quarta-feira, 30 de junho de 2010

Serra é a esperança da União Europeia

GilsonSampaio

Cuba vem sendo alvo de intensa campanha da União Europeia por ser um mau exemplo para a “ordem mundial”. Por outro lado, a União Europeia está se desmanchando por conta da canalha mundial que controla a “ordem mundial”.

Agora, os canhões se voltam para o Brasil e sua política externa altiva e independente. Ainda não admitem que o mundo mudou e que o Brasil não é o mesmo da era vassala de FHC e Serra.

Querem, novamente, colocar o Brasil no lugar que sempre reservaram ao país, ou seja, de um grande entreposto. Serra se presta bem ao serviço de capataz, gerente, não, por que já deu mostras de incapacidade ao administrar São Paulo.

Isto é que está em jogo nas próximas eleições.

Dilma, sempre.

Ah! antes que eu me esqueça: vai te catar UE.

Via Opera Mundi

Documento interno da União Europeia critica política externa do Brasil

A atitude "contraditória" do Brasil em suas relações internacionais preocupa a UE (União Europeia), segundo um documento interno divulgado nesta quarta-feira (30/6) pela revista francesa L'Express.
O que preocupa Bruxelas (sede da UE) é que "a vontade do Brasil de se afirmar como líder dos países em desenvolvimento faz sua política externa ser contraditória por conta de suas ambições de potência global", afirma a nota do grupo de países europeus.
O documento, escrito pelo gabinete do presidente do bloco, Herman Van Rompuy, para a próxima cúpula da UE com o Brasil, que ocorrerá no dia 14 de julho em Brasília, diz também que o país sul-americano é "um aliado em busca de sua real identidade".
Os conselheiros diplomáticos de Van Rompuy consideram ainda que "a proximidade do Brasil com o Irã gera alguns desconfortos na UE, nos Estados Unidos e no Oriente Médio".
Isso ocorre, adverte a nota, "enquanto o presidente Luiz Inácio Lula da Silva busca o apoio dos países europeus para obter uma cadeira permanente no Conselho de Segurança da ONU".
No último mês, o governo brasileiro assinou com o Irã e a Turquia um acordo sobre o programa nuclear iraniano, que visa a troca em território turco de 1.200 quilogramas de urânio levemente enriquecido (a 3,5%) para que o material seja enriquecido em 20% - índice necessário para sua utilização em pesquisas e procedimentos médicos.
Contudo, embora considerado um avanço, as potências mundiais, reunidas no Conselho de Segurança da ONU, aprovaram pouco depois um novo pacote de sanções contra a nação islâmica. Para a comunidade internacional, o programa desenvolvido pelo presidente Mahmoud Ahmadinejad teria fins bélicos, o que é negado por Teerã.

Maradona pensa, logo, é preciso destruí-lo

image

Via Tercera Información

QUERIDO DIEGO, "PELUSA", "PIBE DE ORO", "DIEZ", "DIOS", "GORDO":

Quiero hacer memoria, para que no se te olvide a vos, ni a ninguno de los argentinos.

Eras un pibe de la villa miseria de Fiorito. Uno de esos asentamientos informales, insalubres y laberínticos, de viviendas precarias en las que se hacinan los desplazados. Síntoma brutal de la marginación y la pobreza, del que los políticos prefieren no hablar porque es poner en duda toda la estructura legal del sistema.

Jugabas porque el fútbol es la expansión de los humildes, un acto atemporal que los saca de las desdichas cotidianas. La vida te había negado casi todo, y vos, como miles de chicos argentinos, con tus zapatos rotos, te desquitabas a patadas.

En 1973 alguien te dijo:
- Che pibe, vamos a armar un equipo para jugar en el "Torneo Evita", ¿Entrás?

Con tus piernas flacas y tu rostro de "negrito", te convertiste en la pesadilla del torneo, nadie quería enfrentarte. "Los Cebollitas", (así se llamaban), se llevaron la copa y al año siguiente ganaron el Campeonato de la 8ª División. El conjunto se mantuvo invicto 136 partidos y gracias a que "Los Cebollitas" se convirtieron en una sensación, conociste Perú y Uruguay, donde los invitaron a jugar. No tenías 12 años y ya eras campeón.

A alguien se le ocurrió hacerte debutar en las inferiores del Club Argentino Juniors. Resultó fácil, fue el primer acto ilícito de tu vida: te cambiaron el nombre y mintieron la edad, agregándote dos años para que te aceptaran. Algo completamente inútil porque tu brillo era tal que cuando te vieron jugar, todos preguntaban: ¿Quién ese pibe? ¿De dónde salió ese prodigio?

Entonces decidieron que era mejor ponerte en el entretiempo de los partidos de la Primera División para que entretuvieras a la hinchada haciendo malabares con la pelota. Naciste mago. Siempre la pelota ha hecho todo lo que querés, ¿O será al revés?

Llegaste a la villa eufórico: ¡Mamá, me pagaron!

Doña Dalma te dio un beso y tu padre Diego te regaló una sonrisa y una palmada afectuosa. Hasta hay un viejo comercial de Coca Cola, donde se ve a aquel muchachito haciendo maravillas.

La primera vez que figuraste en los diarios, (esos que cada vez que pueden, intentan destruirte por tus ideas), tenías diez años. El Clarín decía: "Había un pibe con porte y clase de ’crack’... ". Este periodista no sabía que aún faltaban por llenar muchas páginas hablando del "Pibe de Fiorito". Porque en dos años ascendiste ocho divisiones en Argentinos Juniors, de novena a primera, y comenzaste a dibujar tu historia con goles: en 1978, aunque te consagraste como el goleador del Metropolitano, el flaco Menotti te dejó fuera de la Selección que ganó el campeonato porque eras muy niño, pero al año siguiente nos trajiste la Copa del Mundial Juvenil.

Por ese tiempo, aunque River te quería contratar y te ofreció lo mismo que ganaba Ubaldo Fillol, el jugador mejor pagado de entonces, decidiste jugar para Boca, que estaba en serios problemas económicos y no podía comprar tu pase. Nos hiciste campeones, pero duraste poco. Europa siempre ha pagado mejor y te fuiste al Sevilla y después al Nápoles.

El Mundial de México 86, siempre será recordado como "el Mundial de Maradona" y podría escribir muchas páginas con las emociones que nos hiciste vivir, porque cada vez que mandaste la pelota al fondo de la red, no era un gol de Maradona, era un tanto de desquite de todos los humildes de tu pueblo.

La FIFA, aún a regañadientes, (los oligarcas del fútbol no te quieren Diego) tuvo que elegirte como al mejor jugador del siglo XX. Para nosotros significas mucho más. Siempre recordaré cuando como consecuencia de haber caído en los abismos de la droga, te tuvieron que internar de urgencia y una multitud angustiada hizo intransitable cuadras enteras en torno al hospital. Alguien puso un gran cartel: "El cielo tiene que esperar", otro decía: "Siempre vivirás, Dios no quiere competencia.", otro: "Jesús resucitó una vez. Vos, miles.", y quizá el más significativo rezaba: "Diego, no aflojés que vas a salir. No podés perder. No te olvides que Maradona juega para vos."

Saliste de la droga como también te levantaste de cada golpe que te dieron en la cancha, pero los medios internacionales siempre magnificaron tu adicción a las drogas y cada error que cometías, porque lo que no te perdonan es que a pesar del dinero, la fama y la gloria, nunca olvidaste al pibe de la villa de Fiorito y que cada uno de tus mensajes políticos mueva la conciencia de los pobres y explotados del mundo.

El mercado puede aceptar que seas un genio del fútbol, pero no que te hayas convertido en la compensación para una sociedad frustrada por varias dictaduras militares y desgastada por el accionar de políticos corruptos.

Se acepta, ¿qué otro remedio les queda?, que seas un campeón, más no que reflejes los sentimientos de los despojados que necesitan creer que Dios no está tan lejos.

Eso no te lo van a perdonar nunca Diego.

La FIFA no te puede perdonar que promuevas la sindicalización de los jugadores, a los que llamas "los obreros del fútbol", porque eso echaría por tierra un negocio que mueve millones de dólares cada cuatro años.

Si Maradona dona una escuela, o promueve una colecta para los niños pobres con parálisis, no saldrá en la primera plana de ningún periódico del mundo, porque lo imperdonable no son estos actos en sí, sino que lo hagas siempre diciendo que sólo estás devolviendo algo de lo que los poderosos roban a la gente.

Demagogo, populista, oportunista, drogadicto, son los calificativos aconsejados por los señores de la SIP para poner junto a tu nombre. Como también aconsejan destacar siempre las declaraciones del señor Pelé, porque ese si es "bueno". Se coloca debajo de un cartel de alguna firma de productos deportivos, que por supuesto le paga, para reivindicar siempre al sistema y defender sus intereses. De eso vive.

No te van a perdonar tus visitas a Chávez, o que tengas al Ché tatuado en tu hombro.

La única vez que te tuve cerca fue cuando en noviembre de 2005, con motivo de la Cumbre de Presidentes de Mar del Plata, nos invitaste a ir a repudiar la presencia de Bush en la Argentina.

Los grandes diarios del mundo, no publicaron en estos días la foto de la Selección Argentina despidiéndose rumbo a Sudáfrica con una gran pancarta que decía: "Apoyamos a las abuelas de Plaza de Mayo para el Premio Nobel de la Paz". Ni tampoco la noticia de que recibiste en Pretoria a Estela Carlotto con un gran abrazo.

Eso no se perdona Diego.

El fútbol, vos lo sabés mejor que nadie, es un juego impredecible y como bien declaraste: "No hay favoritos. Cualquiera te puede clavar la pelota en el ángulo y todo lo que hiciste... Chau". Todo es posible, pero por todo esto y mucho más quiero decirte que si eso sucede, no te hagas ningún problema, porque con nosotros ya cumpliste.

Gracias por ser Maradona. Gracias por ser nuestra alegría y nuestra esperanza. Gracias por no olvidar al pibe de Fiorito. Gracias por representarnos siempre a todos con dignidad.

Gracias campeón!

__________________________________________________________

Já disse aqui que gosto do futebol-arte e, porisso, estou torcendo pela Argentina. Pero, para ser campeã a Argentina terá que vencer não só os adversários dentro de campo, mas, principalmente, os obstáculos fora de campo

Eles não vão te perdoar, Maradona.


MPF cobra na justiça a atualização dos índices

Via  MST

Da Terra de Direitos

O Ministério Público Federal ajuizou Ação Civil Pública para obrigar o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) a atualizar os índices de produtividade, a base para investigação de um dos elementos da função social da propriedade.

Atualmente os índices que medem a produtividade das fazendas têm referência em dados da produção de 1975, portanto, não consideram todos os investimentos, pesquisas e desenvolvimento tecnológico, inviabilizando as desapropriações de áreas que produzem muito pouco.

Os índices de produtividade são as principais referências utilizadas pelo INCRA em processos de investigação para avaliar se as propriedades cumprem a função social e, em não cumprindo estariam passíveis de desapropriação. Como esse parâmetro está desatualizado em mais de 30 anos, muitas terras que não cumprem a função social deixam de ser desapropriadas. Esse é um dos grandes obstáculos da reforma agrária, que segundo o Ministério Público “Quer se queira quer não, a reforma agrária é um claro objetivo da Carta Política de 1988”, afirma o documento.

O MPF tinha um procedimento administrativo instaurado desde outubro de 2007 para investigar os motivos da falta de atualização dos índices. Em 2009 o Ministério do Desenvolvimento Agrário realizou estudos e, através de portaria, recomendou a atualização dos índices. Falta apenas o MAPA aprovar esses estudos para que a atualização seja feita.

