quinta-feira, 18 de agosto de 2011

¿Por qué no te callas? ou Menos crucifixo, mais emprego fixo ou É de indignar as pedras

GilsonSampaio

É impressionante a hipocrisia dessa gente que vive nababescamente à custa da população.

Os dados que circulam para o público apontam em 20% o número de desempregados, outras opiniões dizem que o número é bem maior. Junte-se a isto os trabalhadores precarizados (direitos trabalhistas e sociais reduzidos a quase zero) e a captura do estado pela canalha bancária, e aí temos o protesto contra os gastos com a visita do nazista  Papa Ratzinger. Na verdade, a visita do Papa nazista não passa de uma “olha a sacolinha, quem der mais assegura um melhor lugar no céu”: até ingresso para missa campal vão cobrar.

“Menos religião, mais educação”,“Menos crucifixo, mais emprego fixo” e “Bento, nazi” são os cartazes refletem o ânimo dos indignados espanhóis.

Aí aparece um babaca como o rei Juan Carlos I pedindo um “milagre” ao Papa nazi para acabar com o desemprego. Mas, pensando bem, faz sentido. O papa nazi é o preposto de Deus no planeta e tem um canal de comunicação privilegiado o Todo-Poderoso, por supuesto, quem sabe um milagre possa tirar das ruas o povo que se rebela contra o que o rei e o papa representam?

Cá pra nós, é de indignar as pedras.

ET: a próxima vítima do “olha a sacolinha” pode ser o Rio de Janeiro. Já deve ter gente pensando em como ganhar algum com a venda de hóstias, não é Sergio Cabral?

Via EFE

Rei da Espanha pede ao papa que ajude a acabar com o desemprego entre jovens

Madri, 18 ago (EFE).- O rei Juan Carlos I da Espanha pediu nesta quinta-feira ao papa que ajude a acabar com o "intolerável" desemprego entre jovens e que mostre a eles os meios disponíveis para abrir seus caminhos em tempos que não são fáceis.
Minutos após o Pontífice aterrissar no aeroporto de Madri-Barajas, o monarca espanhol deu as boas-vindas a Bento XVI, que foi à Espanha para presidir os principais atos da Jornada Mundial da Juventude.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários são como afagos no ego de qualquer blogueiro e funcionam como incentivo e, às vezes, como reconhecimento. São, portanto muito bem vindos, desde que resvestidos de civilidade e desnudos de ofensas pessoais.
As críticas, mais do que os afagos, são benvindas.