sábado, 24 de dezembro de 2011

O GOLPE BRANCO DA REELEIÇÃO DE FHC – HORA DE REVERTER AS PRIVATIZAÇÕES

Via Jornal O Rebate

Laerte Braga

O processo de privatizações e transformação do Brasil em entreposto dos interesses estrangeiros começa a tomar corpo com a candidatura Collor de Mello, invenção da REDE GLOBO. Invenção e manipulação. A tal abertura dos portos que o bandido de Alagoas vivia falando.

Em 1989 a ordem era derrotar Leonel Brizola a qualquer custo e isso implicou em levar Lula para o segundo turno (nos últimos dias da campanha a mídia de mercado trabalho duro para essa realidade principalmente no Rio de Janeiro). Àquela época seria, como foi, muito mais fácil, manipular a favor de Collor com um adversário como Lula, esgrimir com o fantasma do “comunismo”, que enfrentar Brizola, até porque estava viva a farsa do golpe GLOBO/DITADURA/PROCONSULT em 1982 na tentativa de eleger o corrupto Moreira Franco (ministro de Dilma) para o governo do estado do Rio. Sabiam que Brizola era osso duro de roer.

O problema é que atingido o objetivo não foi possível aos que mexiam os cordões que faziam Collor de Mello funcionar. O boneco arrebentou-os e passou a agir a seu modo, logo, fracasso total e absoluto. Collor, como Aécio, é pura estampa, nada além disso. São dois tresloucados que não rasgam nota de cem.

Nos momentos finais do governo Collor, na tentativa de salvar o presidente do impedimento, foi sugerido – Roberto Marinho era um dos que tentava a todo custo salvar Collor – que Fernando Henrique Cardoso fosse nomeado para um super ministério, que, na prática, equivaleria a ser o presidente real do País. Collor fez o convite, FHC, sem caráter nenhum, amoral, aceitou publicamente e chegou a dar entrevistas dizendo que era possível “salvar a democracia” (quer dizer a propina dele, de Serra, etc), mas Covas, então o principal líder tucano se opôs. FHC, que guarda também o ódio na geladeira, nunca o perdoou por isso.

Itamar Franco não meteu a mão no bolso de ninguém, muito menos dos cofres públicos, em nenhum dos cargos que ocupou. Um bando à sua volta sim. Nem todos, mas uma expressiva fatia do chamado “grupo de Juiz de Fora”. E Itamar era apenas um projeto pessoal. Um errático.

Caiu no conto de FHC. Um acordo feito entre ele o seu ministro da Fazendo implicava em lançar o nome de FHC nas eleições de 1994 e em troca, em 1998, receber o apoio de FHC para sua volta.

Não conhecia o caráter escorpião de FHC. Hiena. Foi traído em todos os sentidos.

A reeleição de FHC já estava decidida por banqueiros, grandes corporações, Washington, como a de Menén na Argentina.

A emenda constitucional que aprovou sem consulta popular a reeleição por mais um período atendia a determinações da nova ordem econômica, como dizia Brizola, “veio de longe, do Norte”, custou o olho da cara ao brasileiro (Sérgio Mota era o encarregado de comprar deputados e senadores e o fez por atacado).

Foi um golpe branco. Sem que disparasse um só tiro. Tão somente dinheiro para os deputados e senadores que exigiam pagamento em espécie e a vista, ou concessões para serviços de rádio e tevê, para os que buscavam compensações outras.

A bancada evangélica como um todo. Deve ter entendido que o presidente estava pagando o dízimo pelo apoio da quadrilha.

A bancada ruralista, além do extra (em espécie ou concessões de rádios e tevês), a garantia dos “negócios” do latifúndio.

Um inquérito foi aberto sobre a escancarada compra de votos para aprovar a emenda da reeleição e um deputado chegou a renunciar diante das provas apresentadas. Livrou a cara de Sérgio Mota e de FHC, provavelmente outro extra.

Geraldo Brindeiro, amigo de FHC e Procurador Geral da República – abafava todos os casos contra o governo, estava no bolso da quadrilha tucana – recebeu o inquérito com recomendação de um procurador para que fosse denunciado todo o processo, o que significa dizer que a reeleição de FHC, mesmo sendo fato consumado àquela altura do campeonato, havia sido forjada num golpe orquestrado por Sérgio Mota (amigo e sócio de FHC. Morreu em seguida e na divisão do patrimônio da sociedade FHC passou a perna na viúva de Mota).