Na tentativa de realizar a atualização dos índices, sem ter que acionar o Poder Judiciário, o MPF obteve respostas insatisfatórias do MAPA, de que seriam necessários novos estudos para a atualização. Isso levou ao MPF a entender que “poderemos chegar ao absurdo de jamais implementar as atualizações disponíveis, uma vez que, sendo sempre baseadas em dados passados (de um, dois, três ou quatro anos atrás), em verdade, nenhuma atualização poderá se mostrar plenamente consentânea com a realidade do dia em que for publicada. Mas isto não pode, ao contrário do que imagina o Ministério da Agricultura, servir de lastro ao não cumprimento de uma obrigação legal.”

Na petição, o MPF alega que foram “esgotadas, assim, todas as tentativas de solução administrativa do problema, e caracterizada a necessidade de atualização dos índices de produtividade, para melhor implementar o objetivo constitucional da reforma agrária, não resta outra alternativa ao MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL senão buscar a garantia da efetivação do comando constitucional perante o Poder Judiciário”.

Na ação civil pública o MPF faz referência à representação da Terra de Direitos para a Procuradoria, ao ter destacado que a “ausência de atualização dos índices de produtividade dificulta a realização da política pública da reforma agrária, gerando o agravamento da violência e de conflitos no campo”. (Acesse aqui a integra da petição do MPF)

Função Social da Propriedade

A propriedade da terra deve atender a uma função social. Isso significa que o proprietário não pode explorá-la como bem entender, pois tem o dever de respeitar os quatro requisitos constitucionais que determinam o seu direito de proprietário: produzir de modo racional e adequado; respeitar ao meio ambiente e garantir a renovação dos recursos naturais; cumprir a legislação que regulamenta as relações de trabalho, e, finalmente, garantir o bem estar social daqueles que trabalham na terra.

Quando o proprietário não dá destinação social à terra, causa um dano à sociedade. Por isso, nossa constituição pune com desapropriação quem não atenda a tais preceitos. Com a desapropriação, a terra passa a atender a função social quando destinada a agricultores, através da política pública de reforma agrária.

Para o Relator do Direito à Terra, Território e Alimentação, da Plataforma Dhesca Brasil, Sérgio Sauer, “apesar de que o Executivo deveria utilizar os demais critérios para avaliar a função social das propriedades, a atualização do GUT (grau de utilização da terra)e do GEE(grau de eficiência econômica) está de acordo com o espírito constitucional e com os avanços tecnológicos. É inconcebível que o MAPA se recuse a cumprir um preceito constitucional e, contraditoriamente, ainda faça propaganda da eficiência produtiva do grande agronegócio. Junto com esta atualização, é fundamental que o Parlamento aprove a PEC do trabalho escravo, pois isto daria materialidade jurídica a mais um critério constitucional da função social da propriedade.

Mentir está no dna tucano

Via  Vermelho

Faltam engenheiros, mas sobram caras de pau

Luciano Rezende *

"A educação é a base para o desenvolvimento. Com uma educação precária, o Brasil está se distanciando dos países do Primeiro Mundo. Como conseqüência, a economia começa a cobrar a conta em função dessa falta de estrutura”.

 

Não há nada de errado na frase acima, com exceção da parte onde diz que estamos nos distanciando dos países do chamado primeiro mundo. Mas no geral, ela é correta. O problema é de onde ela partiu.
Em texto intitulado “Governo petista não preparou o País para o crescimento”, publicado no site do PSDB, o deputado tucano Luiz Carlos Hauly, do Paraná, teve a audácia de criticar o governo Lula pelo fato de que "só 15% dos jovens estão na universidade, o equivalente a um milhão de alunos, quando deveriam ter, no mínimo, 50% dos jovens nas universidades. Fora isso, o ensino médio não oferece cursos profissionalizantes para todos os alunos". Na visão do deputado, Lula é o responsável pelas deformidades do sistema educacional brasileiro, incapaz de formar engenheiros de qualidade para suprir a atual demanda ocasionada pelo crescimento econômico que o mesmo governo (Lula) promove.
A crítica parte justamente de um deputado filiado ao Partido (PSDB) que mais massacrou a educação brasileira. Aproveitou-se de artigo da Folha de São Paulo onde há o alerta que o “País perde US$ 15 bi com má formação de engenheiro” para alfinetar Lula. Mas essa má formação tem um histórico. O desmonte das universidades e escolas técnicas foi patrocinado pelo Governo Fernando Henrique Cardoso e, apesar da grande mobilização da sociedade, não foi possível interromper as políticas neoliberais que vetaram a contratação de novos professores e servidores por oito anos, diminuíram o acesso em vários cursos, sucatearam as estruturas físicas e laboratórios, desmotivaram professores e servidores, congelaram salários e bolsas e outros crimes mais.
O Brasil se tornou, a partir do governo do PSDB, o país com o maior índice de privatização da educação na América Latina e um dos cinco em todo o mundo, se considerados o número de instituições e o percentual de matrículas. Em 1994, 22,5% das instituições de ensino superior eram públicas e 77,5% eram privadas. Em 2002, apenas 11,9% eram públicas e 88,1% privadas. Um crescimento de 118% das instituições privadas enquanto o número de instituições públicas permaneceu o mesmo.
O deputado demonstra ter uma memória fraquíssima. Pensa (ou quer fazer pensar) que é possível saltar de 15% para 50% de jovens na universidade em sete anos. É de se perguntar quanto saltou esse percentual durante os oito anos de governo FHC.
Por isso mesmo é bom comparar. Ou o deputado Hauly também é uma daqueles de que na propaganda eleitoral acha melhor olhar pra frente e esquecer (ou esconder) o passado?
De fato, a carência de engenheiros em nosso país é fato preocupante. Mais que isso, engenheiros devidamente qualificados.
Mas a herança maldita deixada por FHC só vai ser superada em médio e longo prazo. Não se gradua um engenheiro com sólida formação da noite para o dia. Esses profissionais precisam ter uma preparação adequada que comece no ensino fundamental (o mesmo nível de educação em que os governadores - do partido do deputado Hauly - foram contrários a implantação do Piso Nacional para os professores nos seus estados), diferentemente do que propôs os governos tucanos em São Paulo, por exemplo, com o regime de “aprovação automática”, para reduzir custos com o ensino e com isso formar estudantes analfabetos funcionais.
Um partido que enquanto esteve na presidência da república não criou nenhuma universidade pública ou escola técnica em oito anos, não tem moral para vir agora cobrar a formação de engenheiros qualificados. Em contrapartida, Lula e Dilma inauguraram dez novas universidades e 214 escolas técnicas, mesmo assim, muito aquém do que a economia atual, inaugurada por Lula e Dilma, necessita.
No governo passado, nem se tinha engenheiros, nem se tinha empregos. Esse era o dilema. Mas parece que disso o deputado paranaense não se lembra. Ou será isso tudo mais uma invenção da “gente que mente”? O povo saberá quem está com a razão no dia 3 de outubro.
P.S.: Um breve depoimento pessoal: como engenheiro de formação, graduado em uma universidade pública federal em plena era FHC, aproveitei só agora os concursos públicos abertos no governo Lula para ser professor federal. Na época em que me formei (1999) o desemprego era assustador e não houve nenhum concurso público durante todo esse período. Quem não se lembra disso? Meus colegas que antes eram oposição a Lula são hoje anti-PSDB declarados, assim como quase todos os reitores, diretores de escolas e a ampla maioria dos professores que puderam comparar e sentir na carne os dois governos.

Ganhe uma cópia do Dossiê Serra no jogo dos 7, 14 e 21 erros

Sanguessugado do AssazAtroz

 

A nossa Agência Assaz Atroz escalou o melhor chargista da nossa equipe de cartunistas a fim de que este acompanhasse a entrevista da candidata à Presidência da República pelo PT Dilma Rousseff, ao programa Roda Viva, e retratasse com rigorosa precisão exata os melhores momentos da seguntina (se aos sábados é sabatina, então...).
Para nossa surpresa, o trabalho do nosso panfletist... quer dizer, do nosso cartunista apresentou, por uma dessas casualidades eventualmente ocasionais, alguns raros, mas excepcionalmente comuns e recorrentes, traços semelhantes e rigorosamente quase iguais aos do cartunista do Roda Viva.
Não é mesmo muita coincidência casual?!
Aprecie o nosso sisudo esforço para produzir bom humor e participe do jogo dos 7, 14 e 21 erros, que consiste em o leitor identificar as pequenas diferenças entre os quadrinhos do cartunista do Roda Viva e os do nosso assaz atroz chargista.
Quem acertar o maior número de erros (diferenças) ganha uma cópia exclusiva do Dossiê Serra, quando o livro “Os porões da privataria”, de Amaury Ribeiro Jr., for lançado.
Quem se habilita?!
Assista à entrevista usando a postagem da redecastorphoto, a fim de comparar as nossas charges com as do Roda Viva.
(Clique na imagem para ampliar)




Atenção: O regulamento do nosso concurso estabelece premiação para quem acertar o menor número de diferença de traços entre os nossos cartuns e os do cartunista do Roda Viva. Nesse caso, o candidato ganha um link para ler trechos do Dossiê Serra, publicados na internet, desde que esta foi inventada.

Indio não quer apito, quer merenda escolar

GilsonSampaio

Tá difícil achar um ficha-limpa nas hostes da direita.

Sanguessugado do Tijolaço

O vice do Serra, segundo a vereadora do PSDB

junho 30th, 2010 às 16:42

Republico aqui, para que as pessoas se informem sobre o perfil do deputado Índio da Costa, novo – por enquanto – vice do Serra, o que diz dele a ex-líder do PSDB na Câmara quando ele era vereador.

O vereador índio da costa encarna à perfeição esse modelo de discurso democrático, prática autoritária. Em seu atual mandato, ele, ocupado com o exercício de secretaria municipal, poucas vezes foi trabalhar na Câmara para a qual foi eleito e quando foi, na presidência da Comissão de Finanças, Orçamento e Fiscalização Financeira, nunca se interessou em conhecer o Orçamento, limitando-se a seguir a orientação ditada pelo prefeito.

Pior, mostrou, no cargo, profundo desprezo pelo debate democrático, pela participação popular. Que, aliás, não é favor, mas obrigação imposta tanto pela Lei Orgânica do Município quanto pela Lei de Responsabilidade Fiscal. A Comissão de Orçamento, sob o comando de índio da costa, não só deixou de tomar a iniciativa de convocar a sociedade para discutir o que lhe diz respeito, como ainda impediu os representantes de organizações sociais que compareceram, de fazer perguntas aos secretários chamados para as audiências públicas. “

(…)

A cada questionamento, orquestrada por Índio, a bancada governista reagia com irritação e procurava tumultuar, enquanto os secretários inquiridos faziam-se de ofendidos, como se não tivessem de prestar contas de seus atos aos representantes dos cidadãos.

As manobras causaram indignação. Vinte e quatro vereadores assinaram ofício ao presidente, vereador Ivan Moreira, protestando contra a forma como Índio conduziu os trabalhos e como impediu a livre manifestação dos vereadores e da população. Os signatários foram Lucinha, Teresa Bergher, Sebastião Ferraz, Luiz Guaraná, Stepan Nercessian, Chiquinho Brazão, Argemiro Pimentel, Jorge Mauro, Rubens Andrade, Pastora Márcia Pereira, Jorge Felipe, Nereide Pedregal,dr. Carlos Eduardo, Cristiane Brasil, Theo Silva, Aspásia Camargo, Dionísio Lins, Carlos Bolsonaro, Eliomar Coelho, Rogério Bittar, Patrícia Amorim, Márcio Pacheco, Renato Moura e Edson Santos.

