quarta-feira, 30 de setembro de 2009

sábado, 26 de setembro de 2009

Tocantins: políticos se esbaldam com terra quase de graça



















É esse tipo de gente sem compromisso nenhum com o país que faz cortina de fumaça demonizando o MST para esconder sua própria bandidagem.
O Conselho Nacional de Justiça cancelou o registro de uma fazenda no Pará que teria 410 milhões de hectares, ou seja, a fazenda ocuparia quase a metade do Brasil. Tem mais na pag.10 do Globo (26.09/09).
Só pra refrescar a memória: o Estado do Pará que tem subsolo rico em minerais e é lá que Daniel Dantas cria umas vaquinhas.
Uma faxina nos cartórios poria muita gente na cadeia.
Taí uma boa pauta para o MST e os movimentos sociais.
GilsonSampaio

Tocantins: políticos se esbaldam com terra quase de graça
Leonardo Sakomoto

Que tal comprar uma área equivalente a um campo de futebol por menos de R$ 8,00? Difícil? Pois saibam que políticos do Tocantins receberam essa benção. Mas, enquanto isso, os pobres que moram nessa região não tiveram direito ao mesmo milagre: passam fome e vivem na rua da amargura.

A propaganda do agronegócio associa a expansão acelerada da soja à prosperidade. Os problemas são os fatos, que não escondem os problemas socioambientais vinculados à atividade. Uma dessas chagas atende pelo nome de Projeto Agrícola Campos Lindos, no Nordeste do Tocantins, a 491 km da capital Palmas (TO). O empreendimento, que este ano completou uma década e exporta milhares de toneladas do grão todos os anos, é resultado de dois contestados processos de “titulação” pública, não teve licença ambiental para se instalar, foi palco de trabalho escravo e desalojou famílias tradicionais que hoje padecem com índices vergonhosos de pobreza.

Após meses de investigação, a Repórter Brasil está publicando uma série de reportagens sobre um projeto que enche os bolsos de políticos importantes, como a senadora Kátia Abreu (DEM-TO), presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária (CNA), e empresas multinacionais da soja. E torna mais pobres os já pobres moradores da região. Destaco abaixo alguns pontos.

Campos Lindos, na divisa com o Maranhão, é o campeão estadual de exportações, tendo como principal produto a soja. Em 2008, as vendas externas da localidade somaram US$ 78,5 milhões, mais de um quarto (26,4%) de tudo o que saiu do estado para fora do país em 2008. Aliás, a prevalência do comércio do grão em âmbito estadual é surpreendente: a cada US$ 10 exportados pelo Tocantins, US$ 8 dizem respeito à soja. Essa “explosão” foi aditivada, em grande medida, pelo Projeto Agrícola Campos Lindos, instalado a partir do final dos anos 1990.

Criado no papel em 1989 e instituído na prática em 1993, Campos Lindos (TO) está no topo de outro ranking. A localidade ocupou o primeiro posto absoluto entre todos os municípios do país no Mapa de Pobreza e Desigualdade, divulgado no final do ano passado. O mesmo IBGE, que mede a produção, também cruzou dados da Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) 2002-2003 com o Censo 2000 e revelou que 84% da população de Campos Lindos vivem na pobreza. Mais grave: 62,4% dos moradores estão na extrema indigência, ou seja, não ingerem o mínimo de calorias diárias para sobreviver.

Em 1999, a seleção de 47 contemplados para o Projeto Agrícola Campos Lindos foi feita pela Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Tocantins (Faet), com apoio da Companhia de Promoção Agrícola (Campo). A Campo foi fundada em 1978 como fruto do acordo entre consórcios para a implantação do Programa de Cooperação Nipo-Brasileira para o Desenvolvimento dos Cerrados (Prodecer), em parceria com o Banco do Brasil e com cooperativas de produtores.

