sábado, 31 de dezembro de 2011

Mais de 3 mil palestinos presos pelas forças de ocupação em 2011

Via PCB

imagemCrédito: MAKI

Terça-feira, 27 de dezembro de 2011 19:19

Um relatório publicado na segunda-feira revelou que mais de 3 mil palestinos foram presos pelas forças de ocupação militar de Israel em 2011. De acordo com a agência de notícias Ma’an, Abdul Nasser Ferwaneh, um pesquisador sobre questões relacionadas a prisioneiros, afirmou que a média de prisões em 2011 foi de 276 pessoas por mês, ou cerca de nove por dia. Um total de 3.312 palestinos foram presos  por autoridades israelenses em 2011, 113 dos quais haviam sido libertos nas negociações de outubro entre o Hamas e Israel.

Os detidos representam uma seção transversal da sociedade palestina, disse Ferwaneh. O número de prisões anual diminuiu, acrescentou o pesquisador, comentando que em 2007 um total de 7.612 pessoas foram presas pelas forças militares israelenses.

A associação Addameer de direitos dos presos, baseada em Ramallah, disse no início de dezembro que Israel prendeu quase o mesmo número de palestinos que  havia soltado no primeiro estágio das negociações de trocas de prisioneiros. Forças israelenses prenderam quase 470 palestinos desde 18 de outubro, quando soltaram 477 prisioneiros das cadeias israelenses em troca de Gilad Shalit, soldado israelense capturado, afirmou o grupo Addamer, de Ramallah.

"Esta onda de prisões revela que a negociação por troca de prisioneiros não deteve a política israelense de prisão dos palestinos; na verdade, as prisões israelenses estão sendo recarregadas com quase o mesmo número de palestinos que foram soltos em outubro,” disse a associação de presos. Palestinos são rotineiramente presos por forças de Israel, com alguns sendo interrogados por horas e outros são detidos por meses ou anos.

Existem atualmente 283 presos administrativos que estão sendo detidos sem acusação em prisões israelenses, em uma prática começou sob o mandato britânico. Um total de 4.937 palestinos estão atualmente detidos por Israel, segundo os últimos dados recolhidos pela Addameer.

Desde 1967, Israel prendeu mais de 750.000 palestinos, incluindo mulheres e crianças, disse a Autoridade Nacional Palestina. Cerca de 40% dos homens palestinos que habitam os territórios ocupados foram presos por Israel em algum momento de suas vidas.

http://www.maki.org.il/en/political/133-news/11285-study-over-3000-palestinians-arrested-by-occupation-forces-in-2011

2 comentários:

  1. O sionismo é muito mais antigo do que nos contam....a colonização do Brasil já foi um golpe político fazendo uso do mito da terra prometida....reforma protestante foi financiada pela burguesia mercantil(kosher)....monopólio escravocrata e negócios do açúcar era 99% judaico....porque Israel não é cobrado pelos afrodescendentes obrigando-o a pagar indenizações como a elite judaica fez com a Alemanha?Né!? Há muitos e muitos estudos acadêmicos que revelam as CIas (Holandezas das Índias e etc fundadas e financiadas pela elite judaica mercantil(por tras das Cruzadas(olha onde foi parar o capital dos templarios(as CIas(conspirações judaicas a menos que tenham sido eles (judeus invenados neste período...isso seria a mentira do milénio) , controlavam o mercado de carne humana, o açúcar, a bolsa(Amsterdã) os diamantes e ouro africanos......porque não há historiadores dispostos a revelarem isso? Eles (elite judaica sionista) controlam as universidades além da grande midia? Por que os afrodescentes e as comunidades quilombolas não taxam Israel(já q foi um pais(invasor) financiado as custas de sangue alheio?

    ResponderExcluir
  2. http://200.17.137.108/tde_busca/arquivo.php?codArquivo=2219....um dos muitos estudos que mostram o monopólio escravagista,financeiro judaico sionista desde a Idade Mèdia(lembrar que a família Imperial Neerlandeza(alemã na verdade e dedicada a colonização/mercantilismo e a que construíram um império flutuante marítimo tinham no Brasão a estrela de Davi....(tenho ele arquivado)....

    ResponderExcluir

Comentários são como afagos no ego de qualquer blogueiro e funcionam como incentivo e, às vezes, como reconhecimento. São, portanto muito bem vindos, desde que resvestidos de civilidade e desnudos de ofensas pessoais.
As críticas, mais do que os afagos, são benvindas.