Em paralelo, encaminharam à Mesa Diretora moção de repúdio contra Índio, pela forma autoriária e ineficiente com que conduziu as audiências públicas de avaliação do PLOA 2007. Assinaram a moção, Andrea Gouvêa Vieira e seus colegas Brizola Neto, Dionísio Lins, Rogério Bittar, Argemiro Pimentel, Sebastião Ferraz, Lucinha e dr. Carlos Eduardo.

Vejam o que ela diz em outro texto:

A vereadora Andrea Gouvêa Vieira, membro do CAE, foi relatora da CPI da Câmara Municipal que apurou as suspeitas sobre as irregularidades na licitação e no fornecimento da merenda. No seu parecer, o CAE utilizou informações desta Comissão Parlamentar de Inquérito. O relatório da CPI foi entregue no início do mês ao Ministério Público Federal e à Delegacia Fazendária, que investigam o caso. O documento relatado por Andrea Gouvêa Vieira pede a responsabilização civil e criminal do ex-secretário municipal de Administração Índio da Costa e da secretária municipal de Educação, Sonia Mograbi.

- Dinheiro público é sagrado e deve ser destinado exclusivamente ao bem-estar do cidadão. A omissão e as irregularidades nesse caso são ainda mais graves porque prejudicaram a alimentação dos alunos das escolas municipais – disse a vereadora.

A TAL TECNOLOGIA

 

Laerte Braga

João Saldanha costumava dizer que quando eliminassem erros de juízes o futebol ia para o brejo. Referia-se a parar o jogo e conferir na telinha. A mesma opinião tem o ex-presidente da FIFA João Havelange. Resistiu durante anos a pressões para mudanças nas regras. Só aceitou coibir que o goleiro pegue com as mãos bola atrasada.

Duvido que o bandeirinha não tenha percebido que a bola chutada pelo atacante inglês, seria o gol do empate, entrou. Como duvido que o outro bandeirinha não tenha percebido o impedimento de Téves no gol contra o México. De qualquer forma futebol tem dessas coisas, a Inglaterra foi campeã do mundo em 1966 com uma bola que não entrou e contra a mesmíssima Alemanha.

Em 1978 a Argentina comprou um argentino naturalizado peruano, o goleiro Quiroga, para fazer o gol a mais que necessitava e passar às finais. Foi campeã do mundo, a despeito do excelente futebol que sempre teve, num gesto de agradecimento de Havelange à ditadura militar por apoio em sua reeleição para a FIFA.

Foram duas copas claramente manipuladas.

O curioso é que a crítica a armação, evidente, foi de Cláudio Coutinho, ex-capitão do Exército e técnico da preferência dos militares para a seleção depois do fracasso na Copa de 74. Falou em Brasil, “campeão moral”.

Na Copa inventou um quarto zagueiro, Edinho, de lateral esquerdo e barrou Rivelino e Nelinho. Coutinho surgiu em 1970, auxiliar de preparador físico, uma espécie de fiscal dos militares na Comissão Técnica.

E exatamente depois do episódio de destituição de João Saldanha. Desde que declarou que não convocaria Dario para satisfazer o presidente da República, Saldanha estava com os dias contados. “Eu não nomeio os ministros dele, ele não convoca os jogadores da minha seleção”.

A miopia de Pelé que tanto badalam foi por outra razão. Não se tratava de miopia oftalmológica, digamos assim, mas mental no curso de um processo em que o jogador estava sendo triturado. E Saldanha não barrou Pelé, apenas afastou o jogador e recomendou a ele tomar uma decisão. Só isso. É uma questão pessoal não vale falar aqui.

Futebol tem esses trens complicados. Uma vez Veiga Brito era presidente do Flamengo e chegou a um “acordo” com o goleiro Manga do Botafogo. Semana de partida decisiva entre os dois times. Contaram a Saldanha, que contou a Zagalo, que chamou Lídio Toledo e deram uma prensa em Manga. Pior, fizeram-no jogar. Manga pegou tudo.

Ao final, sentindo-se logrado, Veiga Brito, homem de confiança de Carlos Lacerda, disse que “estranho que o Manga só pegue tudo contra o Flamengo, não passa nem pensamento”. Estava chorando o “acordo” não cumprido.

Saldanha, da cabine onde comentava o jogo, deu uma espinafrada em Veiga Brito ao vivo e acabou deixando a história transparecer. Manga foi à sede do Botafogo tirar satisfações e a disparidade de tamanho entre o goleiro e o comentarista/técnico era de tal ordem que Saldanha puxou dum 22 e deu um tiro para o chão.

Quem conhece a sede em General Severiano no Rio não consegue compreender o fantástico pulo que Manga deu depois de disparada corrida, falo dos muros.

Uma vez numa resenha esportiva Saldanha chamou Castor Andrade no braço, mas fez uma exigência. “Sem os seus capangas e sem arma, só na mão”. Isso ao vivo. Chamaram os comerciais e a coisa ficou por isso mesmo. Castor não foi.

Copa do Mundo tem dessas armações e dessas coisas. Mas tem também uns esquemas fora de esquadro. João Lyra Filho, irmão de Lyra Tavares, ministro do Exército no golpe dentro do golpe em 1968, era o presidente da antiga CBD, hoje CBF, em 1954. No intervalo do primeiro para o segundo tempo, como o Brasil estivesse perdendo da célebre seleção húngara de Puskas, etc, fez um discurso patético. “O Brasil, neste momento, é a pátria de chuteiras”.

Deu no que deu, perdemos de quatro a dois e Didi ainda deu umas chuteiradas patrióticas em alguns húngaros.

Mário Vianna, com os dois “n” esculhambou o juiz do jogo, um inglês chamado Mister Ellis. Era um dos árbitros daquela Copa e naquele tempo juízes falavam o que bem entendiam.

O Brasil também fez das suas. Garrincha fora expulso no jogo contra o Chile, semifinal da Copa de 1962 e seria julgado pelo tribunal esportivo da FIFA. O jogo final foi contra a Tchecoslováquia. Paulo Machado de Carvalho procurou Estaban Marino, juiz da partida, deu-lhe uma gratificação e o dito cujo, uruguaio, viajou para seu país naquela mesma noite com a súmula do jogo. Não houve como punir Garrincha. Jogou a final e o Brasil ganhou o bi-campeonato. Ganharia de qualquer jeito.

O que deu na cabeça do goleiro Bruno do Flamengo num sei. É prematuro falar em crime, pelo menos até a descoberta de um corpo, ou de uma confissão, mas é difícil deixar de considerar os indícios. São muitos.

Estava de malas prontas para a Milan, seria o substituto de Dida. Deve ter pensado em votar em José Arruda Serra e isso causa diarréia mental.

Todas as vezes que citam Zico como exemplo disso e daquilo, falam em supercraque fico pensando onde enfiar o jogador nas seleções de 58, 62 e 70? Foi campeão do mundo como assistente de Luís Felipe Scolari que nem olhava para a cara dele no banco e nem em lugar nenhum. Engoliu uma decisão de Ricardo Teixeira. Chegou ao Flamengo e desestruturou tudo. Desde o técnico Andrade a uma série de decisões equivocadas.

Quando começou o futebol no Japão, começou a ser levado a sério, Saldanha dizia que qualquer um brasileiro poderia ser técnico lá era só ensinar os caras a chutar em gol e mostrar onde ficava o gol.

É claro que Zico foi um excelente jogador, mas nada além disso. Nem chega aos pés de Garrincha, Pelé, Didi, Gérson, Zizinho e outros tantos.

E se alguém disser que poderia ser um substituto para Vavá, ou para Jairzinho nas copas de 58. 62 e 70, basta lembrar o pífio desempenho que teve nas copas que jogou.

Em 1958 o técnico Vicente Feola substituiu Dino Sani por Zito, notáveis jogadores. Foi explicar a Dino o motivo da substituição. “Você é globetrotter, preciso de alguém que jogue para o gol”.

Não sei se o Brasil passa pela Holanda. O gol dos holandeses contra a Eslováquia foi um meio frango do goleiro. Robben é de fato um excelente jogador e complica jogar pela direita e puxar e chutar com a esquerda. Que nem lutador canhoto, o adversário acha que o caminhão vem de um lado e surge de outro. Só resta perguntar depois se alguém anotou a placa. Mais nada.

Mourinho anulou a figura na final da copa européia de clubes. E a zaga era formada pelo brasileiro Lúcio e o argentino Samuel, de quebra Maicon na lateral-direita.

Para variar, logo depois da “briga” GLOBO versus Dunga, a rede começou a dar destaque a tudo que Maradona falava e fazia. Num dado momento a direção percebeu que estava torcendo contra – como estão, é uma organização estrangeira que atua no Brasil –. E a FOLHA DE SÃO PAULO num anúncio da rede Pão de Açúcar deu o Brasil como eliminado. Está lá tentando explicar a fria. São mestres nesse negócio de notícias falsas. GLOBO e FOLHA DE SÃO PAULO. Só falta VEJA para completar.

Fátima Bernardes deve entrevistar Maradona ao vivo e nu, promessa dele, se a Argentina for campeã. E Miriam Leitão nem está lá para comentar as implicações econômicas que o Irã e a Venezuela provocam na Copa do Mundo, tudo por culpa de Lula e sua política externa.

Que pena. Podia fazer dupla com Bial, ou trio com ela, Bial e Lúcia Hipólito, no quarteto de Fátima Bernardes.

Bonner iria escrever um editorial iracundo para ser lido no FANTÁSTICO.

No duro mesmo batem cabeça até agora para tentar entender essa história do vice de Arruda Serra. Vão achar um novo bode expiatório, seja o Brasil campeão ou não. Dunga e sua “teimosia”.

Tudo com a tal de tecnologia.

Stora Enso mente

GilsonSampaio

A questão da terra no Brasil é recheada de bandidagem e ninguém pode alegar inocência por ignorância. Outro dia mesmo, Lula tocou no assunto da compra de terras por estrangeiros e tomara que ele moralize a legislação e a faça cumprir sua função de defesa da nossa soberania. O que existe é um arremedo permissivo e imoral sustentado por uma justiça e órgãos encarregados pela fiscalização e cumprimento da lei que brincam de “cara de paisagem” ou “estátua”. Fingem que não veem ou ficam paralisadas.

A lei permite a compra de terras fronteiriças por estrangeiros desde que associadas a brasileiros com capital próprio. Isto não é lei! É um convite para o estupro da nossa soberania, pois o que não falta é “laranja” para se associar a qualquer picareta do exterior.

O caso da finlandesa Stora Enso no Rio Grande do Sul é estarrecedor.

Protesto na Suécia contra a Stora Enso

Stora Enso alimenta as mentiras da mídia

A Stora Enso nega o inegável

30 de junho de 2010


Da Página do MST

A assessoria de imprensa da empresa finlandesa de papel e celulose Stora Enso fez uma nota para desmentir o informe Letraviva, do MST, divulgado na sexta-feira.

A nota do MST afirma que “um diretor da empresa finlandesa de papel e celulose Stora Enso admitiu que criou uma empresa no Brasil para burlar a lei, comprar ilegalmente 46 mil hectares na fronteira sul do país e implantar o monocultivo de eucalipto”.

De acordo com a nota da Stora Enso, “não houve qualquer admissão nesse sentido, pois a criação da empresa Azenglever (empresa brasileira de capital brasileiro) foi feita de forma legal e transparente. A criação da empresa foi informada aos órgãos da administração pública envolvidos e, posteriormente, teve confirmada sua legalidade pelo arquivamento, por ordem da Justiça Federal, de inquérito policial a respeito”.

Em entrevista ao jornal Correio Braziliense, o vice-presidente da Stora Enso para a América Latina, Otávio Pontes, relatou que “pelas leis brasileiras, para você poder registrar terras em zona de fronteira sem a autorização prévia do CDN [Conselho de Defesa Nacional], você precisa ter sócio brasileiro com capital brasileiro”.