O inquérito permanece lá e poderia ter ido à frente no governo Lula. O ex-presidente optou pelo caminho da conciliação em alguns pontos, de contornar obstáculos, de políticas sociais que não implicassem em mudanças da estrutura econômica do País, enfim, além de ter inventado o “capitalismo a brasileira”, andou no fio da navalha, mesmo quando os tucanos arriscaram uma tentativa de impedimento no episódio do mensalão. Soube esquivar-se o jogo era pura cena política com vistas à futuras eleições, Brasília, o mundo político – com as exceções de praxe – é um clube de amigos e inimigos cordiais, a verdadeira disputa é pela chave do cofre, o modelo é o mesmo. O cartaz de propaganda é que muda.

FHC foi derrotado Três vezes. A primeira delas em 2002, mas uma derrota que não o preocupou, pois imaginava voltar em 2006, apostava no fracasso do governo Lula, tomava como exemplo – em conversas públicas – o governo de De La Rúa na Argentina.

De uma certa forma não perdeu em 2006, pois Alckimin não era o seu candidato e tucanos habitam um grande cesto, ninho de cobras, onde se picam sem cessar É da índole e da natureza tucana essa característica de víboras.

Em 2010 perdeu. Contava eleger José Serra e chegou a negociar o Brasil num encontro em Foz de Iguaçu (denunciado por este jornalista) num dos hotéis mais luxuosos da região, onde um parceiro da GLOBO e dos tucanos montou um cenário perfeito para “investidores estrangeiros”. O lucro compensava e sabia, àquela altura, que não tinha mais chances de voltar a ser presidente.

Esse desespero era tanto que quando Alberto Fujimori deu um golpe branco alcançando um terceiro mandato, foi o único presidente das Américas a apoiá-lo. Nem Clinton fez isso. Era a mão direita escapando sem qualquer pudor.

O livro do jornalista Amaury Ribeiro transcende a corrupção tucana e seus acessórios (DEM, PPS, bancada evangélica, bancada ruralista), para trazer uma perspectiva necessária e que se impõe pelo conjunto dos fatos revelados.

É hora de rever as privatizações. É hora de mostrar o que aconteceu nos oito anos de FHC, pois se a filha de Serra lavava o dinheiro – lava ainda evidente, existem vários “clientes” – dos “negócios”, o condutor do processo era o presidente.

Um presidente venal, corrupto e eleito a partir de interesses de nação estrangeira, de bancos e corporações estrangeiros, que num golpe branco – golpe de estado – comprou um segundo mandato – com amplo apoio da mídia de mercado, golpista e venal.

São duas fases da história do Brasil que necessitam ser contadas. Mostradas aos brasileiros. A boçalidade e o caráter real do golpe militar de 1964 – de fora para dentro – e agora, com as denúncias de Amaury Ribeiro, a verdadeira extensão da quadrilha tucana e todo o seu entorno, que não verdade, são os grandes mentores desse processo capitalista vergonhoso.

Bancos, grandes corporações, mídia de mercado, a aliança entre grupos estrangeiros e nacionais o que não faz outra coisa que não transformar o Brasil numa potência de fancaria diante da teia que nos encobre desde 1964 e dos anos FHC e que nunca foi de fato arrancada.

É um desafio para o governo Dilma que dificilmente a presidente irá enfrentar. Faz parte do clube de amigos e inimigos cordiais e é por essa razão que o seu partido, o PT, um PSDB com cores diferentes (com as exceções que todos conhecemos), boicota a CPI das Privatizações.

Essa luta vai ter ser travada nas ruas, como vem acontecendo no resto do mundo, no exato momento que os brasileiros perceberem que o chamado institucional não passa de uma farsa e não temos democracia. Só um jogo em que os operadores são sempre os mesmos.

Um comentário:

  1. Tem toda razão. É um artigo de muita coragem e que precisa ser difundido. As pessoas não podem esquecer os fatos marcantes da história, mas precisamente de fazer Justiça ao grande presidente Itamar Franco, que foi traído pelo FHC.

    ResponderExcluir

Comentários são como afagos no ego de qualquer blogueiro e funcionam como incentivo e, às vezes, como reconhecimento. São, portanto muito bem vindos, desde que resvestidos de civilidade e desnudos de ofensas pessoais.
As críticas, mais do que os afagos, são benvindas.