Sem cerimônias, representantes da Faet e da Campo se autobeneficiaram com o Projeto Agrícola Campos Lindos. A hoje senadora Kátia Abreu (DEM-TO), à época presidente da Faet e atualmente à frente da Confederação Nacional de Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), ficou com um lote de 1,2 mil hectares e seu irmão, Luiz Alfredo Abreu, com outro de mesma dimensão. O presidente da Campo, Emiliano Botelho, foi agraciado, com um lote ainda maior: 1,7 mil hectares. Pessoas próximas ao então presidente do Itertins, Nelito Cavalcante, também foram atendidas com lotes. A Repórter Brasil entrou em contato com o Itertins para ouvir o órgão sobre o turbulento processo de “titulação” do projeto agrícola, mas não obteve resposta.

A senadora Kátia Abreu (DEM-TO), presidente da Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária (CNA), declarou com valores bastante inferiores aos de mercado dois terrenos no município de Campos Lindos, Tocantins, nas eleições ao Senado em 2006. Um dos lotes, com 1.268,84 hectares, foi estimado por ela em R$ 10.075,35 mil em declaração à Justiça Eleitoral. Segundo consultas a imobiliárias que atuam na região da fazenda, um terreno assim custaria de centenas de milhares a milhões, dependendo da avaliação. Mas nunca R$ 7,94 o hectare (que dá para comprar três litros de óleo de soja aqui em São Paulo). Questionamos a senadora sobre a sua participação no projeto agrícola e não obtivemos uma resposta.

A lista dos beneficiados pelo projeto deflagrado pelo ex-governador Siqueira Campos é reveladora. Inclui o ex-ministro da Agricultura do governo Itamar Franco, Dejandir Dalpasquale, que presidiu a Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), e Tiago Turra, filho de outro ex-ministro da Agricultura (Francisco Turra, do governo Fernando Henrique Cardoso), que já deu declarações públicas de que não chegou a se apossar do terreno. Casildo Maldaner, ex-senador e ex-governador de Santa Catarina pelo PMDB, também foi brindado com um lote, mas não mantém o negócio. O brigadeiro Adyr da Silva, ex-presidente da Empresa Brasileira de Aeronáutica (Embraer), e uma série de políticos da região – José Wellington Martins Belarmino, de Pedro Afonso (TO), e Jonas Demito, de Balsas (MA) – também foram contemplados neste início. Não foram esquecidos grandes produtores e personalidades públicas do Sul do país – como João Carlos Di Domenico e Vilibaldo Erich Schmid, de Campos Novos (SC) – e de Minas Gerais – João Benício Cardoso e Eurípedes Tobias, de Paracatu (MG).

Outros dois figurões foram atendidos: Assuero Doca Veronez, atual presidente da Comissão de Meio Ambiente da CNA e dirigente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Acre (Faec), e o empresário Carlos Alberto de Sá, de Brasília (DF), dono da Voetur, agência de turismo envolvida em diversas denúncias de irregularidades. Segundo fontes consultadas, Carlos Alberto comprou vários outros lotes do Projeto Agrícola.

“O projeto foi criado de forma arbitrária”, avalia o procurador Álvaro Manzano, do Ministério Público Federal do Tocantins (MPF/TO), que condena os valores “irrisórios” pagos pelos políticos e o trâmite “irregular” de transferência das terras cobertas atualmente por soja. Ele e outros três procuradores da República entraram com um pedido de intervenção federal no Tocantins, em outubro de 2003, com base na conduta imprópria dos Poderes Judiciário e Executivo do Estado, relativa ao Projeto Agrícola Campos Lindos.

Para ler a primeira das reportagens de Maurício Hashizume e Jane Cavalcanti, clique aqui.

terça-feira, 22 de setembro de 2009

E AGORA OBAMA? FAZER O QUE COM O “ABRIGADO”?


Laerte Braga


Diplomatas brasileiros freqüentadores de colunas sociais e porta-vozes de interesses norte-americanos e empresariais no País estão encucados com a expressão “abrigado” com que o ministro das Relações Exteriores Celso Amorim se referiu a Manuel Zelaya, presidente constitucional de Honduras. Zelaya está, desde ontem, na sede da embaixada do Brasil em Honduras.