Com isso, de acordo com o vice-presidente da Stora Enso, “foi feita a Azenglever para que você pudesse registrar a terra até que o processo fosse aprovado pelo CDN”.

Ou seja, a Stora Enso usou uma empresa do Brasil para legalizar terras compradas antes da autorização do Conselho de Defesa Nacional.

A Azenglever, inclusive, não tinha capital. E comprou os 46 mil hectares por meio de empréstimo da... Stora Enso.

“Ela não tinha capital… mas isso também foi aberto. A Stora Enso fez um empréstimo para essa empresa. Ela comprou e deu as terras em garantia”, admitiu Pontes.

Será que a empresa finlandesa de papel e celulose Stora Enso criou uma empresa no Brasil para burlar a lei, comprar ilegalmente 46 mil hectares na fronteira sul do país e implantar o monocultivo de eucalipto?

A Stora Enso nega o inegável. E ainda tenta se fazer de vítima.

Clique aqui e leia a entrevista do vice-presidente da Stora Enso para a América Latina, Otávio Pontes, e tire as suas conclusões

Ainda e sempre, o doutor Getulio

image

Via JB

Mauro Santayana

Rigoroso senhor de sua privacidade, Getulio Vargas só se revelou, em toda sua modéstia, em dois grandes momentos: o do exílio em sua fazenda de Itu, no Rio Grande do Sul, e ao disparar contra o coração, na manhã de 24 de agosto de 1954.

No depoimento que deixou – e não teve a repercussão merecida quando editado – sobre aqueles 20 dias de agosto, o embaixador José Sette Câmara, que trabalhava com Lourival Fontes, na Casa Civil da Presidência – durante o mandato constitucional de Getulio – revela como o presidente vivia. Naquela manhã desesperada, ao entrar no quarto amplo de Getulio, ficou espantado com a singeleza do aposento. “Impressionou-me a austeridade e quase pobreza dos móveis negros e pesados. Uma cama de casal de madeira lisa, cinco armários, uma cômoda, um espelho. Nenhuma alfaia, nenhum tapete de luxo”.

Há poucos meses, Villas-Bôas Corrêa lembrava a modéstia de sua vida na estância, longe da família, entre 45 e 50. Ao visitá-la, Villas ficou surpreso: os amplos cômodos com os poucos e indispensáveis móveis rústicos, o quarto com a cama de solteiro, desarrumada, a cadeira que servia de cabide para a roupa de todos os dias, a mesa de trabalho. Assim era o doutor Getulio.

Muito já se escreveu sobre Vargas e seu poder. Com devoção de asceta, a quem ele servia: ao povo brasileiro ou a si mesmo, à sua íntima satisfação de governar? Há na história exemplos de homens assim dedicados ao mando, e também sobre eles perdura o mistério. É este o caso dos dois grandes rivais europeus do século 17, Richelieu e o Conde-Duque de Olivares. Sobre o espanhol existe o belo estudo de Gregório Marañon, La pasión de mandar. Olivares, se concordamos com seu biógrafo, queria o poder pelo poder e suas pompas. No caso de Richelieu, ainda que, no início, tivesse havido a ambição pessoal, a partir de sua vitória sobre a rainha mãe, Maria de Médicis, em novembro de 1630, com o apoio de Luís XIII, ele exerceu o poder pensando só no Estado nacional.

A realidade indica que o momento mais alto – e definitivo – de cada ser humano é o da morte. Se a morte tudo desfaz, não desfaz a vida que houve; ao dar-lhe o ponto final, o destino revela o homem que existiu, em sua perdição ou grandeza. O governo de Vargas foi ditatorial, nos primeiros anos e durante o Estado Novo. Seus inimigos – à direita e à esquerda – nele debitam a violência da polícia política, chefiada por Filinto Müller e seus sequazes nos estados. Mas os fatos históricos – em uma década de depressão mundial e de duros confrontos ideológicos, que levariam à Segunda Guerra Mundial – parecem justificar o autoritarismo do regime do Estado Novo, que durou oito anos, menos 40 dias.

Ao disparar contra o coração, aos 71 anos – em plena vitalidade intelectual – Vargas não o fez para expiar culpas, mas, sim, e isso se torna a cada dia mais claro, para dar ao povo uma bandeira de resistência contra os inimigos que o haviam acossado naquele agosto sombrio. O poder, para Vargas, era a dedicação plena e austera ao Estado. Ele só usufruía de prazeres frugais, como os passeios curtos de automóvel, conforme seu diário.

Uma coisa nos parece certa, nestes meses de morna campanha eleitoral: faltam líderes que saibam o que é o Estado, e se disponham a entregar-se inteiramente à nação, até o ato final, como foram Getulio e, em sua própria circunstância, Tancredo Neves.

Chile, a referência de Serra

Via SinPermisso

Chile, campeón de la desigualdad

Revista Punto Final

Reproducimos a continuación el artículo editorial de la revista chilena Punto Final, a propósito de los 100 días en el gobierno de la derecha chilena.

Mientras la inmensa mayoría de los hinchas espera que Chile se clasifique entre los ocho primeros países del Campeonato Mundial de Fútbol, casi todos olvidan que ya estamos entre los más destacados en una competencia enojosa y vergonzante: la de la desigualdad. Desde hace tiempo, figuramos entre los tres o cuatro países más injustos del mundo en cuanto a la distancia que separa a los ricos de los pobres. A finales del Gobierno de Ricardo Lagos, el cinco por ciento de la población más rica obtenía ingresos 209 veces más altos que el cinco por ciento más pobre. Mientras los ingresos de este último sector subían uno por ciento, los del quintil más rico lo hacían en 62%. Esa relación se deterioró aún más en el Gobierno de la presidenta Michelle Bachelet. La desigualdad, sin embargo, parece no ser percibida por parte de la población.
El control de los sectores dominantes sobre los medios de comunicación que producen a to da hora toneladas de imágenes y contenidos, hace creer a los destinatarios del mensaje que viven en un país modelo, y que si se empeñan, podrán obtener grandes beneficios. Una ilusión que se borra cuando terremotos, inundaciones y otras catástrofes arrasan parte de nuestra geografía y se disipa el oropel de la albañilería psicológica del retail, la publicidad y la farándula, que oculta los graves problemas que agobian a la población. Cada vez se hace más real la posibilidad de cataclismos sociales, gatillados por eventos naturales o por catástrofes medioambientales originadas por el propio ser humano. Como ideología dominante, el neoliberalismo estimula el individualismo para truncar los vínculos de solidaridad social y de unidad de las organizaciones populares. Se instalan la competencia y el afán de lucro como los instrumentos que harán progresar a la sociedad, lo que provoca una enorme fragmentación social. El “emprendedor” se ha convertido en el modelo de ciudadano que se propone a los chilenos. “Triunfan los que se lo merecen”, es el mensaje subliminal. A sabiendas de que del conjunto de “emprendedores” serán muy pocos los que lleguen a la meta y que, en su inmensa mayoría, serán estrangulados por la competencia y el control del mercado por las grandes empresas.
Deslumbrados, prefieren ignorar que nadie puede hacerse millonario honradamente. Sí pueden los que utilizan información privilegiada, engañan a sus socios, evaden impuestos, aprovechan las mil martingalas tributarias y, sobre todo, explotan sin piedad a los trabajadores. Nadie podría convertirse en multimillonario en treinta años, como se ufana de haberlo hecho el presidente de la República, Sebastián Piñera. La desigualdad revienta por todos los poros de Chile. No sólo se expresa en los ingresos. Hay una salud para ricos y otra muy distinta para los pobres. Lo mismo ocurre con la educación y la prev isión social. Cada cierto tiempo estallan escándalos por la mala calidad de las viviendas. Construidas con pésimos materiales, en terrenos de baja calidad, ponen en riesgo la vida y salud de sus habitantes, como ha quedado de manifiesto en el terremoto del 27 de febrero que ha sido abordado hasta con mediaguas de calidad inferior a las que antes se proporcionaban a las familias sin techo. Hasta los alimentos que consumen los pobres son peores que los de los ricos, debido a la laxitud de los controles sanitarios y a la tolerancia de las autoridades que hacen la vista gorda ante la proliferación de la comida chatarra. Otra calamidad que afecta a los sectores modestos es el endeudamiento, estimulado por la multiplicación de las tarjetas de crédito: para ellos son los intereses más altos; sobre ellos pende la amenaza de Dicom; para ellos no existe la posibilidad de conseguir créditos bancarios. Las cifras son conocidas e innegables. Como también lo es la e scandalosa concentración de la economía chilena. Seis compañías manejan las AFP que controlan más de cien mil millones de dólares en fondos de sus afiliados. Tres cadenas controlan prácticamente todo el negocio farmacéutico e imponen precios inhumanos a las medicinas. Dos cadenas de diarios controlan la prensa escrita. Dieciséis grupos económicos producen el 80% del PIB. Cencosud y Wal Mart (D&S) manejan el 70% de las ventas de los supermercados. Una sola empresa telefónica -CTC- controla el 75% de la telefonía. Dos empresas, Endesa y Colbún, manejan el 79% de la generación eléctrica y están impulsando la construcción de mega represas en Aysén, que ponen en peligro el medio ambiente y aumentarán el poder de las eléctricas sobre el conjunto de la economía. La magnitud de las ganancias de las transnacionales mineras es casi inimaginable. ¡Entre 2006 y 2007 se apropiaron de 40.000 millones de dólares! La lucha contra la desigualdad tiene objetivos económicos y políticos. Los primeros tienen que ver con cambios sustanciales en las distribución de la riqueza a través de la mejora en la calidad de vida y en una protección social más amplia, equitativa y eficiente. Los objetivos políticos tienen como norte ampliar la democracia y asegurar que el conjunto de los ciudadanos puedan expresarse como titulares de la soberanía y actuar como titulares efectivos de sus derechos económicos, sociales y culturales. Esa lucha debe librarse ahora en un terreno nuevo, en que el neoliberalismo ha fracasado como lo demuestra la crisis económica que sacude la economía del mundo y que se expresa con rigor en Grecia, Hungría, Italia y cada vez más en España y Portugal. El neoliberalismo aparece como una ideología caduca y en extremo peligrosa para la estabilidad social. Se revitaliza hoy el papel del Estado. Un documento de la Cepal, La hora de la igualdad.
Brechas para cerrar, caminos para abrir, que acaba de aparecer, es categórico. Advierte: “El documento es claro en sus propuestas. En él se resalta la necesidad de un fuerte papel del Estado y la importancia de la política en un marco de revitalización y recreación de la democracia en tiempos de globalización”. Y agrega: “El Estado es así el principal actor en la conciliación de políticas de estabilidad y crecimiento económico, de desarrollo productivo con convergencia y armonización territorial, promoción del empleo de calidad y mayor igualdad social”. Postula, además, que “la igualdad social y un dinamismo económico que transforme las estructuras productivas, no están reñidos entre sí”. No es fácil ni breve el camino a recorrer para alcanzar la igualdad en Chile. Tiene como primer obstáculo el actual Gobierno derechista, que sigue apegado a las tesis más brutales del neoliberalismo. Sus propuestas principales van dirigidas a favorecer a los más ricos , como ha quedado de manifiesto en el debate sobre el proyecto de reconstrucción en que las alzas de impuestos al empresariado y a las transnacionales están hábilmente presentadas para levantar gravámenes y devolver, acrecentados, los recursos que se recauden ahora en los años venideros, garantizándose la prolongación de la invariabilidad tributaria. Se impone una política de firme oposición a la derecha. Que denuncie sus planes regresivos y apoye y estimule la movilización de los trabajadores y sectores populares. Debe ser también pronente: una profunda reforma tributaria es una necesidad urgente, así como el establecimiento de un sistema de royalty minero efectivo que resguarde los intereses nacionales. Deben reclamarse medidas democratizadoras y descentralizadoras y una reforma en los sistemas de educación y salud que terminen con el lucro y aseguren prestaciones de calidad para todos, especialmente para los sectores vulnerables. Eso implica firmeza frente a la demagogia de la derecha y búsqueda de amplios entendimientos sociales y políticos que permitan avanzar hacia una mayor equidad y hacia la solución de las más apremiantes demandas populares.
El motor necesario que puede dinamizar esas luchas y alcanzar importantes conquistas es el reagrupamiento de la Izquierda. Cada día se hace más notoria la falta de un núcleo orientador y formador de opinión pública que plantee un camino de desarrollo económico y social de proyección socialista, capaz de enfrentarse al imperio de la desigualdad. Chile puede llegar a ser un campeón de la igualdad de derechos y de felicidad para sus hijos. Pero hacen falta decisión y voluntad para emprender el camino. Los precursores deben ser hombres y mujeres inspirados en las ideas de izquierda. Es un deber honroso reconstruir la identidad de una alternativa de alcance socialista que convoque a millones de chilenos. Una tarea necesaria para derrotar la desigualdad e imponer la justicia.

