sábado, 30 de abril de 2011

Mensalão do PiG e do PT não tem o mensaleiro: Dantas

Sanguessugado do ConversaAfiada

clip_image002

À direita da foto, Dantas

O PiG (*) noticia confirmação que Delúbio Soares, Ministro das Finanças do PT no regime do “valeriodantas”, voltou ao partido gloriosamente.

A emoção que se observou no retorno de Delúbio só se compara à que acompanhou Kate e Wlliam ao altar.

Portanto, o PT recusou-se a esperar o julgamento do Supremo e readmitiu em seu seio, com Delúbio, o passador de bola apanhado no ato de passar bola, Daniel Dantas.

Os dois voltam triunfalmente ao PT.

Os três, na verdade.

Porque, na CPI dos Correios, Delúbio tratava o ex-cunhado e “abre-te Sésamo” do Dantas, Carlos Rodemburgo, de “dr Carlinhos”.

“Dr” !

O PT não fez autocrítica.

Usou argumento que provoca lágrimas copiosas: não há punição eterna.

Que pena que o Eichman não pudesse dizer isso em Jerusalém.

É tão convincente quanto o argumento do Ministro Napoleão Maia, do STJ.

O Ministro soltou a “louca” do mensalão do DEMO de Brasília – aquele grupo que ia dar o vice ao Cerra –,  porque é preciso assegurar o direito de ir e vir.

Clique aqui para ler “Ministro que soltou a “louca” quer sepultar a Satiagraha”.

Como não há punição eterna e se há de assegurar o direito de ir e vir, Daniel Dantas será sempre inocente (ou longe da cadeia ficará, ainda que condenado a dez anos pelo corajoso Juiz Dr Fausto De Sanctis).

Porém, tão comovente quanto a omissão do PT é a do PiG (*).

No Globo (Ler “Em tempo”), na Folha (**) e no Estadão a  readmissão de Delúbio não faz uma única referência ao passador de bola.

O PT dedica a Dantas o mesmo carinhoso tratamento que se dispensava às fogosas donzelas das fazendas de café da Velha República.

Elas davam “um mau passo”.

Delúbio deu “um mau passo” – leia-se, Dantas.

No PiG, Dantas não é responsável nem por um mau passo.

Ele simplesmente inexiste.

Não há menção a Dantas.

Delúbio cometeu o crime do mensalão, mas o PiG não se diz qual foi o crime: receber dinheiro do “valeriodantas”.

Para o PiG (*), “mensalão” é o log in para derrubar o presidente Lula e a presidenta Dilma.

É abrir a página em que se encontram, apenas, os crimes eleitorais do PT.

(Como diz o Mino Carta, o “mensalão”, a mensalidade, ainda está por provar-se. Está mais para a Caixa Dois velha de guerra.)

O PiG, é claro, ignora que o mensalão começou em Minas, na gestão do ex-presidente do PSDB, Eduardo Azeredo, aquele que vendeu a CEMIG a Daniel Dantas e a Elena Landau, e depois tentou promulgar um AI-5 Digital.

Gente finíssima.

Começou tudo ali.

Naquelas notas queimadas da Telemig Celular.

Queimadas e desaparecidas, por sinal.

Marcos Valério debutou com Eduardo Azeredo.

Ali fez seu business plan.

E, depois, o Dr Carlinhos o readaptou ao PT.

Delúbio voltou, apesar do mau passo.

Só que levou Dantas na sacola.

Dantas está instalado no coração do PT.

E o PiG (*) ignora Dantas.

Faz de conta que ele é o pote de ouro que se esconde no fim do arco-iris.

Uma quimera.

Mas, cheio de ouro.

Em tempo: o Globo de hoje dedica dezenas de páginas aos resultados catastróficos do Censo do IBGE do Haiti. Uma miséria só. Nada funciona. Tudo piorou. A passagem do terremoto pelo Haiti (da espécie “Lula Nunca Dantes”) teve efeitos irremediáveis.  O Haiti está perdido, segundo o levantamento do IBGE. Falta até penico no Haiti ! Ainda mais que, agora, o Haiti tem mais negros do que brancos.

O Globo não admite que isso tivesse acontecido, sem que medidas macro-prudenciais do Ali Kamel o tivesse impedido.  Como diz esse ansioso blogueiro, se você acordar com a urubóloga no “Mau Dia Brasil” e for dormir com o William Waack no jornal da globo, no dia seguinte você pede asilo à embaixada do Haiti.

Paulo Henrique Amorim

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários são como afagos no ego de qualquer blogueiro e funcionam como incentivo e, às vezes, como reconhecimento. São, portanto muito bem vindos, desde que resvestidos de civilidade e desnudos de ofensas pessoais.
As críticas, mais do que os afagos, são benvindas.