Acostumados a tirar sapatos no aeroporto de New York em revistas para identificar “terroristas”, não se conformam com o fato do Brasil ter um chanceler que não sabe o que é voltar-se para Wall Street e orar seis vezes ao dia, mas só a parte do venha a nós, o vosso reino nada.

Se necessário, para manter o status e continuar e morar na Miami brasileira, Barra da Tijuca, nas compras de Natal em New York tiram as cuecas.

Lamprea e Láfer a essa altura do campeonato devem estar sob cuidados médicos para evitar crise de gripe DASLU. FHC por enquanto não abriu a boca, estão tentando desengasgá-lo. Gripe caviar com molho Ford.

David Leterman (Jô Soares copiou ipsis literis o programa dele, inclusive aquele negócio de beber em caneca) falou outro dia de uma cervejaria instalada em Washington, onde se supunha estar a Casa Branca. Obama que não é bobo, já anunciou que vai ao programa em mais um show tipo correr pelas ruas de New York para aproveitar e desestressar um pouco.

No caso da expressão “abrigado”, saiu dos manuais de subserviência os caras fundem a cabeça, enrolam a língua, as pernas e não há champagne que dê jeito. Vão ficar rodando que nem peru bêbado em véspera de Natal. E essa turma preferencialmente o dia de Ação de Graças. Todos têm conta no BRADESCO.

E aquele peru com termômetro, que avisa quando está pronto.

O que Barack Obama vai fazer com esse “estrago” no marketing democracia de fantasia? De repente descobrem que o caviar contrabandeado do Irã vem com fluídos do presidente Ahmadinejad e altos índices de radioatividade.

Chamem Hilary! Já devem ter gritado isso várias vezes.

Falta pouco para acusar Zelaya de estar desenvolvendo um programa oculto para a construção da bomba atômica hondurenha.

O gangster que assumiu o governo de Honduras na velha combinação embaixada dos EUA, elites, forças armadas e mais um general norte-americano para comandar o assalto, literalmente em termos de código penal, disse agora que Zelaya pode ficar morando na embaixada do Brasil o tempo que quiser.

Confissão de impotência depois que meia dúzia de Gilmar Mendes hondurenhos autorizou a “invasão” da embaixada do Brasil. Cortaram a luz e a água, desligaram os telefones.

Centenas de hondurenhos já foram mortos após o golpe. Milhares estão sendo detidos nas caravanas que saem do interior do país rumo a capital Tegucigalpa, onde querem se juntar aos milhares que exigem a volta do presidente Zelaya.

O que é preciso entender nessa história toda é que os dráculas estão apenas fingindo dormir. Agem à luz do dia, desenvolveram tecnologia de destruição e tudo o mais para não se perderem no claro. À noite, sanguessugam toda a América Latina.

No governo Bush um comando de elite foi ao Haiti e prendeu e levou para fora do país o ex-presidente Jean Bertrand Aristides. Inventaram uma tal de intervenção para reconstruir o país, o mais pobre da América Latina, arrastaram o Brasil na aventura e lá estão até hoje.

Em Honduras não foi necessário. Juntaram uns generais, distribuíram uns mimos (assim tipo chaveiro de banco, caneta esferográfica brilhante, ingresso para o jogo dos ianques, etc, etc) e deram um golpe.

Dão todo dia.

Não contavam com a resistência. E nem que de repente a expressão “abrigado” saísse assim como que do nada para definir a condição de Zelaya.

É simples ô meu! “Abrigado” caracteriza a condição de presidente que, sem condições de exercer seu mandato obtido pelo voto, busca, exatamente, abrigo onde possa fazê-lo.

É isso que Zelaya e os hondurenhos estão fazendo.

E esperando, lógico, que o palácio do governo seja desinfetado e os ratos exterminados.

Ratos lá, significam tucanos aqui. A mesma coisa, sem querer ofender nem a ratos, essenciais para pesquisas científicas as mais variadas e tucanos – as aves – importantes na fauna (na fauna viu dona Ana Maria Braga) brasileira.

O que Obama vai fazer não sei. Mas que tem um pepino nas mãos isso tem. Quem sabe não tempera e serve na cervejaria Casa Branca?

Condor fase IV.

