folha desta terça-feira (a íntegra está disponível para assinantes do jornal e do UOL, empresa controlada pelo Grupo Folha, que edita a Folha).

A exoneração do servidor, indicado para o cargo pelo PTB em 2008, foi formalizada no fim de semana por um funcionário do terceiro escalão do Ministério da Fazenda e publicada ontem no "Diário Oficial da União".

Ela ocorre após ter chegado à Fazenda informação de que a Folha preparava reportagem sobre o caso.

Denucci confirma a existência das empresas, mas nega ter feito movimentações financeiras com essas contas.

Leia a reportagem completa na Folha desta terça-feira, que já está nas bancas.

Editoria de Arte/Folhapress

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários são como afagos no ego de qualquer blogueiro e funcionam como incentivo e, às vezes, como reconhecimento. São, portanto muito bem vindos, desde que resvestidos de civilidade e desnudos de ofensas pessoais.
As críticas, mais do que os afagos, são benvindas.