quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Correa ensina como enfrentar a Veja

Sanguessugado do Miro

Altamiro Borges

A mídia golpista do Equador está desesperada. Em setembro de 2010, o jornal El Universo publicou matéria mentirosa afirmando que Rafael Correa havia ordenado abrir “fogo” contra os policiais que intentaram um golpe contra seu governo. O presidente não vacilou e entrou com processo na Justiça exigindo a retratação do jornal e do editor responsável pela calúnia, Emílio Palácio.

Como não houve a retratação, em julho deste ano a Justiça condenou os diretores do jornal e Palácio a três anos de prisão e fixou multa de US$ 40 milhões. Os donos do El Universo, apavorados, afirmam que o pagamento levará o jornal à falência. Mas Rafael Correa já disse que não recuará um centímetro e que doará todo o dinheiro da indenização. “Não ficarei com 20 centavos”.

Os “capangas da tinta”

Em carta publicada ontem no jornal El Ciudadano, o presidente se dirigiu aos funcionários da empresa. “Lamento pelos momentos difíceis que vocês e suas famílias estão passando, mas sou eu o responsável por esta situação ou são aqueles que utilizam o disfarce da 'imprensa livre e independente' para transbordar todo seu ódio contra nossa revolução de forma ilegal e ilegítima?".

Correa também tentou acalmar os funcionários, preocupados com a falência da empresa. Ele garantiu que tomará todas as medidas para “garantir” os empregos dos atingidos pela irresponsabilidade criminosa do jornal. Em várias oportunidades, o presidente do Equador já afirmou que não será refém dos “capangas da tinta”, que fazem uma oposição sistemática e golpista ao seu governo.

Se houvesse a mesma firmeza de postura no Brasil, a Veja e outros “capangas” da mídia seriam mais cautelosos com as suas ações criminosas que maculam o jornalismo e a ética.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários são como afagos no ego de qualquer blogueiro e funcionam como incentivo e, às vezes, como reconhecimento. São, portanto muito bem vindos, desde que resvestidos de civilidade e desnudos de ofensas pessoais.
As críticas, mais do que os afagos, são benvindas.