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Noite de terror e tortura na Band

Gilson Sampaio


Foi muito divertido assistir o programa Canal Livre da TV Bandeirantes neste último domingo.
Fosse eu o dono da emissora, demitia incontinenti o asno que teve a infeliz idéia de convidar o Ciro Gomes. Claro que estou raciocinando sob a ótica do ruralista dono da empresa.
Ciro Gomes foi cruel e Boris Casoy, Fernando Mitre e Antonio Teles viveram uma noite de terror e tortura. O último deles se calou a partir de uma resposta do Ciro que revelou a magnitude da sua estupidez. Os três foram desmascarados, desmoralizados e humilhados, o que não significa que eles vão se corrigir.
Pela primeira vez na tv aberta alguém teve a oportunidade de desmontar a ideologia do PIG – partido da imprensa golpista, bater no FHC e Serra, criticar a mídia e a oposição tucanodemo golpistas.
A técnica usada pelo programa ao entrevistar ‘adversários’ é a interrupção constante do entrevistado com argumentos que desviam do foco original. Uma forma esperta de não ouvir respostas inconvenientes.
Ontem foi diferente. Ciro falou o que quis, bateu o tempo todo e deixou os três com caras de ‘cachorro que caiu da mudança’.
Como essa humilhação do PIG não vai acontecer novamente, aproveite e clique aqui para se deleitar, antes que a emissora retire do portal.
Em tempo: observem a 'orelinha' do Boris ao final do programa, cor necrose rubra de raiva.

sábado, 12 de setembro de 2009

Julgamento de Battisti: "STF usurpa poderes do Presidente da República"

Do blog do Azenha

Caro Ministro Tarso Genro e demais companheiros,

Tomo a liberdade de enviar este e-mail porque creio que ocorreu um fato muito grave no julgamento de Batisti no STF. O voto do Ministro Peluso ameaça escrever uma página das mais tristes na história do STF, caso seja acompanhado pela maioria dos demais Ministros.

A extradição de Batisti está sendo baseada em um voto de clara natureza político-ideológica, que rompe com a jurisprudência do próprio STF sobre extradição e com toda a tradição brasileira de asilo político, inserida como um dos princípios de nossa República nas relações internacionais (artigo 4º da Constituição da República Federativa do Brasil).

Mas o pior de tudo, que me levou a escrever carta publicada hoje no jornal "O Globo", foi a usurpação dos poderes do Presidente da República, com a intromissão do STF em um ato discricionário e político de competência do Poder Executivo.

Qual será o próximo passo? O STF irá decidir sobre a compra dos caças franceses ou sobre o modelo de partilha no pré-sal? Não há limite para o golpismo de uma parte de nossa elite e temos de reagir vigorosamente, exigindo o respeito pelo STF de suas competências constitucionais. O povo brasileiro não elegeu nenhum Ministro do STF para governar o país, muito menos para usurpar os poderes legitimamente conquistados nas urnas pelo Presidente Lula.

Por fim, o Ministro e amigo Tarso Genro tem a minha irrestrita solidariedade e apoio em suas declarações e atitudes sobre esta grave crise institucional.

Um abraço a todos,

Sérgio Batalha Mendes

Presidente do Sindicato dos Advogados do Estado do Rio de Janeiro e Conselheiro da OAB/RJ

O Itamarati que se acautele

Gilson Sampaio

No governo entreguista. vassalo e sabujo do FHC, houve embaixador brasileiro que se viu obrigado a tirar os sapatos num aeroporto dos EUA. Será que foram somente os sapatos?
Se a decisão do STF for mesmo pela extradição de Cesare Batisti a que humilhações estarão nossos embaixadores nos aeroportos italianos? Aliás, não só os embaixadores, os brasileiros em geral, afinal, se eles dão ordens por aqui no STF e nos tratam como inferiores porque esperar um tratamento digno.
É bom lembrar que o Berlusconi fez aprovar lei que obriga médicos a dedurarem imigrantes ilegais.
Se a polícia italiana dos aeroportos viu os horrores de Guantánamo, é bom o Itamarati se acautelar.