Tucanos corruptos afagam a justiça com dinheiro alheio

GilsonSampaio

Os dois senadores tucanos citados na matéria têm sérios problemas com a justiça. Eduardo pano de chão Azeredo é um dos seres mais vis que existe na política. Promotor original do mensalão, de projeto de censura à internet, embarreirador de nomeações de embaixadores, sabujo de primeira ordem dos cardeais tucanos. Marconi Perillo também não deixa por menos.

Os dois são acusados e respondem por grossa corrupção e querem agradar a justiça com o meu, o nosso e o seu dinheiro.

Via Observatório da Imprensa

image

Previdência Social

A bomba fiscal na imprensa

Luciano Martins Costa

Manchete no Estado de S.Paulo denuncia que um artifício criado por dois senadores – Eduardo Azeredo e Marconi Perillo, do PSDB – pode ressuscitar a aposentadoria integral para juízes, procuradores e defensores públicos. Uma intervenção do senador Romeu Tuma, do PTB, estende o privilégio aos delegados de todas as polícias.

A manobra, segundo o jornal, é uma verdadeira bomba fiscal que, se aprovada, pode desfazer uma das principais conquistas da reforma previdenciária aprovada em 2003. Além do risco de multiplicar as despesas públicas, a medida seria um obstáculo ao processo de unificação das previdências.

Como se sabe, há mais de uma década, desde o governo Fernando Henrique Cardoso, está em curso uma série de mudanças nas regras previdenciárias, para reduzir ou eliminar privilégios que ao longo dos tempos cavaram uma abissal diferença entre os aposentados do INSS e os do serviço público. A questão causou polêmicas desde seu início, em 1998, e provocou um movimento de aposentadorias antecipadas, principalmente nas universidades públicas.

Curto prazo

A atual medida foi apresentada como Proposta de Emenda Constitucional, o que significa que, se for aprovada no Congresso, não poderá ser vetada pelo presidente da República. O Estadão lembra que os senadores que patrocinam o retrocesso estiveram entre os principais defensores da reforma da previdência em 1998, mas não questiona a motivação dos parlamentares ao propor a mudança que pode quebrar o sistema.

Talvez se possa especular que os dois parlamentares consideram perdida a eleição presidencial e, na perspectiva de um longo período longe do poder, alimentem o projeto de criar um fator de instabilidade contra seus desafetos na política.

Não teria sido a primeira vez que um grupo político atuaria contra os interesses nacionais para defender seus objetivos de curto prazo. Também aconteceu durante o governo Fernando Henrique, quando militantes petistas tentaram obstruir medidas que acabaram contribuindo para equilibrar as contas públicas e melhorar as bases econômicas do país.

A questão que resta é saber se a imprensa vai tratar os dois episódios de maneira igualitária.

Sonhos

Via Outros Cadernos de Saramago

José Saramago

As pessoas não escolhem os sonhos que têm, São, pois, os sonhos que escolhem as pessoas, Nunca o ouvi dizer a ninguém, mas assim deve ser.

In O Evangelho Segundo Jesus Cristo, Ed. Caminho, 29.ª ed., p. 143

Paul Krugman: quem vai pagar a conta da terceira depressão?

Via Vermelho

Em artigo reproduzido nesta terça (29) pelo jornal O Estado de São Paul, o economista estadunidense Paul Krugman manifesta o receio de que o mundo já ingressou “nos estágios iniciais de uma terceira depressão” em função do arrocho fiscal que a Europa, agora com apoio do G20, está adotando em resposta à crise.

Krugman lembra a Grande Depressão, que veio no rastro do crahs da Bolsa de Nova York em 1929, para enfatizar que o triunfo das teses conservadoras terá um preço alto e quem vai pagar o pato são “dezenas de milhões de trabalhadores desempregados, muitos deles sujeitos a ficar sem emprego por anos e outros que nunca mais voltarão a trabalhar”.


A terceira depressão
Recessões são comuns; depressões são raras. Pelo que sei, houve apenas duas eras na história econômica qualificadas como “depressões” na ocasião: os anos de deflação e instabilidade que acompanharam o Pânico de 1873, e os anos de desemprego em massa, após a crise financeira de 1929-31.
Nem a Longa Depressão do século 19, nem a Grande Depressão, no século 20, registraram um declínio contínuo. Pelo contrário, ambas tiveram períodos em que a economia cresceu. Mas esses períodos de melhora jamais foram suficientes para desfazer os danos provocados pela depressão inicial e foram seguidos de recaídas.
Receio que estamos nos estágios iniciais de uma terceira depressão. Que provavelmente vai se assemelhar mais à Longa Depressão do que a uma Grande Depressão mais severa. Mas o custo – para a economia mundial e, sobretudo, para os milhões de pessoas arruinadas pela falta de emprego – será imenso.
E esta terceira depressão tem a ver, principalmente, com o fracasso político. Em todo o mundo – e, mais recentemente, no profundamente desanimador encontro do G-20, no fim de semana -, os governos se mostram obcecados com a inflação quando a verdadeira ameaça é a deflação, e insistem na necessidade de apertar o cinto, quando o problema de fato são os gastos inadequados.
Em 2008 e 2009, parecia que tínhamos aprendido com a história. Ao contrário dos seus predecessores, que elevavam as taxas de juros para enfrentar uma crise financeira, os atuais líderes do Federal Reserve e do BCE (Banco Central Europeu) cortaram os juros e partiram em apoio aos mercados de crédito. Ao contrário dos governos do passado, que tentaram equilibrar os orçamentos para fazer frente a uma economia em forte declínio, os governos hoje deixam os déficits aumentarem. E melhores políticas ajudaram o mundo a evitar o colapso total: podemos dizer que a recessão provocada pela crise financeira acabou no verão (no hemisfério norte) passado.
Mas os futuros historiadores irão nos dizer que esse não foi o fim da terceira depressão, da mesma maneira que a retomada econômica em 1933 não foi o fim da Grande Depressão. Afinal, o desemprego – especialmente o desemprego a longo prazo – continua em níveis que seriam considerados catastróficos há alguns anos e não dão sinal de queda. E tanto Estados Unidos como Europa estão próximos de cair na mesma armadilha deflacionária que atingiu o Japão.
Diante desse quadro sombrio, você poderia esperar que os legisladores tivessem entendido que não fizeram o suficiente para promover a recuperação. Mas não. Nos últimos meses observamos o ressurgimento da ortodoxia do equilíbrio orçamentário e da moeda forte.
O ressurgimento dessas teses antiquadas é mais evidente na Europa, onde as autoridades parecem estar usando os discursos de Herbert Hoover para fundamentar sua retórica, incluindo a afirmação de que elevar impostos e cortar gastos vai expandir a economia, melhorando a confiança nos negócios. Mas, em termos práticos, os EUA não estão agindo muito melhor. O Fed parece consciente dos riscos de uma deflação – mas o que propõe fazer com relação a esses riscos é, bem, nada.
O governo Obama entende os perigos de uma austeridade fiscal prematura – mas como os republicanos e democratas conservadores do Congresso não aprovam uma ajuda adicional aos governos estaduais, essa austeridade se impõe de qualquer maneira, com os cortes no orçamento estaduais e municipais.
Por que essa virada equivocada da política? Os radicais com frequência referem-se às dificuldades da Grécia e outros países na periferia da Europa para justificar seus atos. E é verdade que os investidores atacaram os governos com déficits incontroláveis. Mas não há nenhuma evidência de que uma austeridade a curto prazo, face a uma economia deprimida, vai tranquilizar os investidores. Pelo contrário: a Grécia concordou com a adoção de um plano severo de austeridade, mas viu seus riscos se ampliarem ainda mais; a Irlanda estabeleceu cortes brutais dos gastos públicos e foi tratada pelos mercados como um país com risco maior do que a Espanha, que até agora reluta em adotar medidas drásticas propugnadas pelos radicais.
É como se os mercados financeiros entendessem o que os legisladores aparentemente não compreendem: que, embora a responsabilidade fiscal a longo prazo seja importante, cortar gastos no meio de uma depressão vai aprofundar essa depressão e abrir caminho para a deflação, o que é contraproducente.
Portanto, não acho que as coisas tenham a ver de fato com a Grécia, ou com qualquer apreciação realista sobre o que priorizar, déficits ou empregos. Em vez disso, trata-se da vitória de teses conservadoras que não se baseiam numa análise racional e cujo principal dogma é que, nos tempos difíceis, é preciso impor o sofrimento para outras pessoas pra mostrar liderança.
E quem irá pagar o preço pelo triunfo dessas teses conservadoras? A resposta é: dezenas de milhões de trabalhadores desempregados, muitos deles sujeitos a ficar sem emprego por anos e outros que nunca mais voltarão a trabalhar.

terça-feira, 29 de junho de 2010

"We are not bobos"

Via Observatório da Imprensa

Washington Araújo

               Representando o PIG

image

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Pouco mais de 90 dias nos separam do momento de digitar na urna os nomes de nossos candidatos. Até o momento a cobertura da campanha é composta por repetidas arrancadas e bruscas freadas. A repetição fica por conta da forma como a grande imprensa retrata a candidata Dilma Rousseff: poste, sem luz própria, inexperiente, novata em campanhas, sem carisma, marionete sem corda, caminhão sem caçamba, paraquedista no mundo da política, caronista, viajante de garupa e por aí vai. Não é raro conferir que o ataque de seu principal adversário reverbere, com insistência, nas colunas de analistas políticos. O inverso é também verdade: raciocínio de jornalista exposto em texto escrito é logo encampado por adversários ansiosos por apresentar "marcas" discursivas.

As bruscas freadas são representadas pelo interesse da grande imprensa em minimizar os revezes por que passa a candidatura José Serra. Numa semana realimenta a especulação sobre Aécio Neves como vice em sua chapa, noutra minimiza escolher agora ou não o nome do vice. Fato é que nas últimas horas o petebista Roberto Jefferson foi escolhido para anunciar, de forma atabalhoada como sempre, a escolha do senador Álvaro Dias para compor a chapa demotucana.

Articulações nos estados que não dão certo para a situação recebem imerecido destaque e é tema recorrente nas colunas que se espraiam nos jornais e nos blogues ligados aos grandes jornais. O contrário não é verdade, é assinalado protocolarmente. Nessas situações acende-se sempre a luz ao fim do túnel por meio de "notícias compensatórias", aquelas notícias publicadas para manter inalterada a imagem positiva de quem reputamos ser o que de melhor o país possui.

Pesquisas estranhas

À exceção de CartaCapital, veículos de mídia impressa com maior tiragem no país parecem disputar campeonato para ver quem lança maior número de cascas de banana no caminho da primeira mulher com chance real de ser presidente do Brasil. E é exceção porque a revista de Mino Carta declara de forma clara, transparente, quem apóia na corrida pelo Planalto.

Uma imprensa tão dada a se espelhar no modelo de jornalismo americano bem que poderia, já com bastante atraso, passar a seguir um de seus princípios basilares: declarar-se neutro (embora saibamos ser isso mais retórica que prática) ou então, assumir abertamente suas preferências.

Para seguir as regras do campeonato há que se criar fatos e, então, conceda-se a estes ares de normalidade. Não faz muito e observamos que, visando desmerecer o passado de Dilma Rousseff em sua luta contra a ditadura militar que abocanhou o Brasil em 1964, fichas foram publicadas pela Folha de S.Paulo. Fichas aparentando a legitimidade de nota de 3 reais. E não ficou nisso. O jornal disseminou a infeliz idéia de que a "nossa" ditadura militar, afinal, não foi tão cruel assim. E chamou-a de "ditabranda".

No roteiro tivemos ainda que aturar o alarido desmedido sobre a existência ou não de encontro da então ministra-chefe da Casa Civil da Presidência da República com a então mandachuva da Receita Federal. Espuma demais, leite de menos. Capítulo especial deve ser dedicado à realização e à divulgação de pesquisas eleitorais. Algumas soam, no mínimo, estranhas. São divulgadas com raro senso de oportunidade e apenas servem como escada para realçar um dentre os vários concorrentes à Presidência da República.

Ideias prontas

Observando que a carga de adjetivos pouco lisonjeiros (como os acima mencionados) mostravam-se insuficientes para deter sua pontuação em pesquisas de opinião pública, a revista Veja "partiu pra cima" e pespegou-lhe novo dossiê com direito a questionar a idoneidade moral dos que trabalham em seu comitê de campanha.

A situação parece absolutamente fora de controle e surge de corpo inteiro na coluna do jornalista Fernando de Barros e Silva, da Folha de S.Paulo (14/06/2010), em que comparou o discurso de Lula sobre a sua candidata Dilma como "cena de sexo explícito" e "filme pornô". E acrescentou: "Dilma apenas sorria, empetecada". Desde o famigerado artigo de César Benjamim sobre o "menino" do MEP, o mau gosto, o machismo e a cafajestagem parecem estar tomando conta da Folha de S.Paulo.

Como poderíamos ficar indiferentes a análises desta natureza?

Tudo isso ocorre em meio à recorrente autolouvação da grande imprensa reafirmando inúmeras vezes que praticam nada menos que "jornalismo imparcial, isento, apartidário, equânime". Mas, como diria o cacique dos ticunas: "We are not bobos". No mais, o que temos mesmo é apenas mais daquele velho festival de ideias prontas e com prazo de validade há muito vencido.

"British Petroleum" no Golfo, O Golfo Pérsico

Sanguessugado do redecastorphoto

Como a (mesma) BP também envenenou a democracia no Irã

29/6/2010, Stephen Kinzer, Tom Dispatch – Traduzido por Caia Fittipaldi

Americanos frustrados que começaram agora a boicotar a British Petroleum: Bem-vindos ao clube. É ótimo deixar de ser boicotador solitário!

O boicote tem realmente alguma serventia? Provavelmente, não. Afinal, muitos dos postos de gasolina da BP são propriedade de terceiros, não da própria corporação. Além do que, ao abastecer o carro num posto da Shell ou da ExxonMobil, ninguém, de fato, experimenta alguma sensação moral de triunfo. Mesmo assim, faço questão de jamais abastecer em postos da BP, e, isso, desde muito antes do vazamento no Golfo do México.

Minha decisão de não entregar meu dinheiro àquela empresa foi tomada quando eu soube do papel que tivera em outro tipo de “envenenamento”, de tipo completamente diferente – a destruição da democracia iraniana, há mais de meio século.

A história da empresa que hoje conhecemos como British Petroleum acompanha, ao longo dos últimos cem anos, o arco do capitalismo transnacional. Começa nos primeiros anos do século 20, quando um aventureiro rico e bon vivant chamado William Knox D'Arcy decidiu, encorajado pelo governo britânico, começar a procurar petróleo no Irã. Conseguiu um acordo de concessão, dado a ele pela dissoluta monarquia iraniana, usando o sempre eficaz expediente de subornar os três funcionários iranianos com os quais negociava.

Sob a garantia desse contrato, que ele mesmo redigiu, D'Arcy tornar-se-ia proprietário de todo o petróleo que encontrasse no Irã, mediante pagamento ao governo de apenas 16% dos lucros – e sem jamais permitir que os iranianos examinassem sua contabilidade. Depois do primeiro poço do qual o petróleo jorrou, em 1908, tornou-se único proprietário do oceano de petróleo sob o qual navega o território iraniano. Ninguém mais podia pesquisar, perfurar, refinar, extrair ou vender o petróleo “iraniano”.

“Quis a fortuna premiar-nos com riquezas além de nossa mais feérica imaginação”, escreveu Winston Churchill, que mais tarde seria o First Lord do Almirantado em 1911. “O controle, premiando a audácia.”

Pouco depois, o governo britânico comprou a concessão de D'Arcy, criando uma empresa chamada Anglo-Persian Oil Company. Essa empresa construiu a maior refinaria do mundo no porto de Abadan no Golfo Persa. Entre os anos 1920s e 1940s, o alto padrão de vida dos britânicos foi sustentado pelo petróleo do Irã. Carros, caminhões e ônibus eram abastecidos por petróleo (iraniano) barato. Fábricas em toda a Grã-Bretanha eram movidas a petróleo (iraniano). A Marinha Britânica, que levou o poder britânico a todos os cantos do mundo, abastecia seus navios com petróleo iraniano.

Depois da II Guerra Mundial, os ventos do nacionalismo e do anticolonialismo sopraram por todo o mundo em desenvolvimento. Arrastado por essas paixões, o Parlamento iraniano, dia 28/4/1951, elegeu, para o posto de primeiro-ministro, seu mais apaixonado campeão e empenhado defensor da nacionalização do petróleo, Mohammad Mossadegh. Dias depois, em sessão histórica, o mesmo Parlamento aprovou, por unanimidade, a lei que nacionalizou a Anglo-Persian Oil Company. Mossadegh prometeu que, daquele dia em diante, os lucros auferidos do petróleo seriam usados para desenvolver o Irã, não para enriquecer a Grã-Bretanha.

Aquela empresa de petróleo era a mais lucrativa empresa britânica do planeta. Para os britânicos, a nacionalização soou, no primeiro momento, como uma espécie de gigantesca piada, tão absurdamente contrária às regras não escritas que regiam o universo, que, simplesmente, não podia ser verdade. No primeiro momento, os diretores da Anglo-Iranian Oil Company e seus parceiros no governo britânico decidiram a estratégia: nenhum mediador, nenhuma concessão, não aceitar a nacionalização, como se não tivesse acontecido.

Os britânicos tomaram vários passos com vistas a obrigar Mossadegh a desviar-se de sua trilha nacionalista. Retiraram todos os técnicos da refinaria de Abadan, bloquearam o porto, cortaram todas as exportações para o Irã, de artigos essenciais à sobrevivência e tentaram arrancar resoluções anti-Irã na ONU e no Tribunal Internacional. A violência da campanha só conseguiu intensificar a determinação da resistência iraniana. Por fim, os britânicos recorreram diretamente a Washington e pediram um favor: que os norte-americanos derrubassem o governo daquele maluco, para que os britânicos pudessem recuperar sua empresa de petróleo.

O presidente Dwight D. Eisenhower dos EUA, encorajado pelo secretário de Estado John Foster Dulles, representante vitalício do poder das corporações transnacionais, acolheu o pedido dos britânicos e mandou a CIA ao Irã, para depor Mossadegh. A operação durou menos de um mês, no verão de 1953. Foi a primeira vez que a CIA derrubou governo eleito, no mundo.

À primeira vista, pareceu ter sido operação excepcionalmente bem-sucedida: o Ocidente depusera líder político que não lhe interessava manter, e o substituíra por um perfeito governo fantoche – Mohammad Reza Shah Pahlavi. A empresa inglesa de petróleo voltou a reinar soberana.

Considerada porém de uma perspectiva histórica, é visível, hoje, que a Operação Ajax, como foi chamada, teve efeitos devastadores. Derrubou o governo de Mossadegh, sentou o Xá no “Trono do Pavão” e, também, matou a democracia que começava a brotar, no Irã. Depois, foram os desmandos do Xá e a repressão brutal a qualquer oposição, que levaram à eclosão, no final dos anos 1970s, da revolução que entronizou no poder o Aiatolá Khomeini – e seu regime amargamente anti-ocidente que lá está, até hoje.

A empresa de petróleo foi rebatizada “British Petroleum”, depois “BP Amoco” e afinal, em 2000, “BP”. Durante décadas, no Irã, tem operado como bem entende, praticamente sem qualquer atenção às condições da população local. Essa é a única tradição corporativa da BP que jamais foi alterada, ou fraquejou.

Hoje, os norte-americanos supreendem-se com as imagens assustadoras do petróleo que não para de vazar do poço Horizonte de Águas Profundas, nas águas do Golfo do México. Os que conhecem a ação da mesma empresa no Irã e conhecem a história iraniana surpreenderam-se menos.

O artigo original, em inglês, pode ser lido em: BP in the Gulf -- The Persian Gulf

FHC tenta salvar Serra

image

GilsonSampaio

Agora, vai!

Farol de Alexandria, o proscrito, exilado, banido, proibido, degredado, proibido, censurado, interdito e escondido, chegou direto de Paris, convocado pelos DEMOs para curar as feridas, melhor dizendo, limpar a merdança que seu pupilo José Serra anda espalhando sem economia e distinção entre seus aliados.

O lugar comum “ ironia do destino” é insubstituível para descrever a situação.

O ex-presidente que deixou o cargo com alto índice de rejeição e que foi defenestrado da campanha de Serra, agora é chamado às pressas para tentar salvar o que resta da candidatura do competentíssimo(sic) e experientíssimo(sic) administrador(sic) Serra.

Tomando São Paulo e a pré-campanha como referência é assustador imaginar Serra como presidente.

O dilema de Serra é terrível, está entre o seu “ôco como uma bolha de sabão” e a descomunal âncora que é o Farol de Alexandria.

Venezuela envia ajuda ao nordeste

Via Vermelho

Venezuela doa 12 toneladas de mantimentos a vítimas das chuvas

A primeira ajuda internacional aos atingidos pelas chuvas em Pernambuco e Alagoas chegou neste domingo (27), da Venezuela. Em decorrência das fortes chuvas que atingiram o Nordeste, morreram 51 pessoas - 34 em Alagoas e 17 em Pernambuco. Os dois Estados têm juntos cerca de 160 mil desabrigados e desalojados.

Um C-130 das Forças Armadas Venezuelana aterrissou na Base Aérea do Recife com quase 12 toneladas de donativos - 100 colchonetes, 100 mantas, 1,5 tonelada de roupas, 250 quilos de fraldas descartáveis, 200 quilos de papel higiênico, quatro mil litros de água mineral, uma tonelada de arroz, meia tonelada de macarrão, 900 quilos de atum, duas toneladas de sardinha, meia tonelada de leite em pó e 700 quilos de geleia infantil.
Metade foi desembarcada, à tarde, no Recife. Vistoriada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária, foi levada para a central de distribuição da "Operação Reconstrução", na Ceasa. Nesta segunda-feira, as doações serão entregues em Água Preta, na zona da mata. A outra metade da carga enviada pela Venezuela foi desembarcada em Maceió.
Em nota, o embaixador da Venezuela no Brasil, Maximillien Arvelaiz Sanchés, afirmou que “o país costuma ajudar outras nações em casos de tragédias como a que se abateu sobre Pernambuco há cerca de dez dias”. “Temos uma forte ligação histórica com o estado de Pernambuco e esta é uma forma de reforçar ainda mais a unidade entre os povos latino-americanos”, disse.
No total, Pernambuco recebeu até agora 128 toneladas de roupas, 10,9 mil colchões, 8,2 mil toalhas, 10,1 mil cobertores, 8,3 mil lençóis, 7,99 mil travesseiros, 3,3 mil fronhas, 3,8 mil mosquiteiros, 19,4 mil cestas básicas, 171,5 toneladas de água e 178,5 mil toneladas de alimentos diversos.
Equipes de profissionais começaram a ser enviadas no sábado, pelo governo de Pernambuco, aos municípios atingidos pelas chuvas no Estado, com a missão de manter a limpeza dos abrigos para evitar proliferação de doenças, organizar a distribuição de alimentos e donativos e cadastrar as famílias desabrigadas.
"É importante a ordem e a higiene nos abrigos e também a esperança de futuro dos desabrigados", afirmou o secretário executivo de Desenvolvimento Social, Acácio Carvalho. A maioria dos abrigos é improvisada, tanto em Pernambuco como em Alagoas, e alojam grande número de pessoas em pequeno espaço, sem higiene e muitos ainda sem água.
As equipes também vão ajudar na catalogação dos equipamentos públicos e dos que perderam ou tiveram suas moradias danificadas para receberem benefícios.

Xuxa e o Minixtro da Xaúde

GilsonSampaio

Vale a pena ver de novo.

Os tempos eram outros.

Rede grobo, Xuxa e Serra se merecem igualmente.

Serra é, no mínimo, chauvinista. Depois de ver Xuxa detonando o Ministro da Saúde de FHC, José Serra, veja o que ele diz sobre aborto em “Serra não entende nada de mulher” no Cappacete.



Dilma no Roda Morta encaçapa PIGolpistas

GilsonSampaio

Vi somente um pequeno trecho da entrevista na Roda Morta e notei um progresso significativo no desembaraço de Dilma nas respostas. Me preocupava com os “achos” e as reticências que poderiam sinalizar insegurança e incertezas, predicados fatais nos debates das tv’s. Do pouco que vi, as resposta foram dadas, todas, de bate-pronto, sem titubear, nem vacilar. Ponto pra Dilma.

Para mehorar um pouco mais, seria bom desarrumar um pouco o cabelo e apagar aquela tocha flamejante que ela é obrigada a carregar sobre a cabeça e que me lembra muito de desenhos animados. Tá faltando um pouco de informalidade.

O Roda Morta já foi mais democrático, hoje é um covil tucano. Nem unzinho jornalista “esquerdista, maldito, comedor de criancinha, petralha sustentado pela campanha dilmista” presente na bancada de entrevistadores, todos eram do PIGolpista.

 

Via  Vermelho

Roda Viva: Dilma mostra firmeza e desmonta "lenda" da oposição

A candidata petista à Presidência da República, Dilma Rousseff, esteve nesta segunda-feira (28) no estúdio da TV Cultura, em São Paulo, onde gravou sua entrevista ao programa Roda Viva. A ex-ministra chegou à sede pouco depois das 18h. Dilma é a terceira candidata presidencial a participar do programa. Os candidatos José Serra (PSDB) e Marina Silva (PV) também já foram sabatinados pelo pool de jornalistas convidados pelo programa.

Mediado pelo jornalista Heródoto Barbeiro, o Roda Viva desta segunda teve como entrevistadores os jornalistas Germano Oliveira (Chefe de redação da sucursal do jornal O Globo, em São Paulo), Luiz Fernando Rila (editor-executivo e coordenador da cobertura eleitoral do Grupo Estado), Sérgio Dávila (editor-executivo do jornal Folha de S. Paulo) e Vera Brandimarte (diretora de redação do jornal Valor Econômico).
Mesmo sendo encostada na parede muitas vezes com perguntas incisivas, a candidata petista não deixou perguntas no ar e mostrou firmeza nas respostas e conhecimento dos assuntos abordados. Com isso, desmontou uma "lenda" criada pelos oposicionistas de que ela não estaria preparada para participar de sabatinas como a do Roda Viva e que estaria "fugindo" do debate.
A ex-ministra aproveitou a rodada de perguntas para falar sobre a atribuição de que não teria competência para para ser presidente: “Concordo que não tenho experiência eleitoral, mas até acho positivo. Tenho aprendido muito em termos de retorno da população. Entendo que muitos queiram dizer que eu sou um poste, mas isso não me transforma num poste”, disse Dilma.
Entre outros temas, a candidata defendeu as reformas tributária e política, negou que sua campanha estivesse por trás de qualquer "dossiê" contra adversários e disse ser a favor da união civil entre homossexuais.
Leia os principais trechos da entrevista da ex-ministra:


À sombra de Lula
- O presidente sempre será uma das pessoas mais importantes desse processo. [...] Vou querer muito que o presidente me aconselhe, até porque tenho uma relação forte com ele. Lula jamais seria capaz de ter um tipo de interferência [em um possível governo Dilma. [...] Vou querer que o presidente me ajude a aprovar reformas importantes e que ele participe do conselho, mas terei certeza de que ele participará como ex-presidente.


Dossiê
"Se há dossiê, porque até agora eu não vi papel nenhum, se foi feito, não foi pela minha campanha. [...] Até hoje não vi nenhum papel sobre isso. [...] Lanzetta era uma empresa contratada para fornecer pessoal. A gente indicava e ele fornecida uma análise de mídia. Não somos responsáveis pelo o que uma empresa terceirizada [faz]. Nós não somos os únicos clientes [da empresa]. [...] Não podemos aceitar acusações sem provas. Quem acusa é que prova. [...] É importante que o jornal (Folha) mostre os documentos ao público. Enquanto não mostrar as provas, é uma acusação infundada. Não podemos aceitar acusações sem provas".


Aborto
"Sempre digo uma coisa: não acredito que tem uma mulher que seja a favor do aborto. Não acho que as mulheres fazem aborto porque são a favor. [...] O que eu acho é que mulheres têm o direito de fazer [o aborto] na rede pública porque não se pode deixar, e tem de deixar acessível. Mulheres ricas vão à clínica, as pobres usam a agulha de tricô. Eu protesto que alguém seja a favor do aborto".


Homossexuais
"Sou a favor da união civil [entre pessoas do mesmo sexo]. A questão do casamento é uma questão religiosa. Eu como indivíduo me posicionaria sobre a religião. Agora, os direitos civis básicos, como aposentadoria, têm de ser reconhecidos de forma civil".


“Poste”
"Experiência administrativa eu tenho bastante. Presidi o conselho da Petrobras, fui secretária da Fazenda e sempre fui dessa área de energia. [...] Agora, concordo contigo. Eu não tenho experiência eleitoral. Mas fico pensando se isso não é uma vantagem em um quadro em que há tanto desgaste no quadro político. Eu lamento. Nesse período de pré candidatura, tenho tido um contato grande com a população e tenho aprendido muito em termos de retorno. [...] Eu entendo que muitos queiram dizer que eu sou um poste, mas isso não me torna um poste".


Impostos
"[Sou a favor de] diminuir [a carga tributária] sobre investimento, empresas que têm folhas de salários maiores, fazer uma tributação mais proporcional. Sou a favor de uma avaliação e redução na área de energia elétrica".


Oposição
"Acredito que eleição a gente deixa claro as nossas diferenças e faz as disputas. Mas ninguém governa se não for pra todos. [...] E se a oposição não for raivosa, [...] dá para governar com todos os partidos. Mas é obrigatório governar com os outros partidos nos governos e prefeituras".


Dívida pública
“Dizem que a nossa dívida é muito alta. Isso não é verdade”, afirma Dilma, sobre o nível de endividamento do País. Sobre a alta taxa de juros, a candidata diz que “os outros países tão com taxa próxima de zero porque precisavam disso por razões cíclicas. Eles estão fazendo isso porque estão numa situação extremamente complicada. Caminhamos para uma redução célere da taxa”.


Reforma política
"Sou a favor de uma reforma política. Acho que o Brasil precisa de uma reforma política em que haja financiamento público de campanha e voto em lista".

A guerra de Obama

Via Resistir

Atilio Boron

Cartoon de Latuff.












Amitai Eztioni é um dos sociólogos mais influentes do mundo. Nascido na Alemanha e emigrado em Israel nos anos fundamentais desse estado, radicou-se depois nos Estados Unidos onde iniciou um longa carreira académica que o levou a algumas das mais prestigiosas universidades desse país: Berkeley, Columbia, Harvard, até culminar, nos últimos anos em Washington, DC, como Professor de Relações Internacionais da George Washington University. Mas as suas actividades não se limitaram aos claustros universitários: foi um consultor permanente de diversos presidentes norte-americanos, especialmente de James Carter e Bill Clinton. E desde o 11/Set, com o auge do belicismo, sua voz ressoou com força crescente no establishment norte-americano. Há poucos dias ofereceu um novo exemplo disso.
Apologista incondicional do Estado de Israel, acaba de publicar na Military Review, uma revista especializada das forças armadas dos Estados Unidos, um artigo que põe em evidência o "clima de opinião" que prevalece na direita norte-americana, o complexo militar-industrial e nos sectores mais cimeiros da administração, muito especialmente no Pentágono. O título do seu artigo diz tudo: "Um Irão com armas nucleares pode ser dissuadido?" A resposta, convém esclarecer, é negativa. Esta publicação não podia chegar num momento mais oportuno para os belicistas estado-unidenses, quando reiteradas informações – silenciada pela imprensa que se diz "livre" ou "independente" – falam do deslocamento de navios de guerra estado-unidenses e israelenses através do Canal de Suez em direcção ao Irão, o que faz temer a iminência de uma guerra. Em várias das suas últimas "Reflexões" o comandante Fidel Castro havia advertido, com a sua habitual lucidez, acerca das ominosas implicações da escalada desencadeada por Washington contra os iranianos, cuja pauta não difere senão em aspectos anedóticos da utilizada para justificar a agressão ao Iraque: assédio diplomático, denúncias perante a ONU, sanções cada vez mais rigorosas do Conselho de Segurança, "incumprimento" de Teerão e o inevitável desenlace militar.
As sombrias previsões do comandante parecem optimistas em comparação com o que coloca este tenebroso ideólogo dos falcões norte-americanos. Numa entrevista concedida quarta-feira passada a Natasha Mozgovaya, correspondente do jornal israelense Haaretz nos Estados Unidos, Etzioni ratifica o afirmado na Military Review, a saber: o Irão pretende construir um arsenal nuclear e isso é inaceitável. A única opção é um ataque militar exemplar e é preferível desencadeá-lo um mês antes e não dez dias depois de o satanizado Irão dispor da bomba atómica. No seu artigo o professor da GWU insiste em assinalar que qualquer outra alternativa deve ser descartada: a diplomacia fracassou; as sanções da ONU carecem de eficácia; bombardear as instalações nucleares não mudaria muito as coisas porque, segundo declarações do secretário da Defesa Robert Gates, a única coisa que se conseguiria seria atrasar o avanço do projecto atómico iraniano por três anos; e, finalmente, a dissuasão não funciona com "actores não racionais" como o actual governo do Irão, dominado pelo irracionalismo fundamentalista que contrasta com o comedimento e racionalidade de governantes israelenses que assassinam activistas humanitários em pleno Mediterrâneo. Em consequência, a única coisa realmente eficaz é destruir a insfraestrutura do Irão para impossibilitar a continuação do seu programa nuclear.
Esse ataque, acrescenta, "poderia ser interpretado por Teerão como uma declaração de guerra total", mas como as tentativas de diálogo ensaiadas por Obama fracassaram é urgente e imprescindível adoptar medidas drásticas se os Estados Unidos não quiserem perder o seu predomínio no Médio Oriente em favor do Irão. Pelas suas grandes reservas petrolíferas – superadas apenas pela Arábia Saudita e o Canadá [NT] , e muito superiores às do Iraque, Kuwait e dos Emirados – o Irão excita a ânsia de rapina do imperialismo norte-americano, que com 3 por cento da população mundial consome 25 por cento da produção mundial de petróleo. Além disso, não se pode esquecer que a guerra é o principal negócio do complexo militar-industrial, de modo que para sustentar os seus lucros há que utilizar e destruir aviões, foguetes, helicópteros, etc. Assim, o par diabólico formado pela "guerra preventiva" a "guerra infinita" continua seu curso inalterável, agora sob a presidência de um Prémio Nobel da Paz cujo servilismo diante deste escuros interesses juntamente com a sua falta de coragem para honrar esse prémio coloca a humanidade à beira do abismo.

26/Junho/2010

[NT] As reservas do Canadá não deveriam ser comparadas às da Arábia Saudita pois são em grande parte constituídas por xistos betuminosos. A transformação do mesmo em petróleo está no limiar do rácio EROEI (Energy Returned On Energy Inputed).
[*] Director do Programa Latino-americano de Educação a Distância em Ciências Sociais (PLED), Buenos Aires, Argentina, http://www.atilioboron.com
O original encontra-se em http://alainet.org

Este artigo encontra-se em http://resistir.info/ .

A torre das donzelas

Sanguessugado da redecastorphoto

Como era a vida de Dilma Rousseff na masmorra que abrigava presas políticas durante o regime militar no presídio Tiradentes

Luiza Villaméa e Claudio Dantas Sequeira

chamada.jpg

MARCO
Portal tombado pelo patrimônio histórico é o que restou do presídio

selo.jpg

Durante quase três anos, Dilma Rousseff, a candidata do PT à Presidência da República, morou na Torre das Donzelas. A construção colonial não pertencia a nenhum palácio. Encravada no presídio Tiradentes, em São Paulo, ganhou o singelo nome por abrigar presas políticas do regime militar. Para chegar à Torre, Dilma e suas companheiras atravessavam um corredor com celas em uma das laterais. Os cubículos eram ocupados pelas corrós, as presas correcionais, tiradas de circulação por um mês, em geral por vadiagem ou prostituição. Essas mulheres costumavam ficar seminuas ou com a roupa virada pelo avesso, para se apresentarem em trajes limpos quando liberadas.

img.jpg
COMPANHEIRAS DE CADEIA
Dilma, Eleonora, Guiomar, Rose e Cida na época em que foram presas

“Terrorista! Linda! O que você está fazendo aqui?”, gritavam as corrós ao verem passar uma nova presa política. Depois do corredor, havia um pequeno pátio. Em seguida, vinha a Torre. Dilma atravessou o corredor das corrós em fevereiro de 1970, aos 23 anos, após mais de 20 dias nos porões da repressão política. “Ela chegou fragilizada pela tortura, mas logo se recuperou”, lembra a jornalista Rose Nogueira, 64 anos, que passara pelo mesmo processo três meses antes.

img1.jpg

O presídio Tiradentes, onde Dilma esteve presa, já havia sido usado para encarcerar
os estudantes detidos no Congresso da UNE em Ibiúna (SP), em 1968.
Na era Vargas também abrigara presos políticos, entre eles o escritor Monteiro Lobato

Ao entrar pela primeira vez na Torre, Dilma viu as celas pequenas do térreo e duas escadarias laterais que saíam de uma espécie de hall e se encontravam no piso superior. Nesse andar, havia a cela 4, chamada de celão, pois se espalhava por 80 metros quadrados. Tinha também a cela 5, mais tarde adaptada como cozinha, e a 6, que Dilma dividiu com outras mulheres. “No começo, ficávamos na tranca o tempo todo”, conta a advogada Maria Aparecida Costa, a Cida Costa, 65 anos, uma das ocupantes da cela 6. Depois de algumas semanas e muitas reivindicações, as celas passaram a ficar abertas durante o dia.

Não demorou para que as donzelas da Torre se agrupassem, primeiro com base nas organizações clandestinas às quais pertenciam no “mundão”. Porque a Torre, no vocabulário das presas, era o “mundinho”. Mas as afinidades pessoais também contavam muito, como relata a médica e pesquisadora Guiomar Silva Lopes, 66 anos. “No mundão, o vínculo era de vida e morte”, diz Guiomar. “Na cadeia, estabelecemos uma relação de confiança inabalável.” Dilma é até hoje lembrada pelo espírito solidário. Durante um período, cuidou de uma estudante de arquitetura. “Quando a menina chegou da tortura, estava muito desestruturada emocionalmente”, afirma a advogada Rita Sipahi, 72 anos. “A Dilma ficou de olho nela o tempo todo para evitar que cometesse algum desatino.”

img4.jpg

Com a possibilidade de circular entre as celas, as presas políticas tentavam curar as feridas umas das outras e também se organizavam. Havia escala para as tarefas da limpeza e da cozinha. Com os víveres levados pelas famílias, elas preparavam as próprias refeições. Algumas conseguiam bons resultados, embora só contassem com dois fogareiros elétricos. Outras, nem tanto. A dupla mais desastrada na cozinha era formada por Dilma e Cida. “Não dominávamos a arte do tempero”, reconhece Cida. Numa ocasião, as duas resolveram caprichar no preparo de um prato de legumes. Acabaram servindo uma sopa de quiabo intragável. “Ficamos um pouco frustradas com o resultado, pois havíamos nos esforçado.”

Dilma se sobressaía nos grupos de estudo. “Ela é muito engenhosa na macroeconomia”, elogia outra companheira da Torre, a economista Diva Burnier, 63 anos. Na cadeia, Dilma, que abandonara a faculdade por causa da clandestinidade, dava aulas de economia para as colegas e participava dos debates. Num deles, defendeu a ampliação dos limites marítimos do Brasil. “Embora fosse uma iniciativa dos militares, Dilma apoiava, pois acreditava ser uma questão de soberania”, recorda Rose. “Hoje é fácil perceber a importância daquela decisão, tanto por causa da biodiversidade como pelo pré-sal.”

img2.jpg

Diante do Tiradentes, mães de estudantes fazem protesto contra a prisão de seus filhos. As mães das “donzelas da Torre” chegavam para as visitas nas tardes de sábado. Era o contato delas com o “mundão”

Aos 82 anos, a advogada Therezinha Zerbini, mulher do general Euryale de Jesus Zerbini, cassado em 1964, também recorda de Dilma com admiração. Presa na Torre durante o ano de 1970, Therezinha se destacava tanto pela origem quanto por ser uma senhora entre a população carcerária extremamente jovem. “As amigas dela me chamavam de ‘burguesona’ e ela me defendeu. Ela tinha uma liderança nata”, diz Therezinha. Quando precisava, Dilma endurecia. No final do ano, Therezinha estava bordando o vestido que a filha usaria no Réveillon quando um grupo de militares a procurou. “Acho que queriam me convencer a entrar num programa de arrependidos”, diz, referindo-se aos presos que foram à tevê renegar a opção pela resistência ao regime. “Não quis atendê-los. Eles voltaram mais tarde e, quando eu estava mandando-os ir embora, a Dilma gritou: ‘Dá duro neles, Therezinha. Se precisar, nós colocamos todos para fora’ .”

img5.jpg

Naqueles tempos, a atitude desafiadora só seria possível mesmo no presídio Tiradentes. Como muitos torturadores costumavam repetir durante as sessões que promoviam, o Tiradentes “era o paraíso”. Isso porque, ao entrar no presídio, a pessoa estava com a prisão reconhecida pelo Estado. Às vezes, era levada para interrogatórios em outras instituições, mas praticamente não corria risco de morrer ou “desaparecer”. Na escala macabra estabelecida nos porões do regime, a Operação Bandeirante (Oban) era o inferno, ficando o purgatório por conta da Delegacia Estadual de Ordem Política e Social (Deops). Como várias companheiras de cadeia, Dilma passou pelo inferno e pelo purgatório antes de chegar à Torre.

Por conta das sevícias, sofreu uma disfunção hormonal que levou anos para ser curada. Não perdeu, porém, o gosto pela vida. Com Cida, passava horas lendo os livros de ficção científica. Quando o rodízio do único aparelho de tevê da Torre caía em sua cela, entrava na madrugada vendo os filmes da sessão “Varig, a dona da noite”. Aprendeu até a bordar. “Ela fez uma tapeçaria com flores coloridas, que colocamos na parede”, lembra Rose. Na Copa do Mundo de 1970, acompanhou os jogos de perto. “A Dilma torceu muito pela Seleção Brasileira”, diz a socióloga Rosalba de Almeida Moledo, 66 anos.

img3.jpg
Criado em 1852, o presídio Tiradentes recebeu no começo escravos recapturados.
A Torre das Donzelas, onde ficaram Dilma e suas companheiras, é a construção redonda ao centro. Todo o complexo foi demolido a partir de 1973, durante a construção do metrô

No período em que o advogado Carlos Franklin Paixão de Araújo, seu companheiro, permaneceu encarcerado no Tiradentes, Dilma se comunicava com ele com a ajuda dos presos comuns. A rota usada por ela e outras presas políticas consistia em baixar mensagens por meio de uma corda artesanal, chamada “teresa”, para a carceragem dos “comuns”, que ficava embaixo da Torre. “De cela em cela, as mensagens chegavam ao destinatário, na ala dos presos políticos”, comenta Guiomar. “O recurso também era fundamental para sabermos o que estava acontecendo lá fora.”

Outro canal com o “mundão” eram as visitas, nas tardes de sábado, a maioria proveniente da capital paulista. “Nossas famílias, de Belo Horizonte, não conseguiam viajar com tanta frequência”, diz a pró-reitora da Universidade Federal de São Paulo, Eleonora Menicucci de Oliveira, 66 anos. “De qualquer forma, a mãe da Dilma e o irmão dela conseguiam vir bastante. Era uma alegria.” Para a mãe e as irmãs de Eleonora, viajar era mais complicado. Elas cuidavam de Maria, a filha de Eleonora, que tinha apenas um ano e dez meses quando a mãe foi presa.

img6.jpg

Conhecidas desde os tempos em que estudavam em Belo Horizonte, Dilma e Eleonora comemoravam com as meninas da Torre o Natal, o Réveillon e o Carnaval. As fantasias eram improvisadas, é claro, mas havia até desfile no “celão”. No caso de Dilma, as estratégias para manter o moral elevado atrás das grades também passava pelo humor. “Ela pôs apelido em todas nós”, conta Rita. “Uma era a Ervilha, outra a Moló, porque tinha jogado um coquetel-molotov em uma ação.” Essa faceta pouco conhecida de Dilma é ressaltada por outras entrevistadas. “Ela tem um humor impagável”, garante Eleonora. Quando a hoje presidenciável deixou a Torre, as companheiras de cadeia repetiram o ritual criado para o momento da libertação: cantaram “Suíte do Pescador”, de Dorival Caymmi, que começa com o verso “Minha jangada vai sair pro mar”. Quase 40 anos depois, tudo o que sobrou do presídio foi o portal de pedra, tombado como patrimônio histórico. No final de 1972, a construção de 1852 começou a ser demolida, para a construção do metrô paulistano.

retirado de IstoÉ Independente