terça-feira, 26 de abril de 2011

Carta aberta de James Petras a Chávez, a propósito da detenção de Joaquín Pérez

Via Anncol-Brasil

James Petras


Muito prezado Presidente Chávez.

É urgente que a Revolução Bolivariana atue com urgência para retificar o erro de entregar o companheiro Becerra à polícia de Colômbia, onde vai sofrer torturas e abusos.

Como todo o mundo já sabe, Becerra é cidadão sueco e a atuação da polícia em Caracas é um ato ilegal.

O quê tipo de solidariedade exerce com essa entrega, que na verdade é uma mancha de vergonha.

Saudações Bolivarinas.

JAMES PETRAS

Nota do mequetrefe

Becerra já está trancafiado numa prisão colombiana desde esta segunda-feira. Não há justificativa para essa cagada de Chaves, pois, se o jornalista era procurado pela Interpol, porque não foi detido e extraditado pela Europa, onde se naturalizara sueco?

Primero se llevaron a los vascos, pero a mi no me importo...

Por Juan Garcia

Primeiro se levaram os vascos, extraditados para Reino de Espanha apesar de ter nacionalidade venezuelana. E apesar de que o governo espanhol tem sido acusado pelo relator especial para os direitos humanos da ONU, de graves violações dos direitos humanos, assim como do uso sistemático da tortura como meio de castigo contra os presos políticos.

Mas, a mim não me importou porque eu não era vasco.

Depois se levaram a Granda, seqüestrado pelo governo colombiano no pleno coração de Caracas, em cumplicidade com funcionários policiais venezuelanos.

Mas, esse caso não me importou, porque por razões “de Estado”, de “outros estados” para ser mais exato, o camarada foi deixado em liberdade, dois anos e meio depois e, com isso acabou-se esse escândalo.

Mais tarde decidiram passar para o "baixo perfil". O caso de Ilich Ramírez, venezuelano detido ilegalmente e, encarcerado injustamente pelo imperialismo francês. Condenado à marginalidade e o esquecimento, por parte da própria diplomacia venezuelana, sendo porém um dos mais grandes exemplos anti-imperialistas desse país.

Mas, não me importou porque eu não sou venezuelano.

Mais tarde encarceraram a Sabino Romero, líder indígena lutador pelas suas terras ancestrais. Acusado sem provas por pecuaristas e latifundiários. Palavra de latifundiário contra palavra de índio....

Mas, a mim não me importou porque eu no era índio.

Depois extraditaram três guerrilheiros apesar de que pouco tempo atrás, Chávez proclamava na Assembléia Nacional: "As FARC e o ELN não são terroristas, são verdadeiros Exércitos e há que dar-lhes reconhecimento", "São forças insurgentes que têm um projeto político e bolivariano que aqui é respeitado". Resultado: Três jovens combatentes pela liberdade de sua terra e verdadeiros patriotas, entregados sem nenhum pudero às garras assassinas da oligarquia terrorista pro-ianque.

Mas, não me importei porque não era bolivariano.

Ontem extraditaram um jornalista com nacionalidade sueca de origem colombiano. Sobrevivente do extermínio da União Patriótica, refugiado político nesse país nórdico desde há vinte anos. Diretor responsável da Agência de Notícias ANNCOL, uma das páginas web mais consequentes que informa sobre o terrorismo do Estado Colombiano.

Mas, não me importou porque eu não era jornalista.


Neste momento me estão deportando.....

mas, já é tarde......

fonte: abpnoticias.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários são como afagos no ego de qualquer blogueiro e funcionam como incentivo e, às vezes, como reconhecimento. São, portanto muito bem vindos, desde que resvestidos de civilidade e desnudos de ofensas pessoais.
As críticas, mais do que os afagos, são